Portugal Mobi Summit, Mobilidade, Cidades

Portugal Mobi Summit, Mobilidade

Carlo Ratti: ″Usamos dados para melhorar a vida nas cidades e criar novas respostas″

Carlo Ratti: 'Usamos dados para melhorar a vida nas cidades e criar novas respostas'

22/10/2021 09:49:00

Carlo Ratti: 'Usamos dados para melhorar a vida nas cidades e criar novas respostas'

Barcos autónomos e ecológicos e cruzamentos sem semáforos para regular o trânsito são novas possibilidades ao alcance da tecnologia desenvolvida pela equipa do arquiteto e diretor do MIT Senseable City Lab, que ontem abriu o segundo dia do Portugal Mobi Summit . Ratti está apostado em redesenhar as cidades testando soluções e criando novos hábitos às pessoas.

SubscreverInvestigar e explorar a forma como as novas tecnologias podem melhorar a vida nas cidades é o principal foco daquele laboratório, parte integrante do prestigiado MIT que, através dos dados e dos sensores que hoje em dia transportamos nos nossos telemóveis e nos veículos cada vez mais conectados, está apostado em descobrir novas possibilidades.

Legislativas: BE admite apoiar uma maioria que melhore a vida do país Peng Shuai. WTA diz que “nada disto é aceitável” e fez o que ameaçou fazer: suspendeu todos os torneios na China Rui Moreira anuncia cancelamento das festas de fim de ano no Porto

Foi, por exemplo, através da análise de big data que o laboratório percebeu que em Manhattan (Nova Iorque) havia centenas de milhares de pessoas que se dirigiam todos os dias na mesma direção, por exemplo, para o aeroporto JFK, tendo surgido aí a ideia, ainda antes da Uber, de criar uma solução de mobilidade partilhada que permitiria reduzir em cerca de 40% a circulação de automóveis na cidade. Na altura alguém achou que os nova-iorquinos não eram propriamente fãs da partilha."Estavam errados", atesta Carlo Ratti. Hoje a Uberpool é gigante e esta solução de mobilidade partilhada é um grande sucesso em várias cidades e em vários continentes.

Porque é que a recolha e a análise inteligente dos dados, fornecidos pela georreferenciação, é importante?"Porque nos permite perceber, por exemplo, que em 95% por cento do tempo os carros estão parados, estacionados a ocupar espaço nas cidades, que é roubado às pessoas". Em Singapura, por exemplo, onde existem mais de 1,3 milhões de lugares de estacionamento, a cidade está seriamente apostada nas soluções de mobilidade partilhada, como via de reduzir as pesadas emissões de CO2, mas também de aumentar o espaço disponível que é escasso. E quer reduzir o espaço hoje ocupado por automóveis em cerca de 70%. headtopics.com

Outras possibilidades oferecidas pela análise de big data feita no MIT é intervir na mudança do próprio espaço urbano em função do que os dados nos dizem. Carlo Ratti defendeu que o espaço público não tem de ser sempre igual. Se de manhã, nas horas de ponta, as ruas podem ter faixas reservadas para carros, à noite ou aos fins de semana podem flexibilizar-se para ter esplanadas, mercados ou outras atividades de lazer.

Resumindo, Ratti considera que o que está em causa é envolver as pessoas no que elas querem para as cidades onde vivem. E de ir fazendo experiências, primeiro de modo temporário para criar hábitos, e depois torná-las permanentes, defendeu aquele que é considerado um dos arquitetos mais ousados e disruptivos da sua geração na construção das cidades do futuro.

A ousadia do CEiiAÉ justamente a ousadia e a capacidade tecnológica que está por trás de variados projetos do CeiiA (Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto) na área da mobilidade, mas também da aeronáutica e até da exploração espacial. A solução mais conhecida e premiada pela Google do centro de Matosinhos é a plataforma AYR, que"ajuda as cidades, as empresas, os cidadãos, a fazerem uma transição para uma sociedade carbono zero", explicou Pedro Diaz Gaspar, o seu diretor de Future Business Technology numa sessão especial integrada no Portugal Mobi Summit."O AYR foca em introduzir decisões mais sustentáveis que, de facto, reduzem as nossas emissões. E o que nós fazemos é quantificar essas não emissões. Nós estamos a tentar construir uma cidade que em tempo real monitoriza o impacto que as nossas decisões têm de positivo na redução de CO2 e de que forma eu consigo multiplicar essas decisões no meu dia a dia", explicou Pedro Diaz Gaspar."Por exemplo, um incentivo não tanto de utilizar o meu veículo, mas um incentivo de utilizar transportes e mobilidade suave que têm um impacto muito superior."

"Mas não chega incentivar, não chega criarmos sharings ou bike sharings e ciclovias e esperar que as pessoas as usem. É preciso ir mais fundo. Nós primeiro quantificamos a não emissão, quantificamos as emissões que nós evitamos produzir, e a seguir tokenificamos essa não emissão. Esta tokenificação significa transformar num crédito digital, num ativo digital ambiental transacionável, a minha não emissão. Este palavreado forte significa exatamente o quê? Significa que eu consigo transacionar, há um valor económico-financeiro e social que eu associo à minha não emissão e, a partir daí, eu vou fazer um ecossistema local de transação", prosseguiu o responsável do CeiiA. headtopics.com

Porto cancela festejos de rua e fogo-de-artifício na passagem de ano Covid-19: 70% dos internados nos cuidados intensivos em Lisboa não estão vacinados “Talvez a pandemia tenha acabado com as ‘cidades “superstar”’”

É este novo universo tecnológico que ao mesmo tempo se adapta às novas exigências das cidades e do clima e cria também novas realidades.Pandemia mudou os percursos urbanosA Uber é um exemplo emblemático de como se adaptou à mudança e induziu por si mudanças. Ontem a sua diretora de políticas, cidades e transportes, Shin Pei-Tsay, apresentou o estudo"O Futuro das Cidades e o Futuro da Mobilidade" que nos diz que as cidades estão agora mais diversificadas na era pós-covid e os seus habitantes cada vez mais fixados nos seus próprios bairros, não deixando, porém, de procurar flexibilidade nos meios de transportes para se deslocarem do centro para a periferia. Em Nova Iorque, Joanesburgo, São Paulo ou Londres, os espaços públicos converteram-se em locais de convívio com esplanadas, comércio de rua ou áreas pedonais:"Todas estas tendências terão agora de entrar no planeamento das cidades com soluções de mobilidade multimodal não só para os centros urbanos, mas também para os subúrbios", defende a diretora.

As tecnologias vão ter um papel crítico na mobilidade da pós-pandemia, defende a especialista. Mais do que nunca, os serviços de transporte urbano irão precisar de"alternativas sustentáveis e acessíveis" para servir todas as comunidades, incluindo os que tradicionalmente dependem do carro para trabalhar.

"Novas soluções tecnológicas podem ser um recurso com grande potencial para as operadoras locais aumentarem a conectividade em infraestruturas que já existem", conta a especialista, lembrando que o ecossistema da mobilidade tem vindo a sofrer profundas mudanças com opções de transporte partilhado, on demand e multimodal e deverá continuar a intensificar essa flexibilidade por oposição ao modelo tradicional de transporte e ao uso do carro individual.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

Carlo Ratti. ″Barcos autónomos e cruzamentos sem semáforos não são futurologia″Usar os dados para redesenhar cidades é o foco do diretor do MIT Senseable City Lab, que cria soluções ousadas para serem experimentadas de modo temporário, e depois, permanente.

Expectativa de melhorar o nível de vida é menor do que na década de 1940A pobreza e a riqueza tendem a perpetuar-se durante gerações e a possibilidade de uma criança aspirar a ter uma vida melhor que a dos pais é menor do que na década de 1940, segundo a ONU.

Câmara do Porto vota protocolo com PSP para instalação de videovigilânciaProtocolo estabelece conjunto de regras para a implementação de videovigilância na zona central da cidade.

Carlo Ratti. ″Barcos autónomos e cruzamentos sem semáforos não são futurologia″Usar os dados para redesenhar cidades é o foco do diretor do MIT Senseable City Lab, que cria soluções ousadas para serem experimentadas de modo temporário, e depois, permanente.

Projeto SmartBear arranca na Madeira para apoiar estilo de vida independente e saudável na comunidade idosaO projeto vai ser posto em prática através do desenvolvimento de uma plataforma inovadora com recurso a dispositivos médicos inteligentes e sensores ambientais contínuos, associados a fatores de risco clinicamente significativos em pessoas idosas com diversas comorbidades presentes.

Câmara do Porto vota protocolo com PSP para instalação de videovigilância na cidadeO executivo da Câmara do Porto vota, na segunda-feira, um protocolo a celebrar com a PSP que estabelece um conjunto de regras com vista à implementação e instalação de um sistema de videovigilância na zona central da cidade.