Desconversa sobre o financiamento do combate à corrupção

Desconversa sobre o financiamento do combate à corrupção

27/10/2021 14:40:00

Desconversa sobre o financiamento do combate à corrupção

Seria mais um lamento, no meio de tantos outros, não fora ter origem em quem teve e, sobretudo, ter merecido a resposta que mereceu da parte do senhor Secretário de Estado da Justiça, que veio a terreiro (Facebook) defender a honra do Governo. Um artigo de José Moreira, neste espaço semanal a cargo do Observatório de Gestão da Fraude e da Corrupção

Ao longo da legislatura, sempre que confrontado com a necessidade de intensificar o combate à corrupção, o Governo, geralmente pela voz do próprio primeiro-ministro, fez juras de que essa era uma Prioridade (com P maiúsculo), um desígnio nacional, e de que não faltariam “armas” para usar nesse combate. Formuladas em bom “politiquês”, tais juras proporcionavam aberturas de telejornais e belas capas de jornais. As queixas de falta de recursos para manter e intensificar tal combate, quando conseguiam fazer-se ouvir por entre a espuma dos dias, tendiam a ser secundarizadas, desvanecendo-se sem fazerem ondas.

Ferro Rodrigues despede-se da AR: 'Maior honra da minha vida' foi ser presidente do Parlamento Vandalizados carros dos congressistas do Chega Portugal tem médicos suficientes mas SNS não é atrativo, diz bastonário

A entrega do Orçamento Geral do Estado (OGE) na Assembleia da República foi, metaforicamente, o tiro de partida para uma tentativa de última hora, por parte dos comensais desse Orçamento, no sentido de conseguirem obter correções em alta dos fundos que lhes foram atribuídos. Muitos foram os lamentos que por estes dias se foram ouvindo, abundantes as reivindicações de última hora sobre a escassez de recursos alocada.

Um dos lamentos de insuficiente dotação no OGE, a que o jornal Público deu saliência na sua edição online de 23 de outubro, foi a do diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), que chamava a atenção para a falta de investimento – em recursos humanos, informáticos e financeiros – no combate à corrupção e ao crime económico headtopics.com

. Nada de substancialmente novo, pois é queixa que, aqui e ali, se foi escutando ao longo do tempo, nomeadamente no decurso da investigação de grandes processos judiciais (e.g. caso BES, caso Marquês), justificando, então, em parte, a lentidão inerente.

Seria mais um lamento, no meio de tantos outros, não fora ter origem em quem teve e, sobretudo, ter merecido a resposta que mereceu da parte do senhor secretário de Estado da Justiça, que veio a terreiro (Facebook) defender a honra do Governo. Para o dito governante, a queixa de

falta de recursos estaria“em linha com os habituais queixumes de sectores sindicais e de responsáveis por estruturas redundantes que consomem muitos recursos e produzem insuficientemente”. Lê-se, relê-se, não se acredita.Qualquer que seja a perspetiva por que se olhe esta intervenção, ela apresenta-se como não aceitável. Numa perspetiva estrita de análise, tendo por pano de fundo a separação de poderes prevista na Constituição, o poder Executivo, consubstanciado no Governo, não pode intrometer-se na organização e funcionamento corrente do poder judicial, onde se enquadra o DCIAP.

Numa perspetiva mais lata, em que compete ao Governo zelar pelo bom uso dos recursos públicos, a existir o desperdício de recursos referido, competir-lhe-ia, através da maioria parlamentar que o sustenta (sustentava), agir no sentido de reformar a estrutura judicial, ou partes dela, o que obvia, também, que seja aceitável a intervenção do senhor secretário de Estado. headtopics.com

O retrato cru de uma geração desiludida: três em cada quatro jovens ganham menos de €950 e um terço quer sair de Portugal Caso Rendeiro. PJ analisa vídeo da entrevista da CNN à procura de pistas (e já encontrou um indício) V. Guimarães tem trio em risco para o Dragão

Afirmar que a falta de recursos nesta área de combate ao crime financeiro e à corrupção resulta da existência de estruturas redundantes e da insuficiente produtividade, sem qualquer justificação plausível que explicite a incapacidade do Governo para lhe colocar um cobro, soa a “desculpa de mau pagador”, a desconversa sobre o real problema da falta de recursos em tão importante área.

Consulte Mais informação: Expresso »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan

Carlos César diz que ″só por magia negra″ seria possível corresponder ao PCPO presidente do PS afirmou que 'só por magia negra' seria possível o Governo corresponder às pretensões de PCP e BE no Orçamento do Estado (OE). Carlos César acusou os partidos à sua Esquerda de apresentarem uma 'agenda inaceitável e irrealizável' e de terem preferido os 'jogos de poder'. Que propostas fizeram para existir magia negra?! Os corredores do largo do rato devem estar em brasa… vão deixar a bazuca para os outros gastar! Este piling todo a fugir deve estar giro deve Sempre delicado, o elefante César.

OMS pede ao G20 mudanças para colocar a saúde no centro da economia'A pandemia mostrou que o financiamento dos sistemas de saúde deve ser radicalmente modificado', disse o diretor-geral da organização.

The Wall Street Journal elogia combate à pandemia de covid-19 em PortugalJornal norte-americano salienta o regresso à normalidade e descreve Portugal como um exemplo no desconfinamento.

OE 2022: Ferro vai reunir-se hoje com líderes parlamentaresPara ouvir a sua opinião sobre a condução dos trabalhos.

Rúben Amorim e os elogios a Ugarte: «Vai ser um grande jogador no Sporting»Vídeos - Rúben Amorim e os elogios a Ugarte: «Vai ser um grande jogador no Sporting» MiguelUgarte17 Puto crack

Vanessa Fernandes confessa ter sido escrava do sucesso