Cultura. Perguntar por ela é o mesmo que os peixes perguntarem pela água

25/01/2022 19:42:00

Cultura, Legislativas2022

Um bom resumo das coisas no que toca às posições dos partidos e aos seus programas a respeito da Cultura pode ser enquadrado segundo a parábola que David Foster Wallace serviu ao corpo docente da Universidade de Kenyon que o ouvia, quando, em 2005, lhe coube fazer o discurso da cerimónia de graduação.

Este viria a ser amplamente difundido mais tarde, e sobretudo depois da sua morte por suicídio, três anos depois: “dois jovens peixes nadam juntos e, um dia, por acaso, encontram um peixe mais velho a nadar em sentido contrário, que lhes acena e diz: ‘Bom dia, rapazes, como está a água?’. Os dois jovens peixes continuam a nadar, até que um deles olha para o outro e pergunta: ‘Mas que raio é a água?’”. Wallace prossegue e explica o que está em causa: “o ponto imediato da história dos peixes é que as realidades mais óbvias, omnipresentes e importantes são frequentemente aquelas que são mais difíceis de ver e de falar”.

Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Probabilidade do país cumprir metas no 5G é ″media-alta″ apesar do atrasoAuditoria do Tribunal de Contas Europeu considera que mesmo com demora na atribuição de faixas e de uma diretiva essencial por adotar, Portugal ainda pode atingir os objetivos até 2025.

Corum lança fundo imobiliário com certificado ESG em PortugalA sociedade gestora explica que o fundo comercializado pela Corum Investments é apenas para investidores profissionais 'por enquanto', foi lançado em 2020 e investe exclusivamente em ativos imobiliários na zona euro.

Covid-19: Carmo Gomes prevê mais de sete milhões de infetados na primaveraCom a transmissão a aumentar todos os dias por culpa da variante Ómicron e mantendo-se este ritmo, é 'inevitável' que existam mais de sete milhões de portugueses infetados nessa altura.

Mais de 12 feridos e 70 detidos em protestos em BruxelasCanhões de água de gás lacrimogéneo fora usados este domingo pela polícia para dispersar uma multidão de 50.000 pessoas em Bruxelas, que protestavam contra vacinas e certificados de saúde.

'É pela agenda interna que Biden vai ser julgado', defende Seixas da Costa'Joe Biden tinha agendas internas importantes e é por essas agendas que ele vai ser avaliado. Um desses temas foi a pandemia e apesar das coisas terem começado a correr bem, agora já não se pode dizer o mesmo', destacou Francisco Seixas da Costa na última edição do programa 'A Arte da Guerra'.

'Big Brother' revela novidade nas nomeações deste domingoDepois de revelar os 'BB Play' deste domingo, a produção do 'Big Brother Famosos' informou os fãs como é que vão ser as nomeações esta noite.

legislativas2022 Um bom resumo das coisas no que toca às posições dos partidos e aos seus programas a respeito da Cultura pode ser enquadrado segundo a parábola que David Foster Wallace serviu ao corpo docente da Universidade de Kenyon que o ouvia, quando, em 2005, lhe coube fazer o discurso da cerimónia de graduação.de acordo com uma auditoria do Tribunal de Contas Europeu (TCE) sobre a implementação do novo sistema no espaço comunitário.Maria Teixeira Alves 24 Janeiro 2022, 16:24 A sociedade gestora explica que o fundo comercializado pela Corum Investments é apenas para investidores profissionais “por enquanto”, foi lançado em 2020 e investe exclusivamente em ativos imobiliários na zona euro.Com a transmissão a aumentar todos os dias por culpa da variante Ómicron e mantendo-se este ritmo, é"inevitável" que existam mais de sete milhões de portugueses infetados nessa altura.

Este viria a ser amplamente difundido mais tarde, e sobretudo depois da sua morte por suicídio, três anos depois: “dois jovens peixes nadam juntos e, um dia, por acaso, encontram um peixe mais velho a nadar em sentido contrário, que lhes acena e diz: ‘Bom dia, rapazes, como está a água?’. Os dois jovens peixes continuam a nadar, até que um deles olha para o outro e pergunta: ‘Mas que raio é a água?’”. Quanto a Portugal, o organismo não tem certezas que o país alcance o objetivo dentro do prazo. Wallace prossegue e explica o que está em causa: “o ponto imediato da história dos peixes é que as realidades mais óbvias, omnipresentes e importantes são frequentemente aquelas que são mais difíceis de ver e de falar”. “A obtenção do selo representa uma garantia de qualidade e credibilidade para os investidores, que dão cada vez mais importância aos impactos ambientais e sociais na escolha de seus investimentos. Essa é a condição da Cultura no nosso país. Tribunal de Contas Europeu alerta:"5G na UE precisa de dose de reforço" "Todos os Estados-membros, com exceção de Chipre, da Lituânia, de Malta e de Portugal, cumpriram o objetivo intermédio de em 2020 ter, pelo menos, uma grande cidade com acesso a serviços 5G", começa por apontar o relatório, alertando que hoje"muitos países não estão no bom caminho". Quanto mais relevante se torna, mais se apaga, mesmo que a ela conduzam a maioria dos nossos problemas..

Não deixa, no entanto, de ser confrangedor notar a forma como se eclipsou nos debates televisivos, raramente sendo mencionada nas ações de campanha e discursos, e, mesmo nos programas dos partidos não é senão como a folha de alface que se estende ao grilo quando se captura e se pretende ouvi-lo cantar na casa de banho por uns dias. Já Bélgica, Bulgária, Grécia, Croácia e Chipre não dão essas garantias. Os nove critérios ambientais medem os efeitos diretos ou indiretos do imóvel e do seu inquilino sobre o meio ambiente, representando 35% da classificação ESG dos edifícios. Ainda assim, pelo menos metade dos partidos que concorrem às eleições legislativas que irão realizar-se no próximo dia 30 incluem a Cultura no programa eleitoral. Entre intenções genéricas e propostas concretas, boa parte deles converge na defesa do património e, em alguns casos, na meta de 1% do orçamento para o setor. Mas, no caso de Portugal, há uma nuance. O BE, o PCP, o CDS-PP, o Livre, o RIR e o Nós, Cidadãos fazem referência a 1% de verbas do Orçamento do Estado para a Cultura. Os seis critérios utilizados levam principalmente em conta a qualidade das relações que temos com nossos contatos, lojistas e prestadores de serviços. Já o PS escreve que quer “aumentar a ambição orçamental de investimento da Cultura para 2,5% da despesa discricionária” do Orçamento do Estado. Fechar Subscreva a nossa newsletter e tenha as notícias no seu e-mail todos os dias Subscrever Muito obrigado pelo seu registo.

Uma espécie de música que se ouve do arrasto das areias no leito do mar vem da revisão do Estatuto dos Profissionais da Cultura, o qual entrou em vigor no primeiro dia do ano, e que une três partidos na sua filarmónica – Bloco de Esquerda, PAN e Livre –, ao passo que o PS assume o compromisso de “proceder à sua implementação”. Embora defina o enquadramento legal dos trabalhadores independentes deste setor, o estatuto há muito reclamado por estes profissionais só entrará em vigor mais tarde, como a parte que diz respeito à proteção social, que só entra em vigor em 1 de Julho, e os trabalhadores podem que se tenham inscrito no Registo dos Profissionais da Área da Cultura (RPAC), através da Inspeção-Geral das Atividades Culturais, só a partir de 1 de Outubro poderão ter acesso ao subsídio de suspensão de atividade. Ainda assim, questionada sobre o caso português, fonte oficial do Tribunal de Contas Europeu explica ao DN/Dinheiro Vivo que, apesar de Portugal ainda não ter atribuído as faixas 5G aquando da conclusão da auditoria (outubro de 2021), o TCE sabe que a"situação evoluiu rapidamente e que as bandas 5G foram já atribuídas". Em termos de objetivos ESG, o fundo Eurion pretende reduzir o consumo de energia dos seus edifícios, com vista a reduzir a pegada de carbono, bem como o consumo de água e a produção de resíduos, e incentivar a eco-mobilidade. Portanto, ainda está para se saber que impacto este terá na vida do setor. Agora antes de irmos mais longe, e às orientações gerais de cada um dos partidos, vale a pena limpar já do horizonte essas formações que se servem do peixe que fica preso nas redes, e que não desenvolvendo um modo característico de pesca, entendem que a Cultura simplesmente engole o que for preciso. "No entanto, os prazos eram muito anteriores a 2021", diz, realçando que o"plano nacional de banda larga de Portugal não reflete o objetivo de haver cobertura 5G ininterrupta em áreas urbanas e nas principais vias de transporte até 2025". Como seria de esperar, a direita não entende que esta seja uma prioridade, mas o Chega vai ao ponto de não apresentar uma só medida específica e detalhada para o setor cultural. José Gavino, diretor da Corum Investment em Portugal, explica que “como parceiros de longo prazo de investidores e arrendatários, é natural integrar componentes ambientais e sociais no investimento e na gestão imobiliária dos nossos ativos.

Apesar de não ir muito além da tradicional reafirmação do Estado na defesa do Património, o CDS-PP ainda consegue deixar uma nota soar firmemente debaixo de água, e assume que pretende a revogação do Acordo Ortográfico de 1990, essa espécie de veneno discretíssimo que tem ajudado a tornar as águas ainda mais turvas, gerando uma língua espartilhada entre diferentes categorias de peixes, dos mais miúdos àqueles que vivem mais anos e têm uma boa compreensão da propagação do som nestas circunstâncias. Neste ponto, Portugal não é caso único - há 23 países que ainda não adotaram a diretiva, o que leva o auditor a afirmar que,"ao atual ritmo de execução, é muito provável que os objetivos da UE para a atual década não sejam atingidos", no que respeita às telecomunicações. A este respeito, e apesar de toda a confusão gerada, e dos fracos resultados conseguidos a nível de uma verdadeira regra comum no uso da língua, o PSD quer saber o “real impacto” do novo Acordo Ortográfico. Voltando ao CDS, este avança também com a proposta de criar um “Dicionário Universal da Língua Portuguesa e da Biblioteca Universal da Língua Portuguesa, contendo entradas respeitantes às palavras usadas em todos os países de língua portuguesa”. Mesmo assim, apesar das lacunas notadas pelo auditor, fonte oficial explica que o relatório"também considera os planos e as previsões dos operadores móveis". A metodologia de análise e avaliação ESG é revista anualmente pela Corum Asset Management de forma a verificar a sua relevância em relação às mudanças nos padrões de mercado e a levar em consideração eventuais mudanças regulatórias. Por sua vez, o PS, nesta área, pretende dar continuidade à última legislatura, comprometendo-se a “efetuar as intervenções em património cultural classificado”, previstas no Plano de Recuperação e Resiliência. Já o PSD defende “um plano detalhado de inventariação e reabilitação dos edifícios com maior valor cultural”. Mais empregos O 5G é uma prioridade para Bruxelas desde 2016, quando foi criado um plano de ação para alargar o novo paradigma das comunicações em todo o espaço comunitário.

De um partido liderado por Rui Rio ninguém esperaria um visão para o reflorescimento deste setor, e a maioria das propostas dos sociais-democratas servem mais para não dizerem que o tema não entrou no programa. Assim, o PSD defende uma Lei de Bases da Cultura, sugere a criação de um “Museu de Portugal no Mundo, que, sem preconceitos nem tabus, narre a longa história do país”, e uma reflexão sobre uma “grande Escola Portuguesa de Design”. O 5G tem ainda o potencial de"criar ou transformar até 20 milhões de empregos", segundo o TCE. Por seu lado, a Iniciativa Liberal segue a toque de caixa, e basicamente estende a lógica de entregar aos privados todos os instrumentos a ver que concerto nos dão. Assim, esta formação entende que o que falta é uma “maior participação do setor privado na gestão do património português, das instituições culturais e na execução da política cultural”. Citada pela Lusa, fonte oficial da Comissão Europeia reconhece os atrasos em toda a UE, revelando que a UE vai intensificar esforços para o 5G. Outra das propostas dos liberais passa por “fundir a Direção-Geral do Património Cultural e as quatro Direções Regionais de Cultura num Instituto Nacional do Património Cultural dotado de autonomia administrativa e financeira”.

Este partido considera ainda que a atividade dos agentes culturais deve ser “descomplicada de burocracias ou cargas fiscais”, e com total irresponsabilidade, pede a revogação da lei do preço fixo do livro e brande uma alteração da lei da cópia privada. Em Portugal, os planos iniciais da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) apontavam para a implementação do 5G no decorrer do ano de 2020, mas com o surgimento da pandemia todos os processos resvalaram para 2021. Pela amostra, já se vê que a Cultura não é objeto de grande discussão, e o que vai surgindo nos programas de Governo são algo como anotações marginais, um tanto esquemáticas, e, assim, o PS ergue a batuta e desenha no ar propostas bastante genéricas, assumindo que irá “repensar os incentivos ao mecenato cultural” e “promover a igualdade de género”. Fala ainda na criação do Museu Nacional de Arte Contemporânea, algo que já existe em Lisboa, ou na criação do Museu Nacional da Fotografia, “a partir dos equipamentos já existentes”. As faixas 5G só foram atribuídas no final de outubro de 2021, mais de dez meses depois de todo o leilão de frequências ter arrancado. Embora assuma uma postura mais empenhada, infelizmente o Bloco de Esquerda continua a desperdiçar todas as oportunidades de nos dar uma outra dimensão do problema, repensando de raiz aquilo que tem sido uma espécie de atraso mental no que toca a entender a inércia de fundo no setor. Assim, pede uma Lei de Bases da Cultura e, em matéria laboral, um “programa de combate ao trabalho informal” e a vinculação dos “precários dos organismos públicos”. Nesta altura, os principais operadores nacionais - NOS, Altice e Vodafone - já colocaram no mercado ofertas 5G.

Para o PCP a cultura ainda é em grande medida uma coisa que se põe ao serviço das orientações gerais, limitando-se a realçar medidas para a área como “criar um Serviço Público de Cultura, erradicar a precariedade e estabelecer mecanismos eficazes de acesso às prestações sociais e a uma carreira contributiva estável para os trabalhadores da Cultura”.  Os comunistas reciclam o programa eleitoral de 2019, considerando que este se mantém “atual e válido”, citando dele o fim do programa Revive, de concessão de património imóvel do Estado a privados, a salvaguarda do “caráter integralmente público da Cinemateca” e a implementação de um “verdadeiro Estatuto do Bailarino”."O mais importante" é que"o 5G está na rua" Quanto às metas, o regulamento definido pela Anacom e a Estratégia Nacional para o 5G, definida pelo governo, estabeleceram que os operadores, no âmbito do 5G, têm de garantir uma"cobertura de 75 % da população de cada uma das freguesias consideradas de baixa densidade e de cada uma das freguesias das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores" até 2023. Quanto ao PAN, este pretende “consagrar a Cultura como bem de consumo essencial” e ter “uma rede nacional de museus na defesa da memória das migrações, da interculturalidade e dos direitos humanos”. Já o Livre, quer ser ousado no que toca a “descolonizar a Cultura”, assumindo a necessidade de se fazer “uma listagem nacional de todas as obras, objetos e património trazidos das ex-colónias e que estão na posse de museus e arquivos portugueses, de forma a que possam ser restituídos ou reclamados pelos Estados e comunidades de origem”. Até 2025, tem de haver uma"cobertura de 95 % da população total do país", bem como uma cobertura de rede na esmagadora maioria das autoestradas nacionais, itinerários principais, itinerários ferroviários e redes de metropolitano de Lisboa, do Porto e do Sul do Tejo. Mas não assume também nenhuma visão forte para o setor, e entrega-se a intervenções pontuais, como o fim dos subsídios para as touradas e de “todo o tipo de receitas provenientes de jogos de azar”, e a reestruturação da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas.

Ou seja, os peixes continuam a nadar sem nenhuma ideia clara sobre como raio se afeta a temperatura ou a qualidade da água. Contudo, esse desígnio não foi incluindo nas metas portuguesas. Os comentários estão desactivados. ..