Deco contesta aumentos de preços de 50% da Via Verde

08/12/2021 23:46:00

PartilharA Deco Proteste contestou a atualização de preços da Via Verde, nomeadamente o novo tarifário que prevê aumentos de 50% em assinaturas que integram serviços habituais e elimina a possibilidade de aquisição de um identificador, acusando a Via Verde de "mascarar" o novo tarifário "numa suposta reestruturação da oferta".

Rui Rio:Do que sinto, a probabilidade do PSD ganhar é mais elevada do que a do PS - CNN Portugal

Em comunicado, a organização de defesa do consumidor afirma que a empresa do grupo Brisa "não acrescentou, afinal, serviço em relação àquilo que já oferecia", pelo que, a partir de 5 de janeiro, "os consumidores vão pagar muito mais pelo mesmo conjunto de serviços de que já dispunham".

Segundo a Deco, a prática comercial anunciada pela empresa "sujeita os clientes a aumentos que chegam aos 50%, muito acima dos 3% previstos para a inflação, para manterem o acesso aos serviços que já tinham contratado com o operador, o que só pode estar escudado pelo facto lamentável de não existir concorrência que ameace o domínio inequívoco da Via Verde neste mercado". headtopics.com

A Deco critica também a decisão da Via Verde de descontinuar a venda de identificadores, "obrigando potenciais clientes a vincularem-se a assinaturas que não desejam e que, em muitos casos, acabam por ser mais dispendiosas para os utilizadores de autoestradas".

Um dia de microfone aberto, autocarros à disposição e um auditório bem composto. A caravana comunista no Algarve com 'murros no estômago'

A organização "receia até que os atuais proprietários de identificadores acabem por ser encurralados no momento em que os dispositivos precisem de nova pilha, não lhes sendo dada alternativa que não a subscrição de uma assinatura".

A partir de 5 de janeiro, a Via Verde vai descontinuar os pacotes de assinatura comercializados sob as designações "Via Verde Livre" e "Via Verde Leve", passando a comercializar novas modalidades de subscrição, "com preços bem mais elevados do que as anteriores e, em alguns casos, com menos serviços associados", reforça.

"A Via Verde está a contactar todos os clientes de assinaturas e a comunicar-lhes que, a partir de 5 de janeiro, serão conduzidos automaticamente para a nova oferta, com o mesmo leque de serviços disponibilizado anteriormente, mas com um ‘ajuste’ no preço", indica, ressalvando que esta transição "só não ocorre se o cliente tiver manifestado, por escrito, a sua oposição no prazo de dez dias úteis após ter recebido a comunicação informativa da Via Verde, terminando o contrato que o vincula ao operador". headtopics.com

União Europeia “firmemente” ao lado da Ucrânia e pronta para fortalecer parceria energética - SIC Notícias

Após a transição para a nova oferta, explica a Deco, "a Via Verde concede um período de transição, até 31 de março de 2022, durante o qual os aumentos de preços não serão cobrados aos clientes". Assim, só a partir de 1 de abril é que as novas assinaturas sofrem, em definitivo, a atualização de preços.

Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Calendário de Futsal - RTP Desporto

Deco qualifica aumentos de 50% da Via Verde como abuso de exclusividadeAssociação de defesa do consumidor defende que, no próximo ano, os clientes da Via Verde apenas vão pagar mais pelos serviços de que já dispunham. Deco fala em 'abuso de exclusividade' por parte da empresa do grupo Brisa. Está na hora de desistir, cambada de ladroagem 🤢🤮🤢🤮🤢🤮

ANA afirma que a recuperação do tráfego aéreo está nos 50% | Jornal EconómicoA gestora aeroportuária admite que a nova variante do SARS-CoV-2 poderá forçar a alterar em baixa as projeções. Entretanto, as farmácias tentam responder ao pico de procura de testes à Covid-19.

Televisão absorve 50% do mercado publicitário em Portugal e vai crescer em 2022Estudo da IPG Mediabrands antecipa um crescimento de 5% da publicidade em televisão no próximo ano, segmento que já absorve metade do mercado publicitário em Portugal, sendo 'uma das maiores quotas na Europa Ocidental'

Televisão absorve 50% do mercado publicitário em Portugal e vai crescer em 2022A IPG Mediabrands adiantou ainda que “o mercado global publicitário é atualmente 19% maior relativamente ao período pré-covid, prevendo-se um crescimento constante em 2022 de cerca de 12%”.

Deco qualifica aumentos de 50% da Via Verde como abuso de exclusividadeAssociação de defesa do consumidor defende que, no próximo ano, os clientes da Via Verde apenas vão pagar mais pelos serviços de que já dispunham. Deco fala em 'abuso de exclusividade' por parte da empresa do grupo Brisa. Está na hora de desistir, cambada de ladroagem 🤢🤮🤢🤮🤢🤮

Custos com o teletrabalho: da teoria da lei à prática, a dificuldade da provaSe analisarmos o aumento de custo através da energia, fica a pergunta: como se poderá comprovar que esse aumento provém do teletrabalho e não de uma outra razão qualquer?