Gestão privada do Hospital de Loures chega hoje ao fim

Loures, Hospital

18/01/2022 11:46:00

Termina esta terça-feira a parceria público-privada na gestão do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures. Com a saída do grupo Luz Saúde, entra em funções a nova administração liderada por Rosário Sepúlveda e o Serviço Nacional da Saúde passa a ter apenas um hospital gerido em PPP, em Cascais, cujo contrato foi prolongado em novembro até ao final deste ano.

No caso do Hospital de Loures, a opção inicial do Governo foi lançar concurso para uma nova PPP mas o processo derrapou durante a pandemia e o Estado e o Grupo Luz Saúde não chegaram a acordo para prolongamento do contrato de gestão.

Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Ultrapassados por bicicletas e trotinetes, buzinados no fim: fomos andar de carro a 30km/h com a vereadora de Lisboa que o propõe

CNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo. Consulte Mais informação >>

NADA ESTÁ TÃO RUIM QUE NÃO POSSA PIORAR.

Fim da PPP. Gestão privada do Hospital de Loures chega hoje ao fim

Fim da PPP. Gestão privada do Hospital de Loures chega hoje ao fim

PPP no Hospital Beatriz Ângelo chega hoje ao fimA partir de 19 de janeiro, o Hospital de Loures deixa de ser gerido em regime de Parceria Público-Privada, passando para a esfera do Estado.

Vila Real tem uma equipa de cuidados paliativos ao domicílio - SIC NotíciasMédicos, enfermeiros e até uma psicóloga vão a casa dos doentes em fim de vida.

Prazo para candidaturas ao ponto de ligação à rede elétrica da central do Pego termina...

CDS, IL e Chega. Partidos já estão na rua para a campanhaNo segundo dia de campanha, CDS-PP, PAN, iniciativa liberal e Chega dedicaram as ações de campanha a vincar as diferenças dos adversários políticos.

Fim da PPP Termina esta terça-feira a parceria público-privada na gestão do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures. Com a saída do grupo Luz Saúde, entra em funções a nova administração liderada por Rosário Sepúlveda e o Serviço Nacional da Saúde passa a ter apenas um hospital gerido em PPP, em Cascais, cujo contrato foi prolongado em novembro até ao final deste ano. No caso do Hospital de Loures, a opção inicial do Governo foi lançar concurso para uma nova PPP mas o processo derrapou durante a pandemia e o Estado e o Grupo Luz Saúde não chegaram a acordo para prolongamento do contrato de gestão. Em entrevista ao Nascer do SOL, Artur Vaz, administrador do hospital desde o seu início, diz que o prolongamento sem um reequilíbrio financeiro para compensar os prejuízos da quebra de atividade durante a pandemia não era “sustentável” e revela que o grupo vai avançar para Tribunal Arbitral para ser ressarcido. “Não fomos nós que dissemos que não queríamos, o Estado é que disse que não queria”, afirma o gestor. “O Estado perguntou-nos em março de 2021 se estaríamos interessados em manter-nos mais dois anos à frente do hospital e nós dissemos que, nas condições atuais, não. Tínhamos tido resultados negativos horrorosos, estamos a falar de 28 a 29 milhões de negativos em 2020, por causa da pandemia, quer por causa dos custos que cresceram quer pelas receitas que diminuíram muito porque fomos mandados suspender toda a atividade programada não prioritária e, portanto, entendemos que não poderíamos suportar a atividade nestas condições”. Para Artur Vaz, o cenário que se colocava ao grupo era entre “um tiro no coração ou um tiro na cabeça”. 2,5 milhões de consultas Num balanço da atividade nos últimos dez anos, o Beatriz Ângelo revela que foram feitas um total de 2,5 milhões de consultas e 133 254 cirurgias. Nasceram no HBA 24 230 crianças e durante a pandemia, até novembro de 2021, o hospital teve 3241 doentes internados com covid-19, 609 em cuidados intensivos. Crítico da taxa de esforço desigual pedido aos hospitais de Lisboa durante a pandemia, Artur Vaz critica a falta de cooperação entre hospitais e considera que a falta de gestão no SNS, se não for resolvida, “vai ser o motivo de morte do SNS”. Apontando como preocupação na transmissão da gestão do hospital não ser afetada a prestação de cuidados nem as condições de trabalho dos profissionais, Artur Vaz admite que os constrangimentos na contratação pública, dependente de autorizações, poderão afetar a dinâmica do hospital. Mas afasta um cenário de saídas massivas: “Há sempre muitas preocupações, como se o Hospital da Luz fosse interminável. Em dezembro saiu o mesmo número de pessoas que costuma sair – sair e entrar. São 30/40 pessoas, a taxa de rotação normal do hospital”. No diploma que criou em novembro a entidade pública empresarial que passa a gerir o Hospital de Loures, é definido um prazo de três anos para reavaliação, como já tinha acontecido com os Hospitais de Braga e Vila Franca de Xira, outras duas PPP da segunda segunda vaga lançada em 2008 no Governo de José Sócrates e que chegaram ao fim esta legislatura. A PPP do Hospital de Braga, inaugurado em 2011 pelo Grupo José de Mello Saúde, acabou em setembro de 2019. Seguiu-se o fim do contrato em Vila Franca em maio de 2021. No caso da PPP do Hospital de Cascais, do grupo Lusíadas, decorre o concurso para uma nova parceria mas em setembro foi noticiada a desistência do grupo, restando um concorrente, o grupo espanhol Ribera Salud, o que pode levar à extinção do concurso, noticiou o Eco. Poupança superior a 200 milhões Na proposta do OE para 2022, o Governo previa uma despesa de 66 milhões de euros com as PPP na Saúde, menos do que os 247 milhões de euros de 2021, já contando com o fim das PPP de Vila Franca e Loures, mantendo-se os contratos para a gestão dos edifícios assinados com os consórcios por 30 anos. Acresce a este valor 80 milhões de euros autorizados pelo Governo em novembro para a prorrogação por um ano do contrato da gestão do Hospital de Cascais, que poderá vir a encerar a experiência de gestão hospitalar privada no SNS que começou em 2001 com o Hospital Amadora-Sintra. De acordo com a última auditoria do Tribunal de Contas, publicada em 2021, entre 2014 e 2019 os quatro hospitais PPP na Saúde representaram uma poupança para o Estado de 203 milhões de euros face ao custo de produção nos hospitais públicos, considerando então o TdC que os hospitais estavam “plenamente integrados no SNS, desempenhando o papel de realização, por parte do Estado, do direito à saúde, previsto constitucionalmente, à semelhança dos hospitais de gestão pública.”