Covıd-19, Vacinação, Sociedade

Covıd-19, Vacinação

Cuidados primários: ″Não podemos ser só nós a vacinar. Utentes esperam cada vez mais″

Cuidados primários: 'Não podemos ser só nós a vacinar. Utentes esperam cada vez mais'

14/05/2021 02:48:00

Cuidados primários: 'Não podemos ser só nós a vacinar. Utentes esperam cada vez mais'

Portugal entra na fase de vacinação massiva: mais de 100 mil inoculações diárias. Os centros de vacinação aumentaram o número de horas e de dias de funcionamento. E há cada vez mais profissionais dos centros de saúde ocupados com a tarefa. O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar diz: 'Estamos a resolver um problema criando outro.'

SubscreverAo fim de cinco meses, com a tarefa de vacinação massiva pela frente e para ser levada a cabo durante os meses de verão, a situação só tem tendência agravar, devido ao período de férias que se aproxima.

Miguel Oliveira foi o mais rápido nos treinos para o GP Alemanha Governo decidiu vedar Área Metropolitana de Lisboa ao fim de semana Rúben Dias: «Começámos bem o Europeu mas é preciso colocar os pés no chão»

Nuno Jacinto diz ao DN:"Se nada for feito ou definido centralmente sobre os outros recursos do SNS ou do sistema de saúde que podem e devem colaborar nesta tarefa, estamos a resolver um problema criando outro. Os utentes esperam cada vez mais e há cuidados que continuam a ficar cada vez mais para trás."

Nesta quarta-feira, o governo publicou o despacho que autoriza a contratação de 2474 profissionais para o SNS. Destes, 1366 são enfermeiros, mas ninguém sabe quando ou quantos destes se destinam à tarefa da vacinação. headtopics.com

O que continua a verificar-se, sublinha o médico,"é que os centros de vacinação funcionam todos, ou quase todos, única e exclusivamente com profissionais dos centros de saúde, num esforço cada vez maior, com a necessidade de recorrer a horas extra, embora já nem seja o trabalho extraordinário que está em causa, é, sim, a atividade assistencial aos utentes das unidades de família que está cada vez mais a ficar comprometida".

Reforçando:"A questão é que já não há meios para tudo nem mais horas para se fazer trabalho extraordinário. As ARS sabem-no e a task force também." Portanto,"não podemos continuar a ser só nós, cuidados primários, a assegurar a vacinação. Tem de haver outros médicos, outros enfermeiros e administrativos. A tarefa tem de ser partilhada com outros recursos do SNS e do sistema de saúde, mas isso tem ser definido centralmente, e não foi feito até agora".

Quem está no terreno conhece a realidadeA mensagem dos médicos de família é clara. E surge, mais uma vez, depois de em abril terem feito outro alerta e outro retrato do que se estava a passar nos cuidados primários, já que em abril, e para preparar a fase de vacinação massiva,"o governo voltou a pedir às ARS que fizessem novo balanço da capacidade existente e necessária para a fase de vacinação que se seguia. As ARS pediram aos Agrupamentos de Centros de Saúde [ACES] para o fazerem e o cenário traçado foi o mesmo do inicial. São precisos outros profissionais para esta tarefa. Quem está no terreno sabe que esta é a realidade, e acredito que quer os ACES quer as ARS o transmitiram aos governantes".

Mas o planeamento que chegou aos ACES para a fase que agora está a ser iniciada - e que, como anunciou o coordenador da task force, vice-almirante Gouveia e Melo, deverá envolver a administração de 114 mil vacinas por dia - continua a contar só com os profissionais dos cuidados primários. headtopics.com

Ukra volta a fazer das suas agora no aniversário de casamento: toca o sininho e... António Costa: 'Pessoas têm de ter responsabilidade e não podem fazer festas com 500 pessoas' TAP coloca nas mãos de sociedade de advogados inquérito a diretor de RH | Jornal Económico

"Há centros de saúde que tiveram de aumentar o número de horas diárias de colegas nos centros de vacinação ou o número de dias, porque já estamos a entrar na fase que, teoricamente, é a fase massiva e os centros de vacinação já alargaram o seu horário ou passaram a estar abertos durante mais dias. Ou seja, passámos a ter mais colegas na mesma semana com mais turnos em centros de vacinação ou com mais horas durante o dia."

Por isso, sublinhou,"achar que os centros de saúde vão conseguir responder a este planeamento só com os recursos humanos que têm enquanto mantêm a sua atividade assistencial nas unidades de origem não faz sentido. É completamente impossível. Hoje, um utente já não tem vaga para uma consulta ou outro tipo de cuidado daí a uma semana ou um mês, já tem de esperar mais e é o que vai continuar acontecer enquanto durar a vacinação, se nada mudar".

No início da semana o Sindicato Independente dos Médicos lançou um apelo ao Presidente da República e ao primeiro-ministro sobre o facto de haver mais de 400 médicos de família, 2 mil enfermeiros e 2 mil assistentes operacionais"amarrados" a esta tarefa, impedindo-os de estar nos centros de saúde e"tratar os seus doentes".

Há zonas em que o autoagendamento não funcionaO presidente da APMGF disse ao DN não ter números precisos sobre quantos profissionais dos cuidados primários estão nesta tarefa, mas"o importante não é tanto o número absoluto é mesmo o tempo despendido na tarefa que está claramente entregue aos centros de saúde", reforçou. Agora, ainda mais, já que"o alargamento de horários levou a que fossem precisos mais médicos, mais enfermeiros, mais administrativos, mais assistentes operacionais, para os assegurar". headtopics.com

A aumentar o tempo despendido só à vacinação estão as formas de convocatória da população que não têm ajudado, fazendo os profissionais perderem muito tempo com este procedimento."Na primeira fase, a convocatória por SMS não ajudou. As pessoas não respondiam. Agora, há o auto agendamento, mas não está a funcionar em algumas zonas. Há agendamentos de utentes sobrepostos e para dias em que os centros estão fechados. Só isto está a dar-nos mais uma grande sobrecarga. São as unidades de saúde que acabam por ter de resolver o agendamento."

Até agora, o trabalho levado a cabo no processo de vacinação tem sido elogiado por muitos. O bastonário dos médicos e outros especialistas já vieram afirmar publicamente que Portugal estava no bom caminho para atingir a imunidade de grupo mais cedo do que o previsto. Gouveia e Melo já referiu que tal poderá acontecer já no início do verão e não no final, como estava previsto.

Fernando Santos: ″Portugal agora é mais respeitado″ Claque VIP também seguiu para Munique O público está de regresso ao futebol em Portugal

Mas nos cuidados primários, continua-se à espera dos recursos extra que possam ajudar estas equipas. Nuno Jacinto admite que não é fácil recrutar profissionais, porque"o problema é que também não há profissionais para contratar e para cumprirem os horários de vacinação". No início da pandemia, os cuidados primários ainda tiveram o apoio de médicos de família reformados, mas agora"os colegas não conseguem dar mais horas para apoiarem na vacinação".

Impacto nos cuidados aos utentes é cada vez maiorDesde o início que a pandemia veio colocar a descoberto fragilidades nos cuidados primários. A falta de recursos humanos é uma das mais preocupantes e vai ter o seu impacto na saúde dos portugueses. Aliás, o presidente da APMGF já diz:"O impacto vai sendo cada vez maior. Primeiro tivemos de acompanhar a maioria dos doentes com covid, depois veio a vacinação, começou com uma fase mais pessoal, agora passou para a fase de larga escala, e, por exemplo, em relação aos enfermeiros, há cada vez mais profissionais fora das suas unidades, o que significa que há maior dificuldade em fazer as tarefas programadas, como vigilância da saúde infantil, rastreios, etc. As pessoas não podem estar em dois sítios ao mesmo tempo e há coisas que ficam forçosamente para trás

." E, como já o disse,"a solução não é o trabalho extraordinário porque as pessoas não resistem, já trabalham demasiadas horas".Os alertas têm sido constantes, chega-se a uma fase crucial da vacinação para proteger o máximo possível de população e alcançar-se a imunidade de grupo, mas os"recursos extras ainda não chegaram e continuamos a navegar à vista", comentou Nuno Jacinto. A atividade programada fica cada vez mais comprometida, números concretos ainda não os há,"só mais para a frente, mas teremos de os comparar com 2019, para saber o que fizemos e a que ritmo, porque 2020 foi um ano muito atípico".

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Multas podem chegar a 100 euros para quem não cumprir regras nas praiasHaverá multas entre os 50 e os 100 euros para quem não use máscara nos acessos às praias, nos restaurantes, balneários e nos paredões. Quem entrar numa praia lotada também pode ser multado. E se levar o cachecol do Sporting? mas podem ir há festas dos lagartos ,lá não precisa de máscara e até podem atirar pedras há policia . E qual é a admiração?! É o acesso às praias e esplanadas! Já o ano passado era assim!

Centenas de cidades não têm planos para enfrentar as alterações climáticasEuropa já tem a taxa de mortalidade mais elevada devido a ondas de calor. Vocês não se cansam de estarem errados

Ouvir vozes: não é normal, é humanoHá um aparente consenso de que ouvir vozes que outras pessoas não ouvem é, necessariamente, um problema, sinónimo não só de loucura, mas também de violência, servindo esse suposto perigo como justificação para que se usem todos os meios para as supr

Tolentino faz um hino à esperança: “Estes meses foram difíceis mas não foram vãos”Pela primeira vez e como cardeal, D. José Tolentino Mendonça presidiu às cerimónias de Fátima. No final da procissão das velas falou sobre as várias crises que a pandemia causou e alertou para o perigo maior da “crise que vivemos se tornar numa crise da esperança”. E foi precisamente um hino à esperança que veio deixar ao santuário

João Gama Leão reconhece sociedades em Malta mas não as considera offshoreEm carta enviada à Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, a que a Lusa teve acesso, João Gama Leão admite que as estruturas denominadas Legomix e Brikko foram constituídas “em Malta, um Estado membro da União Europeia que nã

CM de Lisboa não permitirá presença de adeptos na receção ao SportingAlterações ao que estava previsto 'tendo em conta os acontecimentos da noite passada'