Covid-19: Áustria torna vacinação obrigatória a partir de fevereiro - SIC Notícias

Covid-19: Áustria torna vacinação obrigatória a partir de fevereiro

16/01/2022 16:36:00

Covid-19: Áustria torna vacinação obrigatória a partir de fevereiro

Infração será punida com coimas que variam entre os 600 e os 3.600 euros.

A Áustria vai ser o primeiro país da Europa a tornar a vacinação contra a covid-19 “obrigatória” para adultos, aplicando multa pesada a quem não o cumpra, comunicou este domingo o chanceler austríaco.“Conforme planeado, vamos tornar a vacinação obrigatória no início de fevereiro”, disse, em entrevista coletiva, o conservador Karl Nehammer, que chefia o governo austríaco em coligação com os verdes.

Durante toda a semana, o tema gerou debates acalorados, quer no Parlamento, quer na sociedade.A medida divide profundamente a sociedade austríaca, numa altura em que 71,5% da população elegível tem o ciclo de vacinação completo, um número baixo se comparado com o de outros países europeus.

Consulte Mais informação: SIC Notícias »

Ovelhinhas esses austríacos...revoltem s A nova democracia europeia virada para um futuro socialista. ❤️❤️❤️❤️❤️ jaaaa das ist der Geist! A partir de qual dose a vacina obrigatória se torna eficaz? Absurdo

Covid-19: entre 3% e 7% da população em isolamento no dia das eleiçõesAs estimativas do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge indicam que na altura das eleições “já deveremos estar em fase descendente” da actual vaga de covid-19 — poderão estar isoladas ou em quarentena entre cerca de 310 mil e 720 mil pess

Regulador europeu alerta para novo possível efeito secundário da vacina Covid-19Em causa está a mielite transversal, uma inflamação da medula espinal que bloqueia a transmissão de impulsos nervosos. Se se tomasse um remédio preocupado com seus efeitos colaterais o Viagra não seria o remédio mais consumido no mundo.

Covid-19: Vaga da Ómicron está a recuar na Costa Leste dos EUA, incluindo Nova Iorque

Covid-19: Presidente sérvio acusa primeiro-ministro australiano de “maltratar” Djokovic

Covid-19: Francisco Moura tem teste positivo e falha receção ao Marítimo

“É importante libertar as crianças” dos medos da covid-19, diz pedopsiquiatraO director da especialidade de Pedopsiquiatria do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central defende ser “muito importante encontrar uma maneira de libertar as crianças, deixá-las em paz na escola e não andar com estas coisas dos contágios, este

Lusa A Áustria vai ser o primeiro país da Europa a tornar a vacinação contra a covid-19 “obrigatória” para adultos, aplicando multa pesada a quem não o cumpra, comunicou este domingo o chanceler austríaco. “Conforme planeado, vamos tornar a vacinação obrigatória no início de fevereiro”, disse, em entrevista coletiva, o conservador Karl Nehammer, que chefia o governo austríaco em coligação com os verdes. Durante toda a semana, o tema gerou debates acalorados, quer no Parlamento, quer na sociedade. A medida divide profundamente a sociedade austríaca, numa altura em que 71,5% da população elegível tem o ciclo de vacinação completo, um número baixo se comparado com o de outros países europeus. No sábado, 27 mil pessoas manifestaram-se contra a medida em Viena, a capital, acusando o governo de desrespeitar as liberdades individuais. “É um projeto sensível”, mas “de acordo com a Constituição”, sublinhou o chanceler. Multas podem chegar aos 3.600 euros O projeto de lei deverá ser aprovado na quinta-feira pelo Parlamento, onde conservadores e verdes têm larga maioria e, para esta medida, contam ainda com os líderes dos partidos social-democrata e liberal. Só a extrema-direita é contra. Karl Nehammer adiantou que haverá “uma fase de adaptação” até meados de março, momento a partir do qual “serão feitos controlos” e aplicadas multas aos não vacinados. A infração será punida com coimas que variam entre os 600 e os 3.600 euros (em caso de reincidência). Chegou a estar em cima da mesa, mas a vacinação de menores com mais de 14 anos foi abandonada e a medida só se aplicará aos adultos, sublinhou o chanceler, mencionando ainda as exceções para as grávidas e todas as pessoas que não podem ser vacinadas por razões médicas.