Espanha. Nada está garantido para a sucessora indigitada de Iglesias

Espanha. Nada está garantido para a sucessora indigitada de Iglesias

08/05/2021 13:05:00

Espanha. Nada está garantido para a sucessora indigitada de Iglesias

Fundador do Podemos deixa a política e aponta ministra Yolanda Díaz como sucessora. Mas pode haver concorrência

Pablo Iglesias Turrión, antigo vice-primeiro-ministro e secretário-geral do Podemos (esquerda populista), anunciou, na terça-feira, que abandona a vida política. “Deixo todos os meus cargos, deixo a política partidária, deixo a política institucional”, afirmou. A decisão caiu como um balde de água fria sobre milhares de comovidos apoiantes, mas Iglesias indicou a via a seguir ao apontar como sucessora Yolanda Díaz, vice-primeira-ministra com a pasta do Trabalho no Governo de coligação com o Partido Socialista Operário Espanhol.

Marcelo pede que portugueses tenham ″noção″ sobre momento de transição PJ descarta hipótese de crime no desaparecimento de Noah Na hora da saída, António Oliveira arrasa PSD de Gaia: “Fazem política com base nos piores princípios da espécie humana”

A partida enche de júbilo os inimigos de Iglesias, que celebram desde as eleições regionais de Madrid de 4 de maio. Iglesias concorreu a presidente do Governo autonómico, numa aposta pessoal, visando derrotar a direita, e ficou em quinto lugar. Isabel Díaz Ayuso, do Partido Popular, continuará a governar a região da capital. “Tornei-me um bode expiatório e não posso ser obstáculo à renovação da liderança de que o nosso partido necessita”, admitiu. Especialistas especulam sobre acordos secretos que terá assinado com magnatas da comunicação para viver uma reforma acomodada.

Consulte Mais informação: Expresso »

Candidato do PSD a Gaia ''não tem nada a ver com o futebol desde 2006''?Candidato do PSD a Gaia “não tem nada a ver com o futebol desde 2006“?

Há cinco candidatos à Efacec que nada valia na nacionalizaçãoO Governo escolheu cinco candidatos para fazerem ofertas vinculativas pela Efacec. Garante que não vai privilegiar o encaixe financeiro e que na altura da nacionalização o valor da empresa era “negligenciável”.

O nada de Carlos MoedasÉ impossível comunicar bem o vazio, a insustentável leveza do desconhecimento sobre a cidade. Hoje, é percetível que Moedas estaria mais bem preparado para ser candidato a líder do PSD e a primeiro-ministro do que a Lisboa.

Escravos do mundo rural: imigrantes trabalham por 100 euros... ou nadaA exploração de milhares de imigrantes na agricultura é nacional, ativada em diferentes regiões ao ritmo das colheitas. Recrutadores prendem-nos com dívidas sobrepostas, contratos pagos e a promessa de legalização. Donos das herdades e dos alojamentos colocam-se à margem do crime nitidamente falta de regulação

Rodrigão: «Ainda nada está definido e estamos focados no que falta jogar»Gil Vicente - Rodrigão: «Ainda nada está definido e estamos focados no que falta jogar»