António Costa afirma que tenciona formar um novo Governo mais curto e ágil

António Costa afirma que tenciona formar um novo Governo mais curto e ágil

04/12/2021 15:24:00

António Costa afirma que tenciona formar um novo Governo mais curto e ágil

A entrega do MAI à actual ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, é uma “solução de transição até às eleições” legislativas de 30 de Janeiro, explicou o primeiro-ministro.

FotoAntónio Costa falou sobre o futuro Governo este sábado à margem do Congresso da Associação Nacional de Autarcas do PSLUSA/ANTÓNIO PEDRO SANTOSO primeiro-ministro afirmou este sábado que, se vencer as eleições legislativas, tenciona formar um Governo mais curto e ágil e disse que a substituição de Eduardo Cabrita por Francisca Van Dunem na Administração Interna é solução transitória.

Portugal eleita melhor seleção de futsal do mundo em 2021 - SIC Notícias

António Costa assumiu estas posições em declarações aos jornalistas, no Parque das Nações, em Lisboa, antes de encerrar o Congresso da Associação Nacional de Autarcas do PS. Maso PÚBLICO já tinha noticiado

que o núcleo-duro da direcção socialista tencionava formar um governo “mais curto e mais compacto” se o PS ganhar as eleições legislativas antecipadas.“Em primeiro lugar, é preciso respeitar os portugueses. Trata-se para já de dar a voz aos portugueses e os portugueses escolherão a solução governativa que desejam e, desde logo, o primeiro-ministro que desejam”, afirmou este sábado António Costa. E confirmou que se o seu partido vencer as eleições legislativas, “haverá uma equipa renovada, mais curta, ágil e com um novo modelo de Governo”. “A seu tempo será dito e apresentado”, disse. headtopics.com

Nesse próximo executivo,o PÚBLICO explicava que o líder do PStencionava aproveitar a solução que tinha previsto para a remodelação governamental que está a preparar para ser feita após a aprovação da proposta de Orçamento do Estado para 2022. Como o diploma chumbou, a remodelação foi suspensa.

'Era o que faltava'. Costa recusa pedir desculpas a David Neeleman

Este sábado, o secretário-geral do PS confirmou precisamente esta noticia do PÚBLICO ao afirmar que tencionava formar um Governo “renovado”, se a proposta de Orçamento do Estado para 2022 não tivesse chumbado na Assembleia da República, o que motivou uma crise política e a convocação de eleições legislativas antecipadas para 30 de Janeiro,

“Um novo modelo [de Governo] mais adequado aos tempos desafiantes que temos pela frente e com competências mais transversais, sendo mais compacto. Era o que tinha pensado fazer imediatamente a seguir ao Orçamento. Obviamente, neste momento, não faz sentido fazer isso a dois meses de eleições”, justificou.

Interrogado sobre os motivos que o levaram a optar por colocar a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, a acumular a pasta da Administração Interna, depois da demissão de Eduardo Cabrita, na sexta-feira, António Costa alegou que se trata de uma “solução de transição até às eleições” legislativas de 30 de Janeiro. headtopics.com

Ómicron com prevalência de 93% e detetada outra linhagem

“Quero agradecer a Francisca Van Dunem a disponibilidade para acumular as funções. É uma mulher com larga experiência na Administração Interna. Durante toda a sua vida, na qualidade de magistrada, teve uma relação muito próxima com as forças de segurança. Ao nível europeu, partilha o Conselho de Justiça e Assuntos Internos com o ministro da Administração Interna”, apontou.

Por isso, segundo o primeiro-ministro, “com facilidade [Francisca Van Dunem], vai assumir a pasta da Administração Interna por um período de quase dois meses até às eleições. Depois disso, teremos um novo modelo de Governo, mais curto, mais ágil e adequado aos tempos que estamos a viver”, sustentou.

Confrontado com o facto de a ministra da Justiça já ter declarado que não tenciona continuar no Governo, o líder do executivo alegou que o futuro político do país está dependente dos resultados das eleições em 30 de Janeiro.

Interrogado sobre as razões invocadas por Eduardo Cabrita para se demitir das funções de ministro da Administração Interna, António Costa alegou que “essa questão ficou respondida” na sexta-feira. Eduardo Cabrita “disse-me que, tendo chegado a uma fase do processo judicial onde havia um primeiro indício claro de dedução da acusação era a altura de poder sair”, argumentou. headtopics.com

Na sexta-feira, ao fim da tarde, Eduardo Cabrita pediu a demissão do cargo de ministro de Administração Interna, depois de o Ministério Público ter acusado o seu motorista de homicídio por negligência pelo atropelamento mortal de um trabalhador da autoestrada A6, em Junho deste ano.

Consulte Mais informação: Público »

Decisão 22: o confronto entre António Costa e André Ventura na íntegra - CNN Portugal

CNN Portugal. O novo canal de informação, com uma cultura multiplataforma, propõe-se a acompanhar, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo.

Reduzir o parque automóvel e motoristas, acabar com banquetes por tudo e por nada, despesas de representação, etc., etc. Reduzir a despesa pública!!! Contas! Contas não? Diga Dr. Costa: vamos reduzir 45% a despesa (e despesismo) pública; propor redução de deputados, reduzir ministros e secretários de Estado, acabar com consultadorias nos escritórios dos amigos advogados e obrigar os juristas públicos a trabalhar.

Um governo com anões magros? Se afirma é no pq é mentira

Iniciativa Liberal pergunta se António Costa se considera 'um mero passageiro do seu Governo'Liberais reagiram às declarações de Eduardo Cabrita, que disse 'sou só um passageiro' após o motorista da viatura oficial que o transportava, em excesso de velocidade, ser acusado de homicídio por negligência devido ao atropelamento mortal de um funcionário que tratava da manutenção da autoestrada A como ? Esta imbecilidade tinha de vir dos Liberais. À pendura…

António Costa admite pedir créditos europeus para além da 'bazuca'O primeiro-ministro admite que Portugal pode recorrer a empréstimos da União Europeia para financiar projetos de inovação das empresas - empréstimos que estão a ser considerados para além do dinheiro da chamada bazuca europeia que chega a fundo perdido. Bora la endividar isto o máximo possível antes de sermos expulsos pelo povo antoniocostapm. Para deixarmos uma batata quente aos seguintes Sempre pedintes, de mão estendida, para pagar mordomias, acima das nossas possibilidades.! A crédito! Tá bonito!

António Costa agradece a Cabrita e garante um substituto em breveO primeiro-ministro reagiu prontamente ao pedido de demissão de Eduardo Cabrita, agradecendo os seis anos de serviço enquanto ministro adjunto e da Administração Interna.

'É um ciclo que termina'. António Costa aceita pedido de demissão de Eduardo Cabrita6 milhões de tugas aceitam, adeus mééu amigo

Chega considera demissão de Cabrita tardia e por imposição de CostaO presidente do Chega considerou, esta sexta-feira, que a demissão de Eduardo Cabrita do cargo de ministro da Administração Interna 'peca por tardia' e que só aconteceu por 'imposição' do líder do executivo, António Costa.

Demissão de Cabrita: ''Acho estranho que Costa tenha demorado tanto tempo para tomar a decisão''Bernardo Ferrão comenta a demissão do ex-ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, na Edição da Tarde da SIC Notícias.