Covid-19. Maioria das empresas sofreram aumento de ciberataques

Covid-19. Maioria das empresas sofreram aumento de ciberataques

02/08/2021 19:15:00

Covid-19. Maioria das empresas sofreram aumento de ciberataques

'Global Information Security Survey 2021', elaborado pela EY, refere que as estratégias do cibercriminosos estão cada vez mais 'sofisticadas e imprevisíveis', sendo que 43% dos inquiridos mostraram-se 'mais preocupados do que nunca' com a sua capacidade de gerir estas ameaças.

A maioria (77%) das empresas sofreram um aumento de ataques cibernéticos no último ano, ao mesmo tempo que as estratégias dos cibercriminosos estão sofisticadas, quando, em Portugal, não está a ser aplicada a política de segurança, revelou a EY.

Covid-19. Estudo revela benefícios de terceira dose para os mais idosos Corrida aos postos de combustível no Reino Unido Merkel faz campanha pela CDU nas derradeiras horas antes da eleição

"[...] Cerca de três em cada quatro empresas (77%) assistiram a um aumento de cibertaques diruptivos, como ataques de 'ransomware' nos últimos 12 meses, o que compara com 59% no ano anterior", indicou em comunicado a EY, empresa de auditoria, assessoria fiscal, de transações e de gestão.

De acordo com o EY 'Global Information Security Survey 2021', em simultâneo, as estratégias do cibercriminosos estão, cada vez mais,"sofisticadas e imprevisíveis", sendo que 43% dos inquiridos mostraram-se"mais preocupados do que nunca" com a sua capacidade de gerir estas ameaças. headtopics.com

Mais de 80% dos dirigentes de cibersegurança apontaram ainda que a pandemia de covid-19 levou a que fossem ignorados alguns processos para dar resposta às necessidades, enquanto 56% referiram que as empresas contornaram os processos de cibersegurança para facilitar os requisitos para o trabalho remoto.

Em Portugal, a maioria das empresas não está a aplicar a política de segurança das tecnologias de informação e comunicação aos processos da organização, nem a"dar importância devida" aos diretores de segurança da informação (CISO).

Segundo os especialistas da EY Portugal, nalguns casos as políticas até existem e são revistas, mas a sua aplicação aos processos não é monitorizada."Apesar de a tendência para a nomeação de um CISO dentro das organizações estar a aumentar em Portugal, ainda não é uma prática que esteja enraizada", apontaram.

A análise revelou também que os orçamentos das empresas para a cibersegurança são baixos, quando comparados com o total dos gastos em tecnologias de informação.No total, as organizações consideradas registaram receitas de cerca de 11.000 milhões de dólares (9.268 milhões de euros) no ano passado, mas gastaram 5,28 milhões de dólares em cibersegurança, ou seja, 0,05% do total, embora existam diferenças de setor para setor. headtopics.com

La Palma. Parte do cone principal do vulcão desmoronou Bruno Fernandes e o penálti falhado: «Voltarei a assumir a responsabilidade sem medo nem temor» Marcelo: 'Votar amanhã é mais importante do que nunca'

Já 39% dos inquiridos notaram que o orçamento da sua empresa é inferior ao necessário para gerir as ameaças que emergiram no último ano e 36% consideraram ser uma questão de tempo até surgir uma ameaça que poderia ser evitada se houvesse um"investimento mais apropriado".

Além dos orçamentos, a complexidade regulatória e a falta de envolvimento entre os responsáveis de cibersegurança e outros departamentos são identificados como os fatores que potenciam os ataques cibernéticos.Entre os inquiridos, 41% descreveram as suas relações com o departamento de marketing como"negativas", enquanto 28% notaram que o relacionamento com o proprietário da empresa é"fraco". Assim,"enquanto 36% dos entrevistados em 2020 confiavam que as equipas de cibersegurança estavam a ser consultadas na fase de planeamento de novas iniciativas, esse número caiu para 19% em 2021".

Consulte Mais informação: Expresso »

Covid-19: Acaba o recolher obrigatório, restaurantes abertos até às 2hOs eventos desportivos passam a poder ter público e a lotação em eventos culturais é aumentada para 66%. Portugal com mais 17 mortes e 2590 casos de covid-19 na sexta-feira.

Reino Unido oferece incentivos aos jovens para se vacinarem contra a Covid-19Aplicações de táxi, Uber e Bolt oferecerão descontos nos serviços ou até passagens gratuitas para os postos de vacinação.

Covid-19. China deteta 75 novos casos locaisA China anunciou hoje ter detetado 75 novos casos de covid-19 no sábado, dos quais 53 locais e a maioria na província de Jiangsu (leste), palco de um surto nos últimos dias.

Covid-19: ASAE fecha discoteca ilegal em Santiago do Cacém com mais de 400 clientesA Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) encerrou no sábado à noite um estabelecimento ilegal em Santiago do Cacém, distrito de Setúbal, onde estavam 'mais de 400 clientes', sem cumprimento das medidas para controlar a pandemia de covid-19.

Covid-19: Mais de 1.200 jovens com mais de 12 anos foram vacinados na MadeiraDados de sábado, primeiro dia de vacinação na modalidade 'Casa Aberta'.

Portugal com mais 8 mortes e 2.306 casos de covid-19 em 24 horasInternamentos hospitalares voltam a subir, segundo o último balanço da Direção-geral da Saúde. É uma pena que, por causa dos interesses das poderosas farmacêuticas, não se utiliza a Ivermectina (droga X, por causa da censura) como tratamento da COVID. As vacinas são para prevenir, a Ivermectina é para tratar, reduzindo as internações e mortes: Ainda perdem tempo com esta informação que ja ninguém quer saber? Abrem tudo e esperam milagres! Acabem com esta fantochada ridícula! Via verde já nesta merda!