Opinião, João Almeida Moreira, Jair Bolsonaro

Opinião, João Almeida Moreira

Brasil e Bolsonaristão

Brasil e Bolsonaristão

23/04/2020 09:01:00

Brasil e Bolsonaristão

Dada a sua pornográfica desigualdade, capaz de embrulhar os estômagos mais resistentes, a ideia de dividir o Brasil em muitos brasis ou, pelo menos, em dois brasis não é nova,

brasisou, pelo menos, em doisbrasisGilberto Freyre escreveu um clássico da antropologia em 1933 -"Casa Grande e Senzala"- em que, basicamente, separava, logo desde os primórdios da colonização, a realidade dos senhores, que viviam na"casa grande" e eram proprietários de tudo na cidade, das mulheres, dos filhos, dos parentes, das amantes, dos padres, dos políticos locais, e a realidade dos escravos, que moravam na"senzala" e não eram donos nem de si mesmos.

Comunidades Judaica e Católica do Porto unem-se para combater pobreza na pandemia Hackers divulgam dados pessoais de Bolsonaro, familiares e ministros Manifestantes repelidos com gás lacrimogéneo para Trump tirar fotos numa igreja

O conceito de inclusão, em vez do de exclusão, e a miscigenação racial entre europeus (portugueses), africanos e indígenas, é o que distingue, sublinha Freyre, a antropologia brasileira de outras antropologias colonizadoras de outros lugares do globo.

Essa relação patriarcal, entretanto, ainda se reflete na política de hoje, com tanto"coronel" eleito para Brasília com o voto do povo que subordina e domestica.Cerca de 40 anos depois de"Casa Grande e Senzala", o economista Edmar Bacha escreveu

"O Rei da Belíndia", a propósito de um país fictício, pequeno e rico como a Bélgica e imenso e pobre como a Índia, que, somado, resulta no Brasil.Pegandocaronaem Freyre e Bacha, hoje em dia um correspondente português em São Paulo sente-se, no fundo, como um correspondente em dois países - no Brasil e no Bolsonaristão.

O primeiro, com todos os seus equívocos, dramas, problemas, contradições, corrupções, sonhos tornados pesadelos e ideais não cumpridos, ainda é sinónimo, para a generalidade do mundo, de diversidade e de criatividade.

E de beleza, de leveza, de pureza. E de suave poder diplomático, também, numa tradução livre dosoft powercunhado pelo politólogo norte-americano Joseph Nye algures nos anos 80 do século passado.As notícias das últimas semanas do Brasil, infelizmente, não são boas. Morreu um dos exemplares mais límpidos desse país, o compositor e cantor Moraes Moreira, aos 72 anos.

Moraes nasceu no interior da Bahia, com tudo o que isso carrega de brasilidade, incluindo o sangue português denunciado pelo apelido (sobrenome) igual ao do autor deste texto, fundou a banda Novos Baianos, compôs sucessos como"Pombo Correio","Chão da Praça","Bloco do Prazer","Meninas do Brasil","Festa do Interior" e"Lá vem o Brasil Descendo a Ladeira", viveu em comunidade

Seferovic: «Não há outro objetivo: queremos ser campeões» Eric e Nancy. Um beijo para comemorar os 80 anos de casamento Cerimónia simbólica do 10 de Junho nos Jerónimos com apenas oito presenças

hippieem plena ditadura e morreu, já em democracia, provavelmente com um sorriso de missão cumprida no rosto.Entretanto, lá fora, não muito longe do apartamento na Gávea, sul do Rio de Janeiro, onde Moraes passou para a eternidade, dezenas de carros buzinavam com pequenos, médios e grandes empresários de máscaras de proteção na boca a exigir o fim da quarentena e o regresso ao trabalho dos seus empregados em ónibus e trens e carruagens de metro cheias e infetadas.

Eis o Bolsonaristão, primo distante na geografia mas não na filosofia, do Turquemenistão, a república da Ásia Central onde um líder autoritário também ignora o covid-19.No Bolsonaristão, os"bolsoniques", um cocktail explosivo de ignorância e de ódio, de défice de empatia e de superavit de preconceito, carregam nas mãos ou as costas, ironicamente, as bandeiras verdes e amarelas do país vizinho, que jamais entenderam e entenderão.

Assustados com a quebra nos dividendos, saem das suas casas grandes na Bélgica, sob o argumento de que estão preocupados com a crise económica do povo das senzalas da Índia, a pedir uma intervenção militar, ou seja, o regresso da ditadura, e a exigir um novo Ato Institucional Número Cinco, ou seja, a volta da censura e da tortura, dois dos

fétichesdo pobre coitado do seu líder.No Brasil que desce a ladeira, como cantava Moraes, cuidado que lá em baixo está um Bolsonaristão pronto a engoli-lo. Outra vez. Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Fora Bolsonaro 😠 assassino Coronelados, bem ao estilo cangaço comunista. Mais um Boçal a moda lusa 😅😂 Este gajo tem uma dor de corno ...sofre muito 😅 Amor platonico pelo Brazil ❤ portuga boce vai continuar sendo o que sempre foi ..isto é pobre e muito despeitado. Sem falar no teu Portugal que tranto te envergonha . Portugal e isso.

Este, está 'mais por dentro' do que se passa fora-de-portas... Rotulados por mim como 'Teóricos-da-Teoria-Teórica'. Este, pelo cheiro, será mais um que se coloca em biquinhos de pés, a gritar: 'Avençem-me, eu também sei ✍️ como vocês gostam!' E assim se fode um jornal!... Idiocracy na América do Sul É isso que defendes?

Vai uma redpill aí? Defendes isso? É isso que tu defendes? Notícias de um lugar governado por comunistas. Isso é jornalista de verdade, transcende a opinião do grupinho da redação. Isso é o seu bolsonaristão? Só que o pobre jornalista, correspondente em são Paulo do ditador João Doria não percebeu que somos 54 milhões no bolsonaristão, prontos para defender a democracia representada pelo nosso voto. Evoluímos, apesar da extrema imprensa e seus militantes de redação!

Imprensa e lixo

Brasil com mais de 2 mil casos novos e 166 óbitos

Brasil com 166 mortos e 2.498 casos confirmados nas últimas 24 horasMundo - Brasil com 166 mortos e 2.498 casos confirmados nas últimas 24 horas Prefeitura de Manaus faz valas comuns em cemitério para enterrar vítimas de coronavírus G1 Não acredito nesses números. Devem ser muitos mais. Este é uma grande Merda de Homem

Regresso do futebol no Brasil ″não pode passar de junho″, diz confederaçãoA CBF diz que não haverá futebol em maio, mas alerta que é preciso evitar as consequências de 'comprometer todo o calendário nacional'.

CBF diz que regresso do futebol no Brasil 'não pode passar de junho'Internacional - CBF diz que regresso do futebol no Brasil 'não pode passar de junho'

Brasil ultrapassa barreira dos 45 mil infetadosE quantos infetados tem a Rússia? E a Bélgica? E o Luxemburgo? E a Venezuela? Já se percebeu que países que não 'querem parar' são para abater jornalística mente...

O apagão mediático português no BrasilEm 2000, ao fazer o balanço das comemorações dos 500 anos da descoberta do Brasil, Eduardo Prado Coelho escrevia que Portugal, se quisesse assegurar uma presença relevante além Atlântico, teria de “actuar em termos muito intensos de indústria cultur Acho q um dos motivos para esse 'apagão' se deve ao fato de uma tentativa, estúpida dos últimos 20 anos, de mudar a história do Brasil e com isso a desvalorização dessa faceta multicultural. O problema é q não mais ensinam nas escolas a importância dos índios e dos portugueses. Um povo que vota em políticos daqueles e faz dos evangélicos a sua religião, não merece atenção, quanto mais investimento ... não vejo nada mais natural do que esse movimento, inclusive não ficaria surpreso se a Globo ou a Record (ou ambas) iniciassem operações de jornalismo e conteúdo local em Portugal