Código Do Trabalho, Trabalho, Governo, Empresas, Trabalho E Emprego, Segurança Social, Covid-19, Legislação Laboral

Código Do Trabalho, Trabalho

Empresas impedidas de recorrer a “outsourcing” depois de despedirem

Código do Trabalho: Empresas impedidas de recorrer a outsourcing depois de despedirem

17/09/2021 15:57:00

Código do Trabalho: Empresas impedidas de recorrer a outsourcing depois de despedirem

Governo quer impor limitação de um ano, igual à que já existe quando uma empresa pretende contratar a termo para cobrir postos de trabalho abrangidos por despedimentos colectivos e extinção de posto de trabalho.

FotoA contratação a termo é dominante entre a contratação não permanente em Portugal, nota o GovernoBruno LisitaDepois de ouvir os parceiros sociais, o Governo prepara-se para alterar a legislação laboral, proibindo as empresas de recorrerem a 

Bolsonaro ironiza com possível acusação de homicídio na gestão da pandemia Novo estudo. Variantes Delta e Delta Plus resistentes a alguns anticorpos Crise dos combustíveis obriga Governo a devolver 90 milhões de receita fiscal

outsourcingdespedimentos por extinção do posto de trabalho.A ideia é limitar o recurso a essa modalidade durante 12 meses quando, na contratação, os empregadores pretendem cobrir os mesmos postos de trabalho que foram abrangidos pelos despedimentos.

Actualmente, à luz do Código do Trabalho, as empresas já estão impedidas de recorrer aotrabalho temporáriopara satisfazer as “necessidades que foram asseguradas por trabalhador cujo contrato tenha cessado nos 12 meses anteriores por despedimento colectivo ou despedimento por extinção de posto de trabalho”. Agora, o executivo pretende criar a mesma limitação temporal quando as empresas pretendem cobrir essas funções através de headtopics.com

outsourcing.Essa possibilidade foi apresentada ao Governo durante as discussões bilaterais das últimas duas semanas com os parceiros sociais sobre a “agenda do trabalho digno” que começara a ser discutida a partir de Julho, e, agora, o executivo admite vir a adoptá-la.

Num documento a que o PÚBLICO teve acesso sobre o ponto de situação da discussão, que foi entregue aos parceiros na reunião da concertação social desta sexta-feira, 17 de Setembro, o Governo refere que lhe foi “sinalizada a necessidade de definir” uma proibição temporária semelhante à “que já sucede com o recurso ao trabalho temporário”, prevista no artigo 175.º do Código do Trabalho. O executivo confirma que irá propor “a adopção desta medida

”, porque a considera “relevante tanto numa óptica de combate à precariedade como de correcção de desequilíbrios entre as figuras do trabalho temporário eoutsourcing”.Evitar rotatividadePara desincentivar o recurso ao trabalho temporário, outra medida que a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, quer lançar passa por criar regras mais apertadas na legislação para evitar que o mesmo trabalhador vá rodando numa empresa entre recibos verdes e contratos a prazo ou temporários, ou mesmo nesta circunstância entre várias empresas se estiver a desempenhar a mesma actividade profissional.

Essa proposta já estava prevista na lista das 64 prioridades apresentadas aos parceiros em Julho e é explicada de forma mais explícita no documento apresentado hoje. O Governo explica que, actualmente, o 1.º do artigo 143.º do Código do Trabalho já impede que o mesmo empregador (ou a sociedade por ele controlada) de admitir ou afectar trabalhadores “através de contrato de trabalho a termo ou de trabalho temporário cuja execução se concretize no mesmo posto de trabalho, ou ainda de contrato de prestação de serviços para o mesmo objecto” quando cessa um contrato de trabalho a termo, por motivo não imputável ao trabalhador. A “inovação” que o Governo diz querer fazer “reside na referência ‘mesma actividade profissional’ como alargamento dos mecanismos de prevenção da sucessão abusiva de contratos a termo”. headtopics.com

OE 2022: Chega acusa PCP de fazer ''teatro'' e ''chantagem política'' Escolas alertam pais para série da Netflix ″Squid Game″ Porque é que alguns médicos ainda têm reservas quanto aos genéricos?

O executivo sublinha que “a contratação a termo é a forma dominante de contratação não permanente em Portugal (mais de 80% dos novos vínculos comunicados à Segurança Social são a termo), fazendo sentido reforçar os mecanismos preventivos de abuso nestas situações, sem pôr em causa a possibilidade de recurso a esta forma de contratação, quando justificável”.

“Dar o exemplo” no EstadoEm relação às empresas que celebram contratos com o Estado”, o Governo também pretende aumentar o grau de exigência relativamente aos vínculos nos cadernos de encargos dos procedimentos dos contratos de prestação dos serviços. “O Estado deve dar o exemplo”, afirma o Governo no documento entregue aos parceiros, dizendo que, para isso, as empresas devem garantir que, “com excepção de empreitadas ou contratos que impliquem diferentes fases de execução, a duração dos contratos de trabalho tenha pelo menos igual duração à execução do contrato público e que são definidos critérios de prevalência de quadros permanentes nas empresas adjudicatárias, nomeadamente nos contratos públicos de longa duração”.

Consulte Mais informação: Público »

Ah ah ah ah proibir proibir .Realmente em Portugal ser empresário não vale a pena. Espero bem que esta medida se aplique ao governo que com centenas de pessoas , o maior governo de sempre, está sempre a recorrer a outsourcing. Será que no meio dessas centenas ninguém sabe sobre as funções para que foram contratados?

Bruxelas reforça luta contra evasão e fraude fiscaisVon der Leyen anuncia proposta de lei europeia para “tributar lucros ocultos de empresas de fachada”.

Empresários do PSI-20 mostram-se mais confiantes e reforçam investimentoDepois de um travão no investimento, devido à pandemia, as empresas voltaram a aumentar as verbas disponíveis para investir nos seus negócios.

Estreia no Nasdaq rende 20 milhões a empresa de portuguêsA biotecnológica com nome de deusa grega estreou-se no mercado norte-americano esta quarta-feira, depois de um IPO que foi “um sucesso”, pelas palavras do português que lançou a empresa. No entanto, a estreia em bolsa não foi tão bem-sucedida, com as ações a perderem perto de um terço do valor.

Condenados a prisão perpétua proibidos de ter novos relacionamentos amorososO governo dinamarquês quer travar o aparecimento de 'groupies' de criminosos com este projeto de lei, que surge depois de uma jovem se ter apaixonado por um assassino a cumprir pena

Portugal está quase nos oitavos de final do Mundial de futsalDepois de golear as Ilhas Salomão por 7-0.

Internacional, desempregado e desiludido: «Os meus filhos pensam que vou assinar pelo City ou Barcelona»Inglaterra - Internacional, desempregado e desiludido: «Os meus filhos pensam que vou assinar pelo City ou... Anda pó Canelas Boa opção para S Conceição ...dps paga alguma coisa à Cofina