BE que programa eleitoral das legislativas criminalize a utilização de contas 'offshore'

Política - BE que programa eleitoral das legislativas criminalize a utilização de contas 'offshore'

Mariana Mortágua, Be

27/11/2021 20:23:00

Política - BE que programa eleitoral das legislativas criminalize a utilização de contas 'offshore'

Encontro do BE está a discutir e votar o programa eleitoral com o qual o partido se vai apresentar às eleições .

Mariana Mortágua no debate na generalidade sobre o OE2022FOTO: Miguel A. Lopes / LusaA deputada do BE Mariana Mortágua propôs este sábado que o programa eleitoral das legislativas preveja"a criminalização da utilização de 'offshore'", considerando que são estes mecanismos que"permitem todo o crime económico" ou que encobrem os seus resultados.

O encontro nacional do BE está este sábado a discutir e votar o programa eleitoral com o qual o partido se vai apresentar às eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro, tendo a deputada e dirigente Mariana Mortágua apresentado uma proposta, elaborada em conjunto com Izaura Solipa, para combater a utilização de 'offshore', ou seja, de paraísos fiscais.

Consulte Mais informação: Correio da Manhã »

Programa eleitoral do Bloco mantém prioridades essenciais de 2019Bloquistas vão discutir e votar este sábado o programa eleitoral com que o partido irá concorrer às eleições antecipadas para 30 de Janeiro. É a vossa vez gente fraca. Nem as moscas mudam

Legislativas: Programa eleitoral do BE mantém prioridades essenciais de 2019As prioridades serão assim mudar a “vida, produção, consumo, mobilidade, de forma a travar as alterações climáticas”, alterar à legislação laboral para conseguir salários e a pensões dignas, assim como investir “em serviços públicos fortes” como a saúde, educação, justiça e os cuidados.

Durão Barroso. Houve ″descuido″ e respostas ″atabalhoadas″ na resposta da política à pandemiaNuma conferência no Porto, o ex-primeiro-ministro elogiou o papel da ciência na resposta à pandemia e alertou para o 'perigo que há na utilização de doenças infecciosas como armas'. Outro troca tintas, que andava de pau na mão, por Lisboa com os seus camaradas do mrpp, após s revolução, e chegou a tantos tachos à cinta de quem? 🤢🤮🤢🤮🤮🤢 Como? Outro especialista pago pela indústria farmacêutica. Continuas gordo, Vasco pulido valente numa crónica dizias q só com ias bolas de Berlim, parece q continuas, não queres comer comigo metade do meu paposseco, da minha pensão de 300,ate ficava +saudavel

Covid-19: Câmara de Bragança cancela grande parte das atividades previstas para dezembroEm causa estão os programas de Natal, da Bienal da Máscara e do Fim de Ano.

Investigação a Deco e a Jorge Mendes nasceu de alerta bancárioMilhões transferidos entre contas dos suspeitos da Operação Fora de Jogo levantaram suspeitas do Fisco, que abriu processos. Tondela alvo de buscas. Jorge Mendes?! Não me acredito!

Programa eleitoral do Bloco mantém prioridades essenciais de 2019A dirigente do BE, Mariana Mortágua, assumiu que os pressupostos do programa do partido têm a ver com a situação mais complexa por que passa Portugal.

Lusa Mariana Mortágua no debate na generalidade sobre o OE2022 FOTO: Miguel A. Lopes / Lusa A deputada do BE Mariana Mortágua propôs este sábado que o programa eleitoral das legislativas preveja"a criminalização da utilização de 'offshore'", considerando que são estes mecanismos que"permitem todo o crime económico" ou que encobrem os seus resultados. O encontro nacional do BE está este sábado a discutir e votar o programa eleitoral com o qual o partido se vai apresentar às eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro, tendo a deputada e dirigente Mariana Mortágua apresentado uma proposta, elaborada em conjunto com Izaura Solipa, para combater a utilização de 'offshore', ou seja, de paraísos fiscais. "A proposta que queremos ver incluída no programa é criminalizar a utilização de 'offshore'. Tolerância zero aos 'offshore', ao crime fiscal e à corrupção", precisou. Na perspetiva de Mariana Mortágua, com esta medida é possível contribuir"para a justiça económica", que será aquilo que"permitirá a Portugal ter um desenvolvimento sustentável e ter recursos para investir no que conta", ou seja,"no país, nas pessoas e em quem trabalha". Nos casos do BPN, BCP, BES, Operação Monte Branco, submarinos ou, mais recentemente no caso de João Rendeiro, de acordo com a bloquista,"há coisas em comum entre eles", designadamente"fraude fiscal, a lavagem de dinheiro, a corrupção, entre as negociatas sem nome". "São 'offshore' de diferentes formas, diferentes feitios, diferentes tipos", referiu. De acordo com Mariana Mortágua, a proposta do BE"é simples e tão radical quanto proibir a utilização de 'offshore'". "Se não há uma razão para alguém ter uma conta no Panamá, nas Ilhas Caimão, Ilhas Virgens Britânicas, então essa conta devia ser proibida porque nós sabemos que a sua utilização servirá para fraude fiscal, para abuso fiscal, para branqueamento de capitais", justificou. O encontro nacional do BE para debate do programa eleitoral 2022 será encerrado pela coordenadora bloquista, Catarina Martins. De acordo com informação de fonte oficial do partido à Lusa, inscreveram-se para participar neste encontro mais de 400 aderentes e foram enviadas seis dezenas de contributos pelos bloquistas para incluir na proposta de programa eleitoral, alvo também de votação. O documento programático e os seus contributos serão votados na generalidade e, para domingo, está marcada uma Mesa Nacional, órgão máximo do partido entre convenções, que fará a"discussão e votação do documento final de programa eleitoral", bem como a aprovação das listas de deputados às eleições legislativas antecipadas.