Bolsonaro já tem um juiz ″terrivelmente evangélico″ no Supremo

Bolsonaro já tem um juiz 'terrivelmente evangélico' no Supremo

Internacional, Jair Bolsonaro

04/12/2021 10:10:00

Bolsonaro já tem um juiz 'terrivelmente evangélico' no Supremo

O pastor André Mendonça foi aprovado pelo Senado, por margem apertada, como novo integrante da corte. Na audiência optou por 'discurso liberal e republicano', diz especialista. Foi o segundo nomeado, em 11, pelo atual presidente.

SubscreverSilas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, um dos pastores mais próximos do Palácio do Planalto e grande entusiasta da nomeação de Mendonça, também celebrou."Parabéns ao novo ministro do STF, André Mendonça. A Deus a glória!".

Cinco jogadores na lista de saídas do Benfica (Benfica)

A promessa de nomear um juiz do STF"terrivelmente evangélico" foi feita por Bolsonaro logo no início do mandato, como forma de agradar a um segmento da sociedade que o apoiou em massa na eleição de 2018. Por outro lado, como a maioria dos evangélicos brasileiros tem uma visão conservadora em matérias de comportamento, o presidente busca, com Mendonça, alinhar a corte ao pensamento dominante no seu governo, depois de sucessivos embates entre os poderes executivo e judicial.

Antes de chegar ao STF, Mendonça foi Advogado-Geral da União, cargo com o estatuto de ministro, de janeiro de 2019 a abril de 2020 e de março a agosto de 2021. Pelo meio, assumiu o ministério da Justiça e da Segurança Pública depois da demissão de Sergio Moro, hoje pré-candidato à presidência e opositor de Bolsonaro. headtopics.com

Num evento religioso em maio, Mendonça disse ver o Brasil como"celeiro do povo evangélico no mundo"."Meus irmãos e minhas irmãs, em dez anos nós já seremos maioria neste país, não é porque é um processo de dominação mas um processo de restauração, de conversão, para dar dignidade ao ser humano, para reconciliar o homem com o nosso Deus, temos de nos indignar com um povo que, por vezes, não anda aos pés do nosso senhor Jesus".

Neemias Queta marca 16 pontos em vitória dos Stockton Kings - SIC Notícias

Segundo dados oficiais, em 1980, 90% dos brasileiros se diziam católicos e apenas 6,6% evangélicos. Em 2010, a diferença era de 64,6% a 22,2%.Mendonça é o segundo juiz indicado por Bolsonaro, depois de Kássio Nunes Marques, nomeado em novembro de 2020, que vem votando alinhado aos interesses do governo. Caso seja reeleito, o presidente terá oportunidade de indicar mais dois membros, uma vez que Ricardo Lewandowski e Rosa Weber terão de sair em 2023 por atingirem o limite de idade de 75 anos.

Mendonça substitui Marco Aurélio Mello, que chegou aos 75 em julho.O novo integrante da mais alta corte brasileira, por não agradar a Davi Alcolumbre, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado a quem competia marcar a sua audiência, foi obrigado a esperar quase cinco meses até ser inquirido pelos senadores na quarta-feira, dia 1.

Após oito horas de explicações, acabou aprovado, mas por 47 votos a favor e 32 contra, a maior rejeição de entre todos os atuais juízes do STF.Até perto da hora da votação, ainda corriam rumores de que poderia ser rejeitado. headtopics.com

Mau tempo leva Governo da Madeira a montar operação de transporte aéreo de bens essenciais para o Porto Santo

Como nota Christina Vital, professora da Universidade Federal Fluminense e especialista na ascensão das igrejas protestantes na sociedade brasileira,"a aprovação dele não mostra a força dos evangélicos até porque foi a aprovação com menor apoio dos senadores de todos os atuais juízes do STF". Em 1957, curiosamente, o Senado aprovou por unanimidade a indicação para o STF de Antonio Vilas Boas, um diácono da Igreja Batista, nomeado pelo então presidente Juscelino Jubitschek.

Na audiência, Mendonça tentou fugir do tema da religião mas sem sucesso porque, afinal de contas, foi a sua fé evangélica o principal critério da escolha de Bolsonaro, conforme declarações do próprio presidente.

"Como tenho dito, na vida, a Bíblia, no Supremo, a Constituição", apaziguou o juiz.Mendonça elogiou a Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a covid-19 levada a cabo por alguns dos senadores que o ouviam e tentou agradar aos seus inquiridores ao declarar ser contra"a criminalização da política", tema muito em voga no Brasil, sobretudo depois da Operação Lava-Jato."Assim como outros missionários evangélicos, ele sente-se numa cruzada contra o mal da corrupção, por isso, ele tinha de afastar esse medo dos parlamentares"., diz Christina Vital.

Noutro ponto, satisfez a ala mais progressista ao considerar a homofobia crime equiparável ao racismo e prometeu separar a sua"conceção de fé" da atuação como juiz do STF em relação ao"casamento civil de pessoas do mesmo sexo"."Eu defenderei esse direito constitucional", afirmou. headtopics.com

"As respostas dele foram muito liberais, muito republicanos, reforçando a ideia da laicidade do estado, ou seja, ele não foi eleito por ser evangélico, esse foi, aliás, um dos elementos que mais gerou dúvidas nos senadores, pelo que acho equivocado e perigoso dizer-se que a aprovação de Mendonça representa uma vitória dos evangélicos", observa Christina Vital, coautora de

Religião e Política: medos sociais, extremismo religioso e as eleições de 2014, entre outras obras."Ele nunca foi"terrivelmente evangélico", essa expressão é do presidente, ele é um moderado, e se ele agiu de forma muito conservadora enquanto esteve no governo foi por estratégia, para ser o indicado pelo presidente, acredito que ele atue de forma autónoma do presidente agora

", acredita a pesquisadora.Outro ponto crítico da sua audiência foi quando disse que"o Brasil conquistou a democracia sem sangue derramado". Mais tarde, desculpou-se por não ter mencionado as mortes e os desaparecimentos no país durante a ditadura militar.

No final da votação, aliviado, acabou perante a imprensa por colocar ênfase na religião - a mesma ênfase que se esforçara por disfarçar na audiência."É um passo para o homem mas um salto para os evangélicos".

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

O debate entre António Costa e Inês de Sousa Real na íntegra - CNN Portugal

CNN Portugal. O novo canal de informação, com uma cultura multiplataforma, propõe-se a acompanhar, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo.

Único juiz que presta !

Supremo nega recurso de Mexia e Manso Neto sobre uso de emails no caso EDPA defesa dos antigos gestores da EDP tinha apresentado já um recurso no Tribunal da Relação de Lisboa para a impugnação do despacho do juiz de instrução Carlos Alexandre.

Covid-19: DGS já tem parecer de peritos em pediatria e saúde infantilEm comunicado, a DGS recorda que o processo de avaliação da vacinação contra a covid-19 das crianças dos 5 aos 11 anos 'está ainda a decorrer'

Bónus fiscal para patentes é dos mais generosos da UEPortugal já tem um dos regimes fiscais para patentes mais generosos da UE, mas o Governo queria ir ainda mais longe. Observatório Fiscal europeu aponta perda de receita, fiscalistas dizem que é fundamental para atrair empresas e inovação.

Moro deverá passar Bolsonaro nas intenções de voto até Fevereiro, dizem líderes de partidos à “Folha de S. Paulo”À medida que participa em acções públicas, o antigo juiz e ex-ministro de Bolsonaro, está a subir nas intenções de voto para as eleições presidenciais do próximo ano.

A culpa é nossaO Governo sabe que a sociedade civil tem um défice de escrutínio. E vai anunciando medidas novas, umas em cima das outras, porque sabe que raras vezes se faz o balanço do que foi prometido. A culpa? É nossa: não fazemos escrutínio do que se promete.

Absolutamente democrático | Jornal EconómicoA Dacia já tem no mercado um citadino 100% elétrico que arrisca ser um sucesso de vendas. Com uma autonomia da ordem dos 220 km e que pode superar esta distância se for usado exclusivamente em cidade, o Spring tem ainda a vantagem de ser reativo q.b em circuito citadino, ter o conforto necessário para as voltas e se for usado com inteligência precisa apenas de um carregamento semanal.