António Costa terá de segurar mais de 45 mil milhões de euros da UE

António Costa terá de segurar mais de 45 mil milhões de euros da UE

29/05/2020 23:56:00

António Costa terá de segurar mais de 45 mil milhões de euros da UE

Entre o dinheiro do próximo orçamento comunitário e o do Fundo de Recuperação, Portugal poderá receber da União Europeia mais de 45,5 mil milhões de euros a fundo perdido. Isto se as propostas da Comissão Europeia passarem na negociação dos 27

O novo Fundo de Recuperação veio aumentar, e muito, as verbas que Portugal poderá receber, sobretudo nos próximos quatro anos, enquanto durar este fundo que prevê para o país 15,5 mil milhões de euros a fundo perdido. O montante soma-se ao habitual envelope previsto no Quadro Financeiro Plurianual (QFP). Alguns valores estão ainda por revelar, mas, ao que o Expresso apurou, podem estar em cima da mesa entre 29 e 30 mil milhões de euros para 2021 a 2027.

Embaixador norte-americano diz que Portugal tem de escolher entre EUA e China Trincão: «Messi dá-me indicações durante os jogos» Polícia faz sexo oral a colega no carro-patrulha enquanto estão ao serviço

Tudo somado, pode chegar aos 45,5 mil milhões de euros, que o primeiro-ministro terá de, pelo menos, segurar durante a negociação com os restantes líderes europeus.Olhando só para o Orçamento Comunitário, a nova proposta da presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, mantém os

pacotespara a coesão e a agricultura em valores abaixo daqueles que Portugal recebeu no atual QFP. Para a Coesão deverão ser 20,7 mil milhões de euros (corte de 2,1 mil milhões), para o Pagamento Direto aos Agricultores deverão ser 4,9 mil milhões (corte de 400 milhões) e para o Desenvolvimento Rural devem seguir 3,2 mil milhões (corte de 900 milhões). A estes valores juntam-se ainda 116 milhões do novo Fundo para a Transição Justa (transição energética) e ainda as verbas para as Pescas e o Posei.

Só que as contas já não podem ser vistas apenas desta forma. O novo Fundo de Recuperação vem reforçar em 1,6 mil milhões as verbas para a Coesão, um valor que é, para já, uma estimativa e que será revisto depois do Verão, quando saírem as novas previsões económicas. Há também mais 650 milhões para o Desenvolvimento Rural e 349 milhões para o Fundo para a Transição Justa.

E mesmo que estes montantes não venham a cobrir inteiramente os cortes setoriais, Elisa Ferreira defende que, na prática, os cortes deixam de existir tendo em conta toda"a dinâmica que está associada" à restante fatia - a maior - de 12,9 mil milhões de euros a fundo perdido de um novo Mecanismo de Recuperação e Resiliência, que servirá para financiar reformas e investimento público, seguindo as recomendações de Bruxelas. É nesta ferramenta que estão ainda quase 11 mil milhões de euros em empréstimos.

Contudo, o que está agora em cima da mesa são propostas. Os números finais dependem de uma decisão unânime a 27. Os líderes europeus têm cimeira marcada para debater o tema a 19 de junho. A chanceler alemã, Angela Merkel, já admitiu que pode ser necessária mais do que uma reunião. E está ainda por decidir se o encontro será ou não presencial, em Bruxelas.

Consulte Mais informação: Expresso »

Se não imporem regras de utilização rigorosas deste dinheiro, vai ir tudo para o NB e outros amigos...

Bruxelas quer instrumento público-privado de apoio às empresas em vigor no VerãoOrçado em 31 mil milhões de euros, este novo mecanismo público-privado poderá alavancar 300 mil milhões de euros de apoio à solvência de empresas consideradas como rentáveis

Costa. Lay-off deve deixar de ser fator de perda de rendimentoAntónio Costa defende que medida permitiu segurar 800 mil postos de trabalho, mas há que evitar que seja 'incentivo negativo'

Portugal terá perto de mil milhões de euros para a transição justaComissão prevê reforço do envelope do Fundo de Transição Justa para 40 milhões de euros, com recurso às verbas do novo instrumento de recuperação “Próxima Geração UE”.

Comissária Elisa Ferreira diz que prioridade é relançar a economiaMecanismo de apoio de 560 mil milhões de euros.

Banco central chinês injeta mais de 37 mil milhões de euros na economiaO Banco Popular da China garantiu esta sexta-feira que esta injeção visa compensar o impacto de vários fatores, como a emissão de títulos do governo ou a liquidação final dos impostos das empresas

Bares e discotecas continuam sem previsão para reabertura. Situação de calamidade foi prolongada por mais 15 diasNo final de um Conselho de Ministros de quase oito horas, António Costa confirmou o prolongamento da situação de calamidade.