Cancro infantil. “Até as crianças pequenas podem ter consciência de que algo não está a correr bem”

Cancro infantil. “Até as crianças pequenas podem ter consciência de que algo não está a correr bem”

19.2.2020

Cancro infantil. “Até as crianças pequenas podem ter consciência de que algo não está a correr bem”

Há cerca de 400 novos casos de cancro infantil por ano em Portugal, o que representa mais ou menos um por cento de todos os cancros. A esperança é a de que termine tudo bem, como acontece atualmente em 80 por cento dos casos, uma evolução drástica em relação aos 10 a 20 por cento que se verificavam nos anos 1960. “Sobreviviam sobretudo os doentes que estavam na dependência quase exclusiva da cirurgia”, explica ao Expresso Filomena Pereira, diretora do serviço de pediatria do Instituto Português de Oncologia

Foi uma das histórias que animaram, no sábado passado, na Gulbenkian, a propósito de um tema que não associamos ao humor. Outras, sem fazerem rir, deram motivos de esperança, como a daquele casal que estava presente com os seus três filhos, incluindo uma menina que teve cancro aos nove anos e foi tratada com sucesso. Atualmente com doze anos, a rapariga tem cabelo longo e um ar saudável. A visão dela e dos seus dois irmãos mais novos era testemunho de que, embora um diagnóstico de cancro numa criança mude sempre drasticamente a vida da família, não se deve partir do princípio de que a mudança vai ser para sempre.

Quais são as formas de cancro mais frequentes nas crianças? “As leucemias estão à cabeça. A seguir vêm os tumores do sistema nervoso central. Os terceiros serão os linfomas, e depois entram os outros todos, com uma percentagem pequena e variável”, diz Filomena Pereira.

O que justifica uma evolução tão radical das taxas de sobrevivência em poucas décadas? Filomena Pereira sintetiza a história: “Há uma fase, aí pelo final dos anos 1970, anos 1980, em que entram fármacos novos. Depois, nos anos 80-90, começa a melhorar muito o suporte: o tratamento das infeções, a qualidade das transfusões, o tratamento da dor… Antigamente, as crianças não iam aos cuidados intensivos. Neste momento, eles são um parceiro imprescindível no tratamento de fases críticas destas crianças”.

Algumas associações de pais e amigos dão apoio nessa área – a Acreditar, a mais antiga nessa área, proporciona, entre outras coisas, habitações onde podem ficar famílias cujas crianças têm de se deslocar para fazer tratamentos – mas estão longe de chegar para as necessidades. E mesmo quando a família tem alojamento assegurado, o facto de ser obrigada a interromper o seu trabalho pode implicar consequências a nível de carreira, ou eventualmente a própria perda do emprego. Foi um dos aspetos discutidos no seminário da Gulbenkian.

Como lidam as crianças com o medo e a revolta? “Até as crianças pequenas podem ter consciência de que algo não está a correr bem. Se as coisas estiverem mal, garanto que aos três, quatro anos eles sabem perfeitamente”, diz. “Quanto à revolta, pode ser precoce. A criança deixa de poder ir à escola, de poder estar com os amigos, passa a estar muito mais constrangido. Aí já há níveis de revolta importantes. Mas acontece sobretudo na pré-adolescência e na adolescência”.



Consulte Mais informação: Expresso

Marco Paulo em lágrimas sobre o cancro: 'Fui operado no meu dia de anos'O cantor emocionou-se durante o 'Jornal da Uma', na TVI, ao falar sobre o tumor na mama que está a enfrentar. 'Custa-me pensar que estou a passar por um momento tão grave'.

Marco Paulo com cancro da mama: “Nunca me passou pela cabeça que pudesse acontecer aos homens”Em entrevista ao Jornal da Uma, da TVI, o cantor romântico falou da doença, deixou um alerta aos homens para estarem atentos e afiançou que pretende manter o concerto de Março, no Porto. Ainda vai ficar a pensar que foi dos cabelos compridos...) Força Marcão!

Marco Paulo enfrenta batalha contra cancro na mamaFora de Campo - Marco Paulo enfrenta batalha contra cancro na mama

Marco Paulo enfrenta batalha contra cancro na mamaMacho

Marco Paulo em nova luta contra o cancro

Maioria dos universitários portugueses que enviam “nudes” desconhecem riscosEstudo da Universidade do Porto indica que mais de metade das pessoas que enviaram nudes não tiveram a “percepção do risco que estavam a correr”.



Blaya assume novo namorado e revela intimidade: 'Fazemos sexo na casa de banho'

Hacker Rui Pinto sai da cadeia e fica à guarda da PJ

Há doentes sem coronavírus a morrer e a ser deixados 'para segundo plano', alerta Ordem dos Médicos

Rua de Moscavide enche-se de gente apesar de apelos ao isolamento. Veja as imagens

Trump ignorou alerta em novembro sobre 'evento cataclísmico' do coronavírus

Rui Pinto sai da prisão para ajudar a Polícia Judiciária

Rui Pinto sai da cadeia. Hacker fica em prisão domiciliária

Escrever Comentário

Thank you for your comment.
Please try again later.

Últimas Notícias

Notícia

19 fevereiro 2020, quarta-feira Notícia

Notícias anteriores

Passos reaparece e critica Costa sobre escolha da pasta dos fundos europeus

Próxima notícia

Qual o papel de Juan Branco na divulgação do vídeo sexual do candidato à Câmara de Paris?