Baixa popularidade de Biden deixa em perigo controlo democrata no Congresso

Morning Consult, Capitólio

20/01/2022 12:15:00

Baixa popularidade de Biden deixa em perigo controlo democrata no Congresso

cancelarKevin Dietsch via REUTERSUm ano depois da posse como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden tem a segunda taxa de aprovação mais baixa da história do país e o partido republicano terá vantagem nas eleições intercalares que decidirão o controlo do Congresso.

VER MAISEm causa, a 08 de novembro, estará o controlo da Câmara dos Representantes, que tem 435 assentos a votos, e o domínio do Senado, onde haverá 34 lugares em disputa. Atualmente, os democratas dispõem de uma maioria de apenas 9 lugares na Câmara dos Representantes e o Senado está dividido 50-50, sendo que a vice-presidente Kamala Harris serve como desempate em favor do seu partido. 

Consulte Mais informação: RTPNotícias »

Barcelona: Umtiti é baixa para os próximos três mesesInternacional francês foi operado a uma fratura no quinto metatarso do pé direito

Ainda uma baixa na preparação para o SC Braga (Sporting)A BOLA, toda a informação desportiva. Acompanhe todas as notícias do seu clube ou modalidade preferida, para onde quer que vá.

Biden: Primeiro ano na Casa Branca em 26 frases marcantesSeleção de frases proferidas por Joe Biden durante o seu primeiro ano na presidência dos Estados Unidos da América (EUA), cargo que assumiu em 20 de janeiro de 2021 após eleições realizadas em 3 de novembro de 2020.

Primeiro ano da Presidência de Biden em 26 frases marcantes - SIC NotíciasJoe Biden tomou posse como 46.º Presidente dos EUA a 20 de janeiro de 2021. 26 frases ditadas no teleponto, não consegue fazer conferências de imprensa, não responde a jornalistas, perdeu o apoio incondicional que teve da CS, + gafes, as sondagens caem a pique e o descontentamento está em mínimo históricos! Ainda bem q temos o Germano de Almeida na SiC! A SIC conseguiu arranjar 26 frases marcantes de BIDEN ? É OBRA !!! VOLTA TRUMP !!! ESTÁS PERDOADO !!!

Joe Biden anuncia que se recandidata à presidência dos EUA em 2024Atual presidente dos EUA garante que vai candidatar-se novamente com Kamala Harris como vice. Qualquer dia temos cadáveres a candidatarem se também.

Biden anuncia que se recandidata em 2024 novamente com Kamala Harris para a vice-presidênciaPresidente dos Estados Unidos prometeu ainda que vai 'sair com mais frequência' da Casa Branca para se encontrar e falar com os norte-americanos. CUIDADO! ENCENAÇÃO FALSIFICADA! Esta fotografia está fora do contexto. A fotografia é antiga!

por Lusa cancelar Kevin Dietsch via REUTERS Um ano depois da posse como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden tem a segunda taxa de aprovação mais baixa da história do país e o partido republicano terá vantagem nas eleições intercalares que decidirão o controlo do Congresso. VER MAIS Em causa, a 08 de novembro, estará o controlo da Câmara dos Representantes, que tem 435 assentos a votos, e o domínio do Senado, onde haverá 34 lugares em disputa.  Atualmente, os democratas dispõem de uma maioria de apenas 9 lugares na Câmara dos Representantes e o Senado está dividido 50-50, sendo que a vice-presidente Kamala Harris serve como desempate em favor do seu partido.  O consenso entre os analistas é que será difícil para os democratas manterem a maioria na Câmara dos Representantes e no Senado, embora haja maior imprevisibilidade na câmara alta.  Há vários fatores que contribuem para uma análise favorável às hipóteses que os republicanos têm de voltar a controlar uma -- ou mesmo as duas -- câmaras do Congresso.  Um deles é a impopularidade de Joe Biden, que em média tem 42,4% de aprovação e 52,2% de desaprovação, segundo as contas da plataforma agregadora FiveThirtyEight. Algumas sondagens são ainda mais negativas, como a mais recente da Quinnipiac University, que dá ao presidente uma aprovação de apenas 33%. Só Donald Trump era ainda mais impopular ao final do seu primeiro ano de mandato (média de 39%).  Já em novembro de 2021, os democratas foram surpreendidos por derrotas em eleições locais e estaduais, com destaque para o desaire na corrida ao governo da Virginia. Os analistas políticos atribuíram o fraco desempenho, em parte, à fadiga com as restrições ligadas à covid-19 e à inflação galopante.  Todavia, uma análise FiveThirtyEight mostra que, em 2021, as eleições especiais para a Câmara dos Representantes -- que acontecem sempre que há uma vaga inesperada -- não indicaram mudanças que façam antecipar uma grande `onda vermelha` (republicana) em novembro.  No Senado, a CNN projeta que pelo menos oito estados tenham eleições competitivas, com margens apertadas e possibilidade de vitória para ambos os lados. A vantagem dos republicanos é que não precisam de conquistar muitos lugares para virarem o controlo das duas câmaras. Além disso, o redesenho dos distritos beneficia o partido conservador, o que significa que não será necessária uma grande onda para que voltem a controlar o Congresso.  Se tal acontecer, os republicanos poderão colocar um travão imediato nas prioridades e na agenda legislativa de Joe Biden, assumindo também o controlo dos comités e podendo suspender de imediato as investigações em curso, tal como a que investiga o assalto ao Capitólio a 6 de janeiro de 2021, se esta ainda estiver a decorrer nessa altura.  Aliada ao facto de o partido no poder tradicionalmente perder as eleições intercalares, mesmo que o presidente seja mais popular do que Biden é neste momento, a baixa taxa de aprovação indicia um mau resultado para os democratas.  Isso ainda não é possível ver de forma clara nas sondagens, uma vez que os dados que têm sido publicados são genéricos e oscilam entre os dois partidos. Por exemplo, a sondagem da Quinnipiac dá 44% aos republicanos e 43% aos democratas, mas a da Morning Consult atribui 44% das intenções de voto aos democratas e 41% aos republicanos.  Ainda assim, os republicanos têm uma vantagem média de 0,6 pontos percentuais, com 42,4% dos eleitores a dizerem que pretendem votar em candidatos republicanos nas intercalares contra 41,8% de intenções de voto nos democratas.  Muitas vezes estas eleições são vistas como um referendo ao presidente, algo que os democratas não querem que aconteça, dada a baixa popularidade de Joe Biden. As sondagens não se referem a candidatos específicos, mas o histórico indica que as intenções de voto no partido do presidente tendem a deteriorar-se à medida que as intercalares se aproximam. Tópicos