Empresas da Madeira podem aceder a linhas de crédito do Banco de Fomento

Empresas da Madeira podem aceder a linhas de crédito do Banco de Fomento

31/07/2021 09:24:00

Empresas da Madeira podem aceder a linhas de crédito do Banco de Fomento

Foi assinado um memorando de entendimento entre os governos nacional e regional que vai 'assegurar a todas empresas da Região Autónoma da Madeira (RAM), como a todas do território nacional, que poderão beneficiar dos produtos financeiros, seja de capital, seja de crédito, que o Banco Português de Fo

30 Julho 2021, 10:38Foi assinado um memorando de entendimento entre os governos nacional e regional que vai “assegurar a todas empresas da Região Autónoma da Madeira (RAM), como a todas do território nacional, que poderão beneficiar dos produtos financeiros, seja de capital, seja de crédito, que o Banco Português de Fomento irá lançar nos próximos anos”, disse Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, Economia, e Transição Digital.

Sondagens legislativas: PS com maior vantagem sobre o PSD do que em 2019. Temido é a preferida para suceder a Costa Hugo Soares diz que PSD “ainda não é alternativa” “Existe potencialmente um novo líder [do PSD] e esse líder é Carlos Moedas”

Cristina BernardoAs empresas da Madeira vão poder beneficiar das linhas de crédito disponibilizadas pelo Banco Português de Investimento para todo o tecido empresarial nacional, afirmou hoje o ministro da Economia e Transição Digital.

“Aquilo que hoje estamos a fazer é assegurar a todas empresas da Região Autónoma da Madeira (RAM), como a todas do território nacional, que poderão beneficiar dos produtos financeiros, seja de capital, seja de crédito, que o Banco Português de Fomento irá lançar nos próximos anos”, declarou Pedro Siza Vieira após a assinatura do memorando de entendimento celebrado entre os Governo nacional e regional. headtopics.com

O governante salientou que a celebração deste acordo com o executivo madeirense materializa um projeto desencadeado há cerca de um ano e visa “concretizar o objetivo nacional de assegurar que um banco promocional de apoio ao investimento produtivo, ao tecido empresarial nacional, estenda a sua ação a todo o território, incluindo as regiões autónomas”.

Pedro Siza Vieira enfatizou que, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), foi estabelecido um programa de reforço do capital desta instituição bancária, para que “possa continuar a garantir operações de crédito feitas pelo sistema bancário às operações nacionais”.

Acrescentou que está definida a criação de um fundo de capitalização de empresas, “constituído inicialmente com 1,3ME, uma verba que poderá ser reforçada se a procura assim o justificar e que será gerida pelo Banco de Fomento”.

“Os meios de capitalização de empresas que esse fundo poderá assegurar estão agora também acessíveis às empresas da região”, complementou.O ministro argumentou que as empresas portuguesas “têm tradicionalmente problemas de capitalização, baixo nível de capitais próprios”. headtopics.com

Carlos Moedas: ″Não vamos falhar as nossas promessas″ Berlinenses apoiam expropriação de grandes proprietários para conter preços da habitação BE perde votos e vereadores, mas segura Lisboa e estreia-se no Porto

Por isso, realçou ser “muito importante que instrumentos de política pública, no âmbito do PRR, pudessem ajudar a ultrapassar este défice estrutural”, dando a possibilidade de reforço de capital, de financiamento ao investimento produtivo, com a garantia do Banco de Fomento.

Também salientou que, ao abrigo do PRR, a Madeira dispõe de “verbas autónomas”, segundo programas e iniciativas que o Governo Regional teve a oportunidade de decidir.“Temos também estes instrumentos nacionais de apoio à totalidade do território nacional, que agora asseguramos que fique também acessível às empresas da Madeira”, reforçou.

Pedro Siza Vieira destacou que ainda “há um trabalho que vai continuar, no sentido de uma participação mais intensa da região naquilo que são os trabalhos e objetivos estratégicos e a sua concretização na ação do Banco Português de Fomento”.

O vice-presidente do Governo da Madeira considerou que este “é um projeto muito positivo para empresas madeirenses”, porque a região atravessa “um período muito difícil” devido à “fase complicada da pandemia”, tendo as empresas sido “muito prejudicadas com tudo o que aconteceu”. headtopics.com

Pedro Calado ressalvou que, sendo a Madeira uma região insular, ultraperiférica e dependente do turismo, “viu-se muito condicionada na sua ação”, sobretudo depois de o Governo Regional ter tomado a “difícil decisão” de “fechar a ilha”, o que veio “limitar toda a ação económica”.

Quando surgiu o projeto do Plano de Recuperação e Resiliência, a Madeira fez o seu “trabalho de casa, apresentou projetos que foram aceites pelo Estado português”, referiu, apontando que a região “gostaria de ter ido mais longe”

Julião Sarmento homenageado em congresso internacional Vulcão de La Palma de novo em erupção após breve acalmia Vulcão nas Canárias volta a expelir lava e cinzas

O responsável vincou que, no âmbito do objetivo de coesão territorial nacional, “fazia todo o sentido as empresas [da Madeira] estarem protegidas e defendidas dentro do Banco Português de Fomento”.“As linhas de crédito que irão estar disponíveis a partir de agora para todo o tecido empresarial do território nacional, incluindo o da Madeira e Porto Santo, são um pequeno grande passo”, disse.

Pedro Calado destacou que a região vai “começar a materializar o objetivo” de participação no capital do banco, admitindo que este é “um processo demorado”. Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Mário Centeno visado no inquérito ao Novo Banco (com áudio)Os deputados atribuíram um papel mais ativo ao Ministério das Finanças na decisão do Banco de Portugal na venda do Novo Banco ao Lone Star, enquanto Centeno era governante.

Fundo de Resolução vai avaliar recomendações da CPI ao Novo Banco | Jornal EconómicoO relatório da CPI ao Novo Banco recomenda que a Oliver Wyman deixe de ser o agente verificador do valor de injeção a pedir pelo Novo Banco ao Fundo de Resolução. O Fundo vai analisar.

Banco Montepio reduz prejuízo para 33 milhões

Banco Montepio reduz prejuízos semestrais para 33 milhõesEntre Janeiro e Junho de 2020, instituição financeira detida pela Associação Mutualista Montepio Geral tinha regista perdas de 51 milhões

Banco Montepio volta a perder negócio bancário e apresenta prejuízos de 33 milhões de eurosForam cortados 280 postos de trabalho no Banco Montepio no último ano. Plano de corte de custos teve impacto nos resultados negativos

Novo Banco e Apollo avançam com propostas pelo EuroBicO banco liderado por António Ramalho, com o objetivo de reforçar a sua carteira de crédito a empresas, e a Apollo apresentaram propostas no concurso pelo EuroBic. Já o Abanca e o fundo J.C. Flowers estão a negociar diretamente com os acionistas da instituição financeira.