‘ESG is the new Black’

‘ESG is the new Black’

24/09/2021 05:21:00

‘ESG is the new Black’

Para as marcas de luxo, e não só, já não é uma questão de serem ou não sustentáveis, trata-se de saber como operacionalizar as alterações ao negócio.

.Os standards ESG variam consoante as indústrias. No mundo automóvel, são conhecidas as exigências dos objetivos de descarbonização. Em setores menos regulados as empresas estão a dar passos de forma proativa.No mundo do luxo existem alguns paradoxos quando se fala de sustentabilidade. Quando pensamos em relógios das marcas de luxo, sabemos que estas peças são feitas com materiais da mais alta qualidade, produzidas para durar no tempo. A Patek Philippe, por exemplo, é conhecida pelo seu slogan “You never actually own a Patek Philippe. You merely look after it for the next generation.”

OE 2022: Costa admite continuar a governar em caso de chumbo Costa anuncia aumento do salário mínimo para os 850 euros em 2025 GNR apreende mais de uma tonelada de haxixe na praia da ilha de Faro

Mas se pensarmos numa t-shirt ou num par de sapatos de uma marca de topo, a história é outra. A indústria da moda é conhecida pelo seu grande impacto ambiental, sobretudo ofast fashionbaseado num consumo tipo pastilha elástica – usa e deita fora. Por isso quando se fala em sustentabilidade no mercado de luxo, há que distinguir entre setores, e entre as várias marcas de cada setor.

O impacto não se limita ao ambiente, à origem das matérias-primas e ao ciclo de vida dos produtos. O tema é mais complexo, uma vez que envolve toda a cadeia de fornecimento nas vertentes do ESG –Environmental, Social and Governance headtopics.com

. Uma tarefa gigante, em que algumas marcas de topo estão a liderar.Para as marcas de luxo (e não só), já não é uma questão de serem ou não sustentáveis, trata-se de saber como operacionalizar as alterações ao negócio. A pioneira Stella McCartney, além de vegan e de usar materiais reciclados nas suas coleções desde a criação da marca, desenvolveu uma ferramenta com a Google para quantificar o impacto ambiental do algodão e viscose, para assegurar a sustentabilidade da produção. A Prada só usa nylon reciclado.

Cada vez mais a tecnologia é uma aliada de peso neste processo de mudança. Um excelente exemplo é o Aura Blockchain Consortium, uma plataforma que permite monitorizar os produtos ao longo de toda a sua vida, desde a produção até à venda, incluindo mercados de segunda mão – tais como Rent the Runway e Vestiaire Collective.

Estas mudanças são inevitáveis, e representam enormes desafios ao modelo de negócio tradicional do luxo. As marcas devem incentivar as vendas de novos produtos ou a reutilização de produtos existentes – crescimento ou circularidade? Como manter a aura de mistério das marcas num mundo cada vez mais transparente? Como equacionar as restrições ambientais com a criatividade? Como equilibrar a inovação com a disrupção social?

ESG is the new Black Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Ricardo Melo Gouveia vence Pro-Am e declara ataque ao título e ao n.º 1O olímpico português visa um terceiro título em 2021 no Challenge Tour para subir logo ao European Tour numa categoria superior à atual

Trump processa sobrinha e The New York Times por investigação aos seus impostosMary Trump e os jornalistas Susanne Craig, David Barstow e Russell Buettner são acusados de divulgar informações fiscais confidenciais do ex-presidente norte-americano. Que pulha sem vergonha...

60% dos CEO portugueses consideram que metas sociais e ambientais reduzem performance financeiraO estudo CEO Outlook de 2021, da KPMG, revela que 60% dos CEOs portugueses declararam que o impacto da estratégia de ESG nas suas empresas reduz a performance financeira, algo que apenas 23% dos CEOs a nível global apontam.