As autárquicas que mudaram o país político

As autárquicas que mudaram o país político (por Marina Costa Lobo)

17/10/2021 10:51:00

As autárquicas que mudaram o país político (por Marina Costa Lobo)

Mais do que uma escolha positiva da direita, o resultado de Lisboa sinalizou um desencanto com o Partido Socialista. Moedas mostrou um caminho que parecia muito difícil há poucos dias

Investigadora do ICSNa semana anterior às autárquicas de 26 de setembro passado, tudo parecia encaminhado para uma noite tranquila para o Partido Socialista. Entrava como maior partido autárquico, ia manter Almada, talvez ganhar Coimbra, Viseu ou Évora. E, além disso, Fernando Medina venceria, confortavelmente, as eleições em Lisboa. Quem estava preocupado era Rui Rio, que já tinha avisado que se o resultado fosse poucochinho não se recandidatava a líder do PSD em janeiro. Assim que fecharam as urnas e foram publicados os primeiros números das sondagens à boca das urnas começou-se a antever uma noite longa. Cerca da uma da manhã, Medina reconheceu a derrota, numa plateia onde estava António Costa, que lhe foi dar um abraço para exprimir o seu apoio. Rui Rio, ao contrário, foi-se deitar mais descansado — o PSD não só conseguiu inverter significativamente o declínio que já vinha de 2009, aumentando em 16 o número de Câmaras lideradas pelo partido, como se tornou o partido com mais capitais de distrito. Ganhou Coimbra e Portalegre, manteve Viseu, recuperou o Funchal e, sobretudo, Carlos Moedas ganhou em Lisboa, uma Câmara que o PS controlava desde 2009.

Jornalistas espanhóis relatam agressões em plena transmissão durante FC Porto e Atlético Bola de fogo observada no céu no sul de Portugal a 100 mil km/h Rio afasta das listas de deputados todos os apoiantes de Rangel. Veja os candidatos

Apesar de se manter como maior partido autárquico, o Partido Socialista perdeu um quarto de milhão de votos em Portugal, comparando com as autárquicas de 2017. Este resultado não pode ter senão uma leitura nacional, até pela forma como o primeiro-ministro se envolveu, um pouco por todo o país, na campanha. Por todas estas razões, as autárquicas mudaram o país político.

Consulte Mais informação: Expresso »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

Entrevista a Tyler Brûlé: “Nos últimos anos Lisboa tornou-se mais refinada”O fundador e diretor da “Monocle”, fiel defensor de jornais e revistas em papel, quer abrir em 2022 um escritório em Lisboa. A sua intenção é escrever mais sobre Portugal e África, mas também apostar na reedição de produtos portugueses e trabalhar com fabricantes nacionais Monocle24 MonocleMag

Portugueses consumiram mais doces durante a pandemia, mas também fizeram mais exercício

Lisboa e Vale do Tejo com mais casos de covid-19, mas sem mortes nas últimas 24 horas

Rangel anuncia candidatura e diz que PSD não pode “ser mais o partido da espera” (com áudio)O eurodeputado Paulo Rangel anunciou hoje a sua candidatura à liderança do PSD perante o Conselho Nacional, dizendo que o partido tem de deixar de ser “da espera” e passar a ser “da esperança”. Esse é que é o problema, até tu tens estado a espera. O teu timing é um bocadinho antes do Rui Rio. Nós povo é que não podemos esperar mais, muito menos por líderes demasiado calculista.

O piloto mais velho a participar na Taça do Mundo de TT'Gostava de ser como o Paul Newman que correu até aos 80 e poucos anos'

Alimentação para um envelhecimento mais saudávelComo proporcionar um envelhecimento mais saudável para todos, ou, por outras palavras, como é que, depois de termos conseguido “dar mais anos à vida”, podemos agora dar “mais vida aos anos”?