Ciência, Arqueologia, Arte Rupestre, Gravuras Rupestres, História, Colômbia

Ciência, Arqueologia

Arqueólogos descobrem pinturas rupestres em terrenos inóspitos da Amazónia

Arqueologia: Arqueólogos descobrem pinturas rupestres em terrenos inóspitos da Amazónia

30/11/2020 01:56:00

Arqueologia : Arqueólogos descobrem pinturas rupestres em terrenos inóspitos da Amazónia

Gravuras têm uma idade estimada de 12.500 anos e foram encontradas pela equipa de investigadores numa área da floresta Amazónia que é território das FARC. Há representações de humanos, figuras geométricas e de animais pré-históricos já extintos.

“Quando estamos lá, as emoções fluem... Estamos a falar de várias dezenas de milhares de pinturas. Vai demorar várias gerações para registar todas... Há uma nova parede de pinturas a cada curva que fazemos”, contou ao

Marta Temido: ''Há um limite e nós estamos muito próximo dele'' ″Estamos muito próximos do limite″, avisa ministra da Saúde Temido apela ao confinamento: ″Assim não há sistema que aguente″

The Guardian o líder da investigação, José Iriarte.Para lá chegar, a equipa teve de caminhar durante quatro horas por trilhos florestais depois de uma viagem de duas horas desde San José del Guaviare, uma cidade a 275 quilómetros de Bogotá.

A excursão incluía membros da equipa de investigação e uma equipa de filmagens para um documentário, o motivo para a descoberta ter sido anunciada agora: as pinturas foram descobertas ainda em 2019, mas têm sido mantidas em segredo por terem sido filmadas para a série documental headtopics.com

Jungle Mystery: Lost Kingdoms of the Amazon, com estreia marcada para Dezembro.Os investigadores estimaram a idade das pinturas a partir das representações rupestres de animais da Idade do Gelo, como omastodonte

ou o palaeolama.“Começamos a ver imagens de animais já extintos. As imagens são tão naturais e tão bem feitas que tivemos poucas dúvidas sobre se estaríamos a olhar para um cavalo, por exemplo. Os cavalos pré-históricos tinham faces pesadas, selvagens. É tão detalhado que se pode notar a crina dos cavalos. É fascinante”, explica José Iriarte.

A viagem até à região remota envolveu vários perigos associados à vida selvagem da floresta, mas também aos ambiente geo-político sensível do território, que foi palco, durante várias décadas, de confrontos entre as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) o governo colombiano, que vivem agora um

. A entrada em território nunca explorado até agora veio mostrar que ainda há muito para explorar na floresta.O melhor do Público no email Consulte Mais informação: Público »