“Está na hora de quebrar o silêncio sobre a obesidade e as suas graves consequências”

“Está na hora de quebrar o silêncio sobre a obesidade e as suas graves consequências”

15/10/2021 18:05:00

“Está na hora de quebrar o silêncio sobre a obesidade e as suas graves consequências”

O deputado Ricardo Baptista Leite pede que o combate à doença seja encarado como prioridade nacional, numa altura em que existem mais de 1,5 milhões de portugueses afetados. Os riscos para a saúde, o impacto económico e caminhos para o futuro serão discutidos no debate promovido pelo Expresso em parceria com o movimento Recalibrar a Balança no dia 19, a partir das 11h, com transmissão em direto no Facebook do semanário

Francisco de Almeida FernandesApesar de Portugal ter sido, em 2004, dos primeiros países europeus a considerar a obesidade como doença crónica, quase duas décadas depois os números não são animadores. De acordo com o Inquérito Nacional de Saúde de 2019, do Instituto Nacional de Estatística, 16,9% da população portuguesa é obesa, equivalente a mais de 1,5 milhões de pessoas. “Como muitos outros países ocidentais, Portugal tem uma verdadeira epidemia de obesidade”, considera o deputado do PSD Ricardo Baptista Leite. Para o responsável político, a ação preventiva e de combate à doença deve ser vista como “prioridade nacional” para melhorar os indicadores de qualidade de vida da população.

Juventude Leonina anuncia que não vai ao jogo do Sporting com o Benfica na Luz Petit regressa ao Boavista até 2023 Encerramento das fronteiras à Africa do Sul é “um novo Apartheid”

Os efeitos nocivos que a obesidade tem na saúde são muitos e não estão, defendem os peritos ouvidos pelo Expresso, a ser combatidos. “A obesidade é uma doença associada a mais de 200 comorbilidades em todos os sistemas do organismo, e a “mais de 13 tipos de cancro”, explica Paula Freitas. A presidente da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO) refere-se a doenças como diabetes, hipertensão ou problemas cardiovasculares, cuja génese está, muitas vezes, no excesso de peso. “É necessário adotar medidas de prevenção e de promoção da alimentação saudável, claro, mas já vamos tarde para muitas coisas”, aponta, aludindo aos números com que argumenta e que vão além dos do INE. Segundo Paula Freitas, a percentagem da população com obesidade é de cerca de 23%, com 35% a estarem em situação de pré-obesidade.

As soluções apontadas por Carlos Oliveira, presidente da Associação de Doentes Obesos e Ex-obesos de Portugal (ADEXO), passam sobretudo pela criação de equipas multidisciplinares nos cuidados de saúde primários e pela comparticipação de medicamentos. “Existem medicamentos aprovados pelo Infarmed, mas não são comparticipados, e custam mais de €200 por mês”, critica. O problema, sublinha, é que vários estudos sobre a doença mostram que são as pessoas economicamente mais desfavorecidas que lidam com este problema. “Não havendo comparticipação, as pessoas não compram os medicamentos e caminham para a super obesidade”, diz o responsável. headtopics.com

“Há objetivamente barreiras no acesso a esse tipo de cuidados de saúde”, reconhece Ricardo Baptista Leite. O deputado atribui responsabilidade ao poder político por não encarar a obesidade como um problema de saúde pública prioritário e por não investir em ações efetivas de prevenção e combate. “Está na hora de quebrar o silêncio sobre a obesidade e as suas consequências”, afirma. Consequências que vão além da saúde e do bem-estar - veja-se o impacto da doença na economia por via do absentismo ou os custos de tratamento desta e outras patologias associadas - e que estarão no centro do debate “Por uma resposta holística e equitativa à obesidade” do próximo dia 19. A iniciativa, promovida pelo Expresso em associação com a plataforma Recalibrar a Balança, será transmitida em direto no Facebook do semanário a partir das 11h.

“Por uma resposta holística e equitativa contra a obesidade”O que éO Expresso associa-se ao movimento Recalibrar a Balança – que junta SPEO, ADEXO, SPEDM e Novo Nordisk - para a realização de um debate dedicado ao tema “Por uma resposta holística e equitativa contra a obesidade”, integrado no ciclo de conversas Repensar a Saúde. A iniciativa vai discutir a forma como a obesidade afeta os doentes, o sistema de saúde e a economia, mas também encontrar caminhos para o futuro.

Quando, onde e a que horas?Dia 19 de outubro, a partir das 11h, para assistir em direto na página de Facebook do ExpressoQuem são os oradores?Carlos Oliveira, presidente da Associação de Doentes Obesos e Ex-obesos de Portugal (ADEXO)

Margarida Borges, principal IQVIA PortugalPaula Freitas, presidente Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO)Ricardo Baptista Leite, deputadoAntónio Lacerda Sales, secretário de Estado e Adjunto da SaúdePorque é que este tema é central? headtopics.com

Confederação do Turismo quer novo governo com coragem e a arriscar nas medidas O desprezo pela saúde de bebés e crianças: a epidemia invisível B SAD estranha que jogo em Vizela ainda não tenha sido adiado

Existem, em Portugal, cerca de 1,5 milhões de adultos com obesidade. Trata-se de um problema de saúde pública, reconhecido pelo país em 2004, mas cujos programas de atuação nacional ainda não conseguiram resolver. Que desafios se colocam hoje à prevenção da obesidade? Como podemos tratar cada vez melhor e mais pessoas? Ao longo deste debate, associações de doentes, especialistas e atores políticos procurarão responder a esta e outras questões, com o objetivo de sensibilizar a população para esta temática e delinear soluções e estratégias que possam ajudar a mudar o paradigma.

Consulte Mais informação: Expresso »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan

Eu não vejo gordas. Vamos falar disso.

Paulo Ragel diz que ″está bem″ com qualquer calendárioÀ chegada do Conselho Nacional do PSD, o eurodeputado e futuro candidato à liderança social-democrata afirmou que está 'tranquilo' e que qualquer data para as diretas para ele serve. Eu ajudo: RaNgel, com N, RanGel Paulo Rangel até está bem se for andar de bicicleta e não haver selim

Uma em cada cinco espécies de aves da Europa está ameaçadaUma em cada cinco espécies de aves do continente europeu está ameaçada de extinção, alerta a Lista Vermelha das Aves da Europa 2021.

Neutralidade carbónica. O que está a falhar?Muito longe... Lavagem de dinheiro As 'emissões zero' são uma ridícula utopia. The planet is DOOMED.

Presidente do Fortaleza almoçou com Everton em Lisboa: «Ele está feliz aqui»Benfica - Presidente do Fortaleza almoçou com Everton em Lisboa: «Ele está feliz aqui»

Principal rio do estado de São Paulo está coberto por uma espuma tóxicaA poluição está a ter um forte impacto na vida do rio e na população que mora na áreas mais próximas.

Número de hóspedes cresce 35,6% em agosto, mais está abaixo de 2019