'Diabo' voltou na Madeira e o PRR também (Costa não tira a gravata de primeiro-ministro)

“Diabo” voltou na Madeira e o PRR também (Costa não tira a gravata de primeiro-ministro)

19/01/2022 05:11:00

“Diabo” voltou na Madeira e o PRR também (Costa não tira a gravata de primeiro-ministro)

Ao 3º dia, Costa ainda não tirou a gravata (nem ao domingo) porque é como primeiro-ministro que quer aparecer, seja nos lesados do Banif, seja na senda do PPR. Seja no pedido de maioria 'sem medo'

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADORTem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.Há dois fantasmas do campo eleitoral passado que, esta terça-feira, aterraram no PS e com mais segurança que o voo (desta vez da TAP) que levou António Costa até à Madeira. Os ventos fortes fizeram com que o avião que o transportava borregasse na primeira aterragem e só pisasse terra firme à segunda tentativa. É mais ou menos como o socialista que, no primeiro Governo, aterrou sem ganhar eleições, no segundo, aterrou sem a segurança de um acordo parlamentar escrito e, no terceiro, quer aterrar no solo seguro da “maioria absoluta”. Na Madeira disse mesmo que não pode haver medo, no PS, de pedi-la com todas as palavras e leva armas na bagagem.

Consulte Mais informação: Observador »

Madeira. “Sem medo das palavras”, Costa pede “maioria absoluta” duas vezes - RenascençaO secretário-geral do PS falava esta noite num comício no Machico onde, por duas vezes, pediu uma 'maioria absoluta', para não ter de 'andar em governos provisórios'.

Costa diz precisar de “vitória com maioria absoluta” para “bem servir” Portugal

Costa volta a dizer as palavras até há pouco tabu: ″vitória com maioria absoluta″'Nós queremos um bom resultado para poder servir bem Portugal e para poder servir bem os portugueses', afirmou o líder do Partido Socialista num comício em Machico, na ilha da Madeira.

Para o CDS não é só a Neeleman que Costa deve um pedido de desculpa“É aos empresários e aos portugueses todos” que o primeiro-ministro deve pedir perdão, afirma Francisco Rodrigues dos Santos.

Rui Costa exige Taça da Liga a VeríssimoPresidente espera sair vitorioso da final four que arranca para a semana, sobretudo se defrontar o Sporting.

Costa (agora) só fala de uma maioria absolutaSecretário-geral socialista diz que só com estabilidade o país avança, e só uma maioria do PS garante essa estabilidade.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante. Há dois fantasmas do campo eleitoral passado que, esta terça-feira, aterraram no PS e com mais segurança que o voo (desta vez da TAP) que levou António Costa até à Madeira. Os ventos fortes fizeram com que o avião que o transportava borregasse na primeira aterragem e só pisasse terra firme à segunda tentativa. É mais ou menos como o socialista que, no primeiro Governo, aterrou sem ganhar eleições, no segundo, aterrou sem a segurança de um acordo parlamentar escrito e, no terceiro, quer aterrar no solo seguro da “maioria absoluta”. Na Madeira disse mesmo que não pode haver medo, no PS, de pedi-la com todas as palavras e leva armas na bagagem. O uso excessivo do Plano de Recuperação e Resiliência durante a campanha autárquica não desembocou num resultado eleitoral que animasse os socialistas, mas nem assim António Costa parece interessado em deixá-lo pousar nesta investida rumo às legislativas. É uma das armas que leva para esta campanha onde ainda não tirou a gravata, nem mesmo no domingo nos Açores, — coisa que nas autárquicas fazia para mostrar que nesse dia era o líder que ali estava e não o primeiro-ministro. Mas nesta campanha essa mistura é parte do plano. Primeiro-exemplo. Pouco depois de chegar à Madeira o socialista Costa reuniu-se com a Associação dos Lesados do Banif (ALBOA) para levar um recado de Costa primeiro-ministro. Aliás, nem travou nas declarações aos jornalistas quando disse que tinha estado ali para “reafirmar o compromisso de procurar uma solução justa” para quem foi “enganado”. O compromisso é do Governo que ainda em dezembro criou um grupo de trabalho para chegar à tal solução. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR O segundo exemplo é o do uso do Plano de Recuperação e Resiliência, que Costa referiu, no discurso do final do dia, em Machico, que está pronto e é para passar à ação rapidamente. “Não é o momento para pararmos para ir renegociar o que está negociado. É tempo de arregaçar as mangas e executar o que está negociado”, afirmou. Imediatamente antes — e para introduzir o assunto PRR — tinha dito que “O Governo assinou com a União Europeia o Acordo Operacional que nos permite receber as tranches do PRR que justamente repartimos com todo o território e as duas regiões autónomas e que são fundamentais para levar o país mais além e mais rápido”. Nem pestanejou ou hesitou na altura em que evocou a função de chefe do Governo. Terceiro. David Neelman a acusou-o de “faltar à verdade” no debate com Rui Rio quando disse que comprou a TAP “para prevenir precisamente que aquele privado [Neelman] que lá estava e que não merecia confiança, não daria cabo da TAP no dia em que fosse à falência. Em 2020, as empresas do senhor Neelman foram caindo em todo o mundo”. Era a decisão do primeiro-ministro que estava em cima da mesa, nesta contenda eleitoral, e Costa não quis sair desse pedestal para contestar o empresário. Questionado pelos jornalistas sobre a indignação de Neelman, disse apenas que “era o que faltava” responder-lhe: “Não tenho nada a dizer ao senhor Neelman”. Ex-acionista da TAP David Neeleman acusa Costa de “faltar à verdade” no debate com Rio e quer pedido de desculpas Costa é visto como o principal trunfo do PS nestas eleições e isso no exercício do cargo de primeiro-ministro. É isso que em cada ação de campanha faz questão que não seja esquecido, seja pela indumentária seja pela organização do discurso onde também não falta — e não faltou na Madeira — o sublinhado constante sobre ter um Orçamento do Estado preparado para aprovar, desde que lhe deem a maioria absoluta. Não é coisa que alguém que entre de novo num Governo consiga garantir de forma tão célere como um Executivo que já lá estava e que tem o esquema montado. O único senão é que Costa só o conseguirá sem negociações extra e isso implica um resultado que, até aqui, teve pudor em chamar pelo nome. No últimos dias já respondia a quem lhe perguntava — nos debates, por exemplo — que, sim, é mesmo a maioria absoluta que quer. Mas na Madeira exortou os socialistas a pedirem-na assim mesmo, sem “ter medo das palavras”. O caminho único do PS nesta fase é “uma vitória com uma maioria absoluta”, descreveu. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR Outro PM que o PS não quer ver esquecido Em terra social-democrata, Costa teve um apoio a avivar outra memória na liderança do Governo que não a sua — que luta por manter constante nesta campanha. Além desta, a que o PS, por ali, não quer ver esquecida é a de Passos Coelho. Carlos Pereira, recandidato do PS ao Parlamento pela região, abriu as comportas a este tema ao atirar a “Pedro Passos Coelho e Paulo Portas que proibiram os madeirenses de receber o subsídio de insularidade”, “proibiram que os madeirenses tivessem impostos mais baixos” e “impuseram custos administrativos à dívida”. “Pedro Passos Coelho e Paulo Portas fizeram-se de agiotas da Madeira”, recuperou desses tempos. E Costa, na intervenção que se seguiu também não os esqueceu. Recuperou a velha ideia do “diabo” e como ele afinal “não veio”, apesar de Passos ter dito que ele “vinha aí”. Para argumentar que a direita defende que se o salário mínimo fosse aumentando, já que complicava a “competitividade das empresas”. Concluiu dizendo que foi o PS que “virou a página da austeridade e da estagnação”. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR Leia também: