Fórum para a Competitividade prevê retoma mais fraca com agravamento de riscos económicos

A entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa diz que o aparecimento da ómicron (variante da covid-19), aliado aos elevados preços da energia e à instabilidade política em Portugal, pode comprometer a retoma económica nacional

Competitividade, Pedro Ferraz Da Costa

02/12/2021 18:47:00

A entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa diz que o aparecimento da ómicron (variante da covid-19), aliado aos elevados preços da energia e à instabilidade política em Portugal , pode comprometer a retoma económica nacional

A entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa diz que o aparecimento da ómicron (variante da covid-19), aliado aos elevados preços da energia e à instabilidade política em Portugal , pode comprometer a retoma económica nacional. E diz que retoma será 'a um ritmo menor do que o anteriormente considerado'.

E usufrua de todas as vantagens de ser assinanteO Fórum para a Competitividade alerta que o cenário económico agravou-se no mês de novembro. A entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa diz que o aparecimento da ómicron (variante da covid-19), aliado aos elevados preços da energia e à instabilidade política em Portugal, pode comprometer a retoma económica nacional.

"O indicador diário de atividade, do Banco de Portugal, apresentou um claro abrandamento em outubro, mas recuperou em novembro. No entanto, os desenvolvimentos dos últimos dias indicam que isso foi sol de pouca dura", lê-se na nota de conjuntura relativa ao mês de novembro, divulgada esta quinta-feira pelo Fórum para a Competitividade.

Consulte Mais informação: Jornal de Negócios »

Pedro Caixinha regressa ao comando técnico do Santos LagunaInternacional - Pedro Caixinha regressa ao comando técnico do Santos Laguna

'Temos de ver isto com normalidade, a Ómicron não é um problema'. Virologista Pedro Simas diz que infeções ainda vão subir em PortugalNo congresso de turismo que decorre em Aveiro, o virologista defendeu que a economia não deve fechar e que a chave para esta fase em que o vírus se está a tornar endémico é o reforço da vacinação. 'A partir da próxima Páscoa as coisas vão mudar completamente ', garantiu

Internet: uma miragem para mais de um terço do mundoUm relatório da União Internacional de Telecomunicações sugere um aumento da conectividade devido à pandemia, mas com os mais pobres a serem deixados para trás.

Covid-19. Tondela-Moreirense da 13.ª jornada da I Liga adiado. Beirões têm toda a equipa em isolamentoCom vários casos de covid-19 no plantel, Tondela pediu adiamento para o jogo e, com a concordância do Moreirense, o encontro foi reagendado para dia 3 de janeiro Importante era o slb defrontar o belenenses não o interessava a que custo... nem com que causas... nem com que efeitos... A partir daí a saúde pública retoma os seus direitos! O mesmo sucedeu com o relvado na Madeira! Beneficiados? Os do costume! Jmm

Boavista limita lotação do Bessa e adeptos não precisam de testeClube axadrezado contorna medida do Governo para resolver problemas dos adeptos no 'agendamento, realização e pagamento dos testes obrigatórios' em eventos desportivos com mais de 5000 pessoas

Há 10 agrupamentos com mais de 500 horas de aulas por preencherAgrupamento no topo da lista ultrapassa as 850 horas de aulas por preencher

Assine para partilhar E usufrua de todas as vantagens de ser assinante O Fórum para a Competitividade alerta que o cenário económico agravou-se no mês de novembro.  A entidade liderada  por Pedro Ferraz da Costa diz que o aparecimento da ómicron (variante da covid-19), aliado aos elevados preços da energia e à instabilidade política em Portugal, pode comprometer a retoma económica nacional. "O indicador diário de atividade, do Banco de Portugal, apresentou um claro abrandamento em outubro, mas recuperou em novembro. No entanto, os desenvolvimentos dos últimos dias indicam que isso foi sol de pouca dura",  lê-se na nota de conjuntura relativa ao mês de novembro, divulgada esta quinta-feira pelo Fórum para a Competitividade. Os analistas do Fórum para a Competitividade consideram que" os problemas da retoma agravaram-se" em novembro e que parte desse agravamento se deveu a"dois indicadores muito negativos de evolução da pandemia: a subida de novos casos e, sobretudo, a identificação de uma nova variante do covid-19, a ómicron". "Ambos os sinais têm um claro potencial de abrandamento da atividade, desde logo a nível internacional", dizem. A juntar a isso,"persistem as dificuldades anteriores, devido aos elevados preços da energia e mesmo escassez física, em particular a sentida na China" que tem gerado falta de componentes. O Fórum para a Competitividade diz, no entanto, que"o abrandamento da procura mundial poderá aliviar estas dificuldades, que os preços do petróleo já sinalizam". Já na vertente interna, indica que há"dúvidas" sobre a solução governativa que vai sair das eleições legislativas antecipadas, após o chumbo do Orçamento do Estado. Essa incerteza centra-se na"durabilidade do novo Governo" e na sua capacidade de concretizar as reformas de que o país precisa, para"deixar a estagnação das duas últimas décadas". Apesar disso, o Fórum para a Competitividade argumenta que"a expectativa dominante é de continuação da recuperação mundial e nacional". Mas sublinha que essa retoma será"a um ritmo menor do que o anteriormente considerado".