Canadá Livros Internacional

Canadá Livros Internacional

Escola canadiana queima livros considerados racistas

17/09/2021 15:02:00

Uma grande “purificação literária” ocorreu nas bibliotecas do Providence Catholic School Board, no Canadá, que reúne 30 escolas de língua francesa em todo o sudoeste de Ontário. Tintin, Astérix, Lucky Luke ou Pocahontas foram algumas das personagens que acabaram por desaparecer das estantes das bibliotecas escolares. Segundo a Radio-Canada, ao todo foram destruídos quase cinco mil livros (4.716, o que dá uma média de 157 livros por biblioteca), 30 dos quais terão sido queimados num ritual de “purificação pelas chamas”, como forma de “reconciliação com os povos indígenas”.

“Consumir pão ao pequeno-almoço deve ser um hábito a recuperar” Eletricidade ''vai subir ligeiramente'' pois ''medida apenas impede que suba bastante'' Matos Fernandes descarta medidas adicionais para atenuar subida dos preços da energia

O caso remonta a 2019 e envolve Suzy Kies, ligada ao partido de Justin Trudeau (atual primeiro-ministro, que se encontra em plena campanha eleitoral). A revelação acontece numa altura em que o Canadá ainda está abalado pela descoberta, nos últimos meses, de centenas de corpos de crianças indígenas, enterrados sob escolas residenciais, para onde eram levadas, depois de retiradas à força das suas famílias (mais de quatro mil rianças morreram enquanto as frequentavam).

A descoberta da queima dos livros deu-se quando a Radio-Canada teve acesso a um vídeo da autoria de Kies onde se explica aos alunos os motivos da “cerimónia”: “Enterramos as cinzas do racismo, da discriminação e dos estereótipos na esperança de crescer num país inclusivo, onde todos possam viver com prosperidade e segurança”, ouve-se no vídeo. Segundo a mesma radio, Kies terá ajudado o conselho escolar a escolher os livros que deviam sair das prateleiras. headtopics.com

As cinzas foram usadas como fertilizante para plantar uma árvore, de modo a transformar algo negativo em positivo, escreve a Radio-Canada.“Esses livros foram ou estão em processo de reciclagem”, explicou a porta-voz do conselho, Lyne Cossette, argumentando que os livros retirados tinham conteúdo “desatualizado e impróprio”. “É um gesto de reconciliação com as Primeiras Nações e um gesto de abertura para com as outras comunidades presentes na nossa escola e na nossa sociedade”, defendeu.

“As pessoas entram em pânico com a queima de livros, mas estamos a falar de milhões de livros que trazem imagens negativas dos indígenas, que perpetuam estereótipos, que são realmente danosos e perigosos”, argumentou Suzy Kies à rádio canadiana. Kies, que era também co-presidente da Comissão dos Povos Indígenas do Partido Liberal do Canadá desde 2016, demitiu-se depois da polémica e de notícias recentes que punham em causa a sua descendência de povos indígenas. A queima dos livros tem ainda gerado críticas de vários setores da sociedade canadiana, com alguns dos autores visados a queixarem-se de serem alvo de censura.

 Ver Comentários Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Nesta escola de cozinha, ensinam-se apenas receitas saudáveis e naturaisSofia Paixão criou a CookingSchool para “inspirar e ensinar os alunos a adoptar práticas e técnicas de cozinha saudáveis e equilibradas”. As aulas já começaram — ainda exclusivamente online.

Escola na Amadora proíbe chinelos, calções e minissaiasAviso à porta da escola do Agrupamento Cardoso Lopes indica aos alunos o tipo de roupa que podem ou não usar. Acho bem

Talibãs ordenam regresso à escola apenas a rapazesO Ministério da Educação do Afeganistão não faz qualquer referência a raparigas.

PSP garante segurança a 3 mil escolas e um milhão de alunosO Programa Escola Segura tem previstas cinco ações por cada agrupamento durante todo o ano letivo.

Resistente afegão ao Expresso: “Os livros ensinam-nos a ser livres”Resistente e filho de resistentes, Matiullah Wesa não foge dos talibãs, que o ameaçam. Lançou uma organização que promove a educação dos menores porta a porta

Há cada vez mais ″gamers″ considerados casos clínicosOs especialistas acreditam quer em Portugal haverá vários casos clínicos de adição a jogos como o Fortnite. Mas não estão classificados como tal.