Governar à Guterres é “ser campeão das privatizações”, diz Catarina Martins sobre PS - SIC Notícias

Governar à Guterres é “ser campeão das privatizações”, diz Catarina Martins sobre PS

20/01/2022 03:46:00

Governar à Guterres é “ser campeão das privatizações”, diz Catarina Martins sobre PS

Alvo principal do discurso foi o PS e os avisos para os riscos da maioria absoluta que António Costa tem pedido para as eleições legislativas de 30 de janeiro. Alvo principal do discurso foi o PS e os avisos para os riscos da maioria absoluta que António Costa tem pedido para as eleições legislativas de 30 de janeiro.

PS passou, anos depois, a ser o campeão das privatizações”“Depois de ter defendido a nacionalização dos mais variados setores logo após Portugal chegar à democracia e discutir como é que ultrapassávamos o atraso, o PS passou, anos depois, a ser o campeão das privatizações”, acusou.

Recuperando uma expressão do líder do PS no debate recente com o presidente do PSD, Catarina Martins atirou: “governar à Guterres, já agora, é isso mesmo, é ser campeão das privatizações”.“Alguns membros do Governo atual começaram em funções nesse tempo, no campeonato das privatizações”, afirmou.

Consulte Mais informação: SIC Notícias »

Qual o peso das “empresas” ou da “justiça” nos programas do PS e PSD?“Horizonte”, “empresa”, “desenvolvimento”, “Plano de Recuperação e Resiliência”, “saúde”, ou “ambiente”. Quais as palavras mais usadas nos programas do PS e do PSD?

Voto PS, não voto PANNão compreendo como é possível o PS colocar-se na eventual dependência do PAN, partido que subverte o primado da pessoa humana e os fundamentos humanistas da nossa sociedade. Se tal acontecesse, votar PS seria como votar contra mim mesmo, contra o q Muito bem dito, Manuel Alegre. Vota PS ? Que segredo deste avençado + reforma + rendas +++ nem ele sabe o porquê de tantas regalias enquanto muitos portugueses estão cada vez mais com a corda no pescoço graças ao seu PS Traidor da Pátria !

IL defende PPP na saúde e responsabiliza PS, BE e PCP pelo seu fimO presidente da Iniciativa Liberal admitiu haver parcerias público-privadas noutras áreas que 'são ruinosas', mas 'as da saúde eram boas parcerias'. A IL é merda. Onde houve PPP houve o paraíso da IL. Lucro para o privado, custos TODOS para a parte do estado. Defende PPP... por causa das PPP's e desses arranjinhos é que o país está na m€rd...

CDS diz que o PS é o 'coveiro do SNS' e defende contratualização com privadosFrancisco Rodrigues dos Santos defendeu medida como forma de aliviar a pressão sobre os hospitais públicos.

João Oliveira acusa PS de querer 'confinar-se no pior da sua tradição' - RenascençaO dirigente comunista diz que o voto na CDU 'é o único que garante' que no dia 31 de janeiro não haverá 'um Governo do PSD e dos outros primos da direita'.

Montenegro diz que Chega tem de se decidir entre PS e PSD

“ PS passou, anos depois, a ser o campeão das privatizações” “Depois de ter defendido a nacionalização dos mais variados setores logo após Portugal chegar à democracia e discutir como é que ultrapassávamos o atraso, o PS passou, anos depois, a ser o campeão das privatizações”, acusou.Receber alertas Foto António Costa (à esquerda) propõe um programa de continuidade, enquanto Rui Rio (à direita) quer"novas" abordagens para o país LUSA/PEDRO PINA Diz-me que o que escreveste no teu programa e dir-te-ei que partido és.Oferecer artigo Receber alertas O PS tornou-se um grande partido nacional ao preservar a sua autonomia política e estratégica quando, em 1974-75, derrotou os que pretendiam torná-lo satélite do vanguardismo político-militar.e receba as informações em primeira mão.

Recuperando uma expressão do líder do PS no debate recente com o presidente do PSD, Catarina Martins atirou: “governar à Guterres, já agora, é isso mesmo, é ser campeão das privatizações”. “Alguns membros do Governo atual começaram em funções nesse tempo, no campeonato das privatizações”, afirmou. Ambas as palavras mais usadas por cada partido começam pela letra “P”, mas traçam retratos diferentes da estratégia para vencer as eleições. De acordo com a líder do BE, “o único período em que a ânsia privatizadora do PS foi contida e foi travada foi precisamente entre 2015 e 2019”, o período da geringonça. Depois da institucionalização da democracia, a partir de certa altura, o PS ficou refém do chamado arco da governação, em que parecia condenado a ser uma espécie de ala esquerda do centro direita. “No contrato assinado com o Bloco de Esquerda estava proibida qualquer privatização e, mais do que isso, revertemos as privatizações dos transportes públicos em Lisboa e avançámos nos direitos das pessoas e avançámos contra o atraso”, enfatizou. “Maioria absoluta é a maior inimiga da sua estabilidade” Na análise de Catarina Martins, à medida que a campanha vai evoluindo, “seja pelo modo como a direita conduz a campanha, seja pelo modo como o PS se dirige ao país”, a decisão que os eleitores terão de tomar “fica mais clara”: “ou uma maioria absoluta do PS ou um contrato para o país que permita avanços onde o PS os tem travado”. "Serviços esses que estavam na base dos pagamentos pelos quais poderiam receber ao fim do ano, ou seja, receberam ordens para não praticar atos médicos e, depois, foram medidos e avaliados pela inexistência desses mesmos atos médicos", explicou.

“Sabemos que os grandes interesses económicos, que ganharam com os processos de privatização, que ganham com a economia de privilégio, vão preferir sempre uma maioria absoluta”, defendeu. No entanto, para a líder do BE, “o povo deste país que trabalha, que é tão esforçado, sabe bem que a maioria absoluta é a maior inimiga da sua estabilidade” e que os bloquistas serão “a força de um contrato para Portugal que resolva o atraso estrutural do país e que responda pelo que é mais importante”. Saiba mais: .