Metro Sul Do Tejo, Trabalho

Faltou ao trabalho por não ter onde deixar a filha. Empresa vai ter de o indemnizar por despedimento abusivo

Metro Sul do Tejo: Faltou ao trabalho por não ter onde deixar a filha. Empresa vai ter de o indemnizar por despedimento abusivo

09/05/2021 00:30:00
Metro Sul Do Tejo, Trabalho, Legislação Laboral

Metro Sul do Tejo: Faltou ao trabalho por não ter onde deixar a filha. Empresa vai ter de o indemnizar por despedimento abusivo

Condutor do metro de superfície de Almada chegou a levar criança consigo na cabina durante viagens, até ser proibido de o fazer pelo chefe. Agora o MTS vai ter de o indemnizar por o ter mandado embora de forma abusiva.

Consulte Mais informação: Público »

Um bico de obra, provar em tribunal qualquer coisa é sempre tarefa ingrata. Os juízes acreditam no que lhes apetece. Impressionante como algo deste género acontece e continua a acontecer em Portugal. Como é possível? Certamente um tema no nosso podcast. Isto tem de ser divulgado para toda a gente. servicopublico

Abusivo? Quem mandou ter filho? Absurdo essa lei socialista

Mulher diz que foi sequestrada 52 vezes por extraterrestresPaula afirma ter visto na nave onde esteve, tecnologia dos alienígenas nunca antes vista por si. Os aliens são uns stalkers do pior, toda gente sabe... Tânia, foste tu? O pior é que a devolveram 52 vezes... Nem eles a querem xD

Jorge Jesus impede Gonçalo Ramos na equipa BJovem avançado não defrontou o Sp. Covilhã e deve ter minutos frente ao Nacional

'Investi tudo o que tinha na Promovalor': Vieira ouvido como um dos grandes devedores do Novo Banco. Siga ao minutoPresidente do Benfica, acionista da Promovalor, provocou perdas de mais de 200 milhões ao Novo Banco, vai ser ouvido após a primeira audição ter sido adiada devido a uma consulta médica. Lê muito bem O VAR vai analisar e anular,trata se de um esquema ao qual o orelhas e os seus amigos de esquerda são alheios. A culpa é do Covid.

Poeta birmanês morre depois de ter sido torturado por militares, diz oposiçãoKhat Thi é o terceiro poeta a morrer durante os protestos contra a Junta Militar que tomou o poder a 1 de Fevereiro. Pelo menos 780 civis foram mortos pelas forças armadas.