França vai doar 100 mil doses de vacina da Astrazeneca a países africanos

França vai doar 100 mil doses de vacina da Astrazeneca a países africanos

21/04/2021 20:10:00

França vai doar 100 mil doses de vacina da Astrazeneca a países africanos

Decisão anunciada pelo Eliseu esta quarta-feira integra-se na iniciativa Covax, incentivando à distribuição de vacinas pelos países mais pobres

A França vai doar 100 mil doses da vacina contra o novo coronavírus da AstraZeneca aos países africanos como parte do mecanismo Covax, anunciou esta quarta-feira fonte do Eliseu.O Covax é um mecanismo internacional de entrega de vacinas a países pobres, graças a doações de Estados e atores privados, e em cuja criação a União Europeia (UE) teve um papel de liderança.

Portugal vence Hungria na qualificação para o Europeu ″Acho que não há dúvida″. Fauci admite que o número de mortos nos EUA está subestimado Castelo do Drácula oferece vacinas contra a covid-19 aos visitantes

As doses doadas pela França serão provenientes da fábrica de embalagem que a AstraZeneca tem em Itália, depois de a unidade da empresa na Índia ter sido excluída dos fornecimentos por ordem do Governo de Nova Deli para proibir a exportação de vacinas na sequência da situação crítica da pandemia no país.

"Em África é onde há mais prioridade" para a chegada de vacinas, acrescentou fonte do Eliseu, em declarações a um grupo de jornalistas.França também quer que a iniciativa Covax dê prioridade às remessas de vacinas para a América Latina,"onde existem desafios muito importantes", dada a propagação das mutações do vírus naquela região, acrescentou a mesma fonte. headtopics.com

A Covax é uma iniciativa global, liderada pela Organização Mundial de Saúde e pela Aliança para as Vacinas (Gavi), que pretende tornar equitativo o acesso a uma vacina para a covid-19.Desde 24 de fevereiro, com a chegada das primeiras doses ao Gana, a Covax já distribuiu mais de 40,5 milhões de vacinas covid-19 por 118 países de médio e baixo rendimentos, incluindo países africanos lusófonos e Timor-Leste.

Consulte Mais informação: Expresso »