BE ''não vai aceitar austeridade'' pós-pandemia

BE “não vai aceitar austeridade“ pós-pandemia

10/04/2020 10:58:00

BE “não vai aceitar austeridade“ pós-pandemia

Catarina Martins garantiu que 'não faltará maioria' para ajudar Portugal a sair de uma crise.

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que"não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido,"não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de uma crise.

Twitter passa a assinalar informação falsa publicada por Trump Fernando Mendes: 'Não quero aproximação nenhuma com o Benfica' Grupo de 20 pessoas assalta loja em Cascais. Um polícia ficou ferido

Em entrevista ao semanário Expresso, publicada na edição desde fim de semana, Catarina Martins apontou que é necessário"compreender se o Governo quer um próximo orçamento que responda pelo Serviço Nacional de Saúde e pelo emprego, com capacidade de investimento, proteção de salários e pensões, contraciclo para contrariar a recessão, ou quer voltar à velha austeridade do bloco central".

De acordo com a líder partidária,"o BE não aceitou austeridade em 2011 e não vai aceitar em 2021".Para Catarina Martins, esta"é uma discussão que tem a ver com estratégia, e essa é a grande escolha que o Governo vai ter de fazer".

"Achamos que há outra resposta possível, que demora o seu tempo, mas é mais forte. Estamos disponíveis para esse caminho e aceitamos inteiramente a nossa responsabilidade", garantiu a líder bloquista, assinalando que têm existido"muitas reuniões" em"várias áreas".

Quanto à negociação,"tem todas as condições para decorrer da melhor forma" se a estratégia for definida"claramente", indicou."A única forma de ultrapassarmos a recessão é não termos políticas de austeridade e o Estado aparecer com políticas contracíclicas para garantir emprego, salário, investimento. Se o Estado se comportar como o resto da economia, que se retrai, então cai tudo, ficamos sem nada", advogou, considerando que"está é uma aprendizagem da crise de 2008 e é a opção fundamental" que terá de ser tomada.

Apontando que o líder do PSD, Rui Rio,"se veio dizer disponível para um bloco central para impor medidas de austeridade, porque é para isso que o bloco central serve", Catarina Martins defendeu que"a resposta a uma crise nunca é o Estado juntar crise à crise".

"Acho que seria um erro tremendo. Pela parte do BE, não faltará maioria para que o Estado seja um agente para sairmos da crise e não para nos empurrar mais", salientou, recusando voltar"à lógica da 'troika'".

Morreu o ex-jogador do Sporting Mauricio Hanuch. Tinha 43 anos Regresso a Sefarad Benfica punido com multa de 30 mil euros por pedir árbitros estrangeiros

O futuro, defendeu,"vai exigir muito investimento público e uma estratégia que não passe por o turismo ter este peso no PIB" (Produto Interno Bruto), e uma"reabertura dos setores da economia por fases"."As medidas de contenção só podem ser avaliadas quando o número de casos deixar de crescer e for relativamente pequeno. Com os dados que há, se as pessoas mantiverem as medidas de contenção, pode não demorar muito tempo, o meu medo é que, ao verem os números a abrandar, comecem a abrandar as medidas de contenção", afirmou a bloquista.

Sobre o congelamento dos aumentos dos salários dos funcionários públicos, previstos no Orçamento do Estado para este ano, Catarina Martins afirmou ter"muita dificuldade em compreender como é que alguém pode defender isso", apontando que"é um insulto a quem não para de trabalhar".

Questionada sobre se acredita que o PS se irá opor à austeridade na Europa, a líder do Bloco de Esquerda respondeu:"Veremos. Também tenho um enorme respeito por quem está a lidar com uma crise que ainda está muito aguda. O Governo com certeza sabe o que quer fazer. Se este é o momento de começar a negociar essa estratégia, talvez ainda não, mas não pode demorar muito mais".

Catarina Martins criticou também o ministro das Finanças, e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno."Devo dizer que o facto de Centeno apoiar o Governo alemão é lamentável e não me descansa", assinalou, referindo que, aliado ao facto de o primeiro-ministro, António Costa, estar alinhado com países que pedem"soluções de investimento sociais", é uma situação que"fragiliza o país".

A líder do BE censurou ainda o PSD por não ter apresentado propostas relacionadas com o estado de emergência decretado devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, e ter rejeitado aquelas apresentadas por outros partidos, considerando"inaceitável" e que os sociais-democratas estão a"demitir-se da sua função".

Segundo o último balanço da Direção-Geral da Saúde, registaram-se em Portugal 409 mortes devido à covid-19 e há 13.956 casos de infeções confirmadas.Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado no dia 02 de abril na Assembleia da República.

FC Porto tenta contratação do avançado colombiano Santos Borré Morreu Mauricio Hanuch, campeão pelo Sporting em 1999-00 Deputado do PSD bate com a porta e acusa Rio de falta de diálogo Consulte Mais informação: SIC Notícias »

Estes ratos de esgoto, quem se julgam? Perante a queda sem precedentes na economia mundial que se avizinha, vai tudo continuar a gastar o que não tem? Vai fumar umas ganzas, ó mana... Desde quando é que os anões já são videntes? Cresce e aparece! Futurismo de merda! Tenham lá juízo! BE não tem capacidade para saber o que se vai passar pós pandemia!...

Calem-se e façam desoposição!!! É hora de união!!! São sempre os mesmos a criticar/destruir!!! Se milhares de Portugueses já foram atirados para desemprego, a alguns não têm faltado trabalho... Ó Costa ....Ouviste..... Brincalhões .....

Preparar a economia para o p\u00f3s-pandemia

Federação Internacional de Ténis corta nos saláriosA Federação Internacional de Ténis (ITF) vai colocar cerca de metade dos funcionários de licença e baixar os salários de dirigentes, para minimizar os efeitos financeiros da pandemia de covid-19.

Tiktok anuncia um donativo de 250 milhões de dólaresDonativo vai servir para apoiar profissionais de saúde, professores e outros profissionais afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Pandemia limita trabalho das Casas do Benfica, mas solidariedade não abrandaBenfica - Pandemia limita trabalho das Casas do Benfica, mas solidariedade não abranda

Premier League e La Liga estimam perdas superiores a mil milhõesAs projeções são para um cenário em que a presente temporada no principal campeonato inglês e espanhol não terminem devido à pandemia da covid-19. Óptima oportunidade para acabar com o futebol e reconverter este dinheiro em competições de natureza científica para que finalmente tenhamos a hipótese de ter ídolos dignos deste nome. Isso de idolatrar tipos que correm atrás de uma bola já foi tempo.

Brescia mostra 'respeito para com a triste realidade' e não quer voltar a jogarItália - Brescia mostra 'respeito para com a triste realidade' e não quer voltar a jogar