Candidato presidencial da extrema-direita francesa condenado por incitar ao ódio - Renascença

Candidato presidencial da extrema-direita francesa condenado por incitar ao ódio

17/01/2022 22:35:00

Candidato presidencial da extrema-direita francesa condenado por incitar ao ódio

Em setembro de 2020, Eric Zemmour descreveu os imigrantes menores desacompanhados como “ladrões”, “assassinos” e “violadores”. O candidato presidencial vai recorrer da condenação.

O candidato da extrema-direita às eleições presidenciais francesas, Éric Zemmour, foi condenado esta segunda-feira, em Paris, a uma multa de 10 mil euros por incitação ao ódio, pelas suas afirmações sobre migrantes menores desacompanhados.

Ausente da leitura da sentença, como do julgamento, em novembro, o candidato presidencial, caracterizado como um “habitué” das ações judiciais, foi julgado pelo tribunal criminal por ter qualificado, na televisão, os migrantes menores desacompanhados como “ladrões”, “assassinos” e “violadores”.

Consulte Mais informação: Renascença »

Candidato a PR da extrema-direita francesa Zemmour condenado por incitação ao ódio

Costa alerta contra influência da extrema-direita junto de partidos tradicionaisPosições foram transmitidas por António Costa num encontro sobre o tema 'Continuar a avançar em igualdade'. Extrema esquerda = extrema direita. lololol por tua culpa Insisto que me surpreende este País !Temos um governo que foi apoiado pelos partidos ditos se extrema esquerda .O problema é a extrema direita?!!Ou o problema são AMBOS e a incapacidade dos partidos tradicionais de governar e se afastarem da corrupção , do nepotismo e do engano?

Costa alerta contra influência da extrema-direita junto de partidos tradicionaisAntónio Costa afirmou que 'a cultura de exclusão que alguns querem alimentar já não tem efetivamente adesão na sociedade portuguesa'. Este discurso é tão desonesto. Até agora, nestas legislativas, todos os partidos de direita se afastaram de André Ventura. PSD e IL não querem nada com ele e o CDS foi o que se viu. Apelo ao voto pelo medo é mesmo característico de quem está sempre a mentir. Vem aí o papão , somos todos estupidos , que medooooo , não vou dormir esta noite. Ver um algueiro nos olhos dos outros e não ver uma tranca nos nossos é a base da ideologia dominante. Fala quem se coligou com a extrema-esquerda, isto é só conversa, a diferença é que o PSD disse claramente que não se coligaram com o CH. O perigo dos extremismos no poder nasceu de Costa.

Costa insiste que 'mitigação' de Rio é 'perigosa'Numa iniciativa sobre igualdade de género, António Costa piscou o olho à esquerda com a questão laboral mas insistiu na 'mitigação' de ideias de extrema-direita protagonizadas por Rui Rio. O observador é de esquerda ah Costa pagou 15 milhões de euros não os portugueses Mais um teatro do mentiroso compulsivo

Direitista Eric Zemmour condenado por discurso de ódioCandidato da direita radical às presidenciais francesas chamou 'assassinos' e 'violadores' a crianças migrantes. Já foi investigado 16 vezes e esta é a sua terceira condenação por questões raciais.

Legislativas: Costa critica 'aventuras da direita' de confiar contribuições sociais a mercados financeiros - RenascençaO também primeiro-ministro discursava no concelho de Vila Franca do Campo, nos Açores, no primeiro dia de campanha eleitoral oficial para as legislativas antecipadas de dia 30. 🖕🏻🖕🏻🖕🏻🖕🏻🖕🏻🖕🏻

Foto: Christophe Petit Tesson/EPA O candidato da extrema-direita às eleições presidenciais francesas, Éric Zemmour, foi condenado esta segunda-feira, em Paris, a uma multa de 10 mil euros por incitação ao ódio, pelas suas afirmações sobre migrantes menores desacompanhados. Ausente da leitura da sentença, como do julgamento, em novembro, o candidato presidencial, caracterizado como um “habitué” das ações judiciais, foi julgado pelo tribunal criminal por ter qualificado, na televisão, os migrantes menores desacompanhados como “ladrões”, “assassinos” e “violadores”. Aquele a quem as mais recentes sondagens atribuem o quarto lugar na primeira volta das presidenciais em abril (com cerca de 13% dos votos) criticou esta condenação, classificando-a como “ideológica e estúpida”, e vai recorrer da sentença, anunciou o seu advogado, Olivier Pardo. “Primeiro, porque na maioria das vezes, ganhamos os recursos”, justificou Pardo, e depois porque o tribunal criminal de Paris “distorceu a acusação” ao considerar que as afirmações de Zemmour “atentavam contra os imigrantes”, quando elas visavam os migrantes menores desacompanhados. As polémicas declarações de Éric Zemmour, de 63 anos, valeram-lhe na última década cerca de 15 processos judiciais por insulto racial, incitação ao ódio e acusação de crime contra a humanidade. Várias vezes absolvido, foi condenado duas vezes por incitação ao ódio. Desta vez, foi processado por afirmações proferidas a 29 de setembro de 2020, durante um debate no programa “Face à l’info”, no canal televisivo CNews, após um ataque em frente às antigas instalações do jornal satírico Charlie Hebdo. “Eles não têm nada que estar aqui, são ladrões, são assassinos, são violadores, é tudo o que são, é preciso deportá-los e era mesmo melhor que não viessem”, sustentou, sobre migrantes menores desacompanhados. “Afirmações desprezíveis, ultrajantes” que mostram “uma rejeição violenta” e “ódio” à população imigrante e que ultrapassaram “os limites da liberdade de expressão”, argumentou a procuradora do ministério público no julgamento em novembro. “Não há um pingo de racismo em Éric Zemmour”, que apenas diz “a verdade”, às vezes de “forma brutal, com as suas palavras”, retorquiu o seu advogado, referindo tratar-se de “uma posição política”. Tinha pedido a absolvição, considerando que a acusação de incitação ao ódio racial não tinha fundamento, porque “os menores desacompanhados não são nem uma raça, nem uma nação, nem uma etnia”. O tribunal também condenou o diretor de informação da CNews, julgado juntamente com Éric Zemmour, como é habitual em casos envolvendo a comunicação social, a uma multa de 3 mil euros. Cerca de 30 associações constituíram-se como partes civis nesta ação judicial, entre as quais SOS Racismo, Liga dos Direitos Humanos (LDH) e Licra, bem como cerca de 20 organismos governamentais — estando os menores desacompanhados a cargo da Ajuda Social à Infância (ASE). Tópicos