Afinal qual era o problema dos CTT?

29/09/2020 02:12:00

Afinal qual era o problema dos CTT?

29 Setembro 2020, 00:09É tempo de repensar, não o contrato de concessão, que é descaradamente incumprido, mas a própria propriedade dos CTT, empresa que está a ser descapitalizada.Desde a privatização dos CTT, levada a cabo pelo governo PSD/CDS em 2013, que a degradação do serviço prestado aos cidadãos se tem intensificado. Hoje, como resultado desse erro, os cidadãos pagam mais e a oferta do serviço é menor, enquanto os trabalhadores viram as suas condições de trabalho sofrer um substancial retrocesso.

Elogios de Klopp a Diogo Jota multiplicam-se: «Exatamente a qualidade que precisávamos» Tribunal Arbitral suspende jogo de interdição do Estádio da Luz Manifestações na Polónia pelo terceiro dia consecutivo contra acórdão sobre o aborto

A isto acresce ainda o facto de o Banco CTT ter sido implementado sobre a estrutura de Estações de Correio, funcionando nas instalações e com os trabalhadores dos correios, o que aumenta as filas de espera. Para a administração dos CTT, o serviço postal passou para segundo ou terceiro plano, em benefício do banco.

Estamos, assim, perante mais uma privatização lucrativa para poucos e ruinosa para muitos, quando, na verdade, os CTT não representavam qualquer problema para o país. Enquanto empresa pública contribuíam com muito emprego e importantes receitas para os cofres do Estado, ao mesmo tempo que prestavam um serviço público inestimável e fundamental para as populações, para o desenvolvimento do país e para a coesão territorial.

Não se estranha, por isso, que, durante todo este processo, tenhamos assistido a uma incansável luta por parte das populações, dos trabalhadores e de autarcas de diferentes forças políticas para que a concessão dos CTT fosse resgatada de forma a reverter a degradação do serviço.

Aproxima-se o fim da concessão, cresce o descontentamento popular e a resposta da administração dos CTT passou por uma operação de propaganda, travando o encerramento de estações, reabrindo algumas até, e anunciando a contratação de mais de 800 trabalhadores desde Abril de 2020. No entanto, as contas do primeiro semestre revelam que há menos 500 trabalhadores desde Junho do ano passado.

Tem vindo também a agregar vários Centros de Distribuição, o que faz com que centenas de trabalhadores tenham de se deslocar para dezenas de quilómetros de distância das suas residências por conta própria e a distribuição do correia seja ainda mais tardia.

O que se está a passar nos CTT não é próprio de um Estado de Direito e os accionistas continuam a apoderar-se, sob a forma de dividendos, de todos os lucros gerados pela empresa e até a distribuir dividendos superiores aos lucros, descapitalizando os CTT.

Manifestações contra uso obrigatório de máscara Bagão Félix diz ser 'insólita' a antecipação das eleições no Benfica: «Uma coisa que nunca vi» FPF lembrou frase de Rui Costa e Cristiano Ronaldo respondeu: «O Rui é que percebe de futebol»

É tempo de repensar, não o contrato de concessão, que é descaradamente incumprido, mas a própria propriedade dos CTT. Não é necessário grande esforço para se perceber que o serviço postal, a continuar nas mãos de privados e seguindo este rumo, tem o seu futuro comprometido, podendo ser destruído de forma irreversível. Impõe-se, por isso, que o Governo defenda este serviço estratégico e as necessidades dos cidadãos e do país, o que só é possível quando os CTT voltarem a integrar a esfera do Estado.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Investigação do ″New York Times″ revela anos de evasão fiscal de TrumpO jornal norte-americano 'The New York Times' publicou este domingo um trabalho de investigação no qual revela que o presidente dos EUA fugiu ao fisco durante anos.

″O maior escritor do nosso tempo″Em Junho de 2018, a Sociedade de Geografia de Lisboa acolheu a terceira conferência da John Dos Passos Society, à qual o Diário de Notícias prestou particular atenção. Um dos painéis foi dedicado à presença deste autor nos planos de estudo das instituições universitárias por esse mundo fora, nos Estados Unidos em particular. Durante a troca de experiências radicadas em contextos muito distintos, foi identificado o exemplo português, no qual, após uma já remota presença em cursos de licenciatura, a obra de Dos Passos foi mais recentemente objecto de investigação em vários projectos de doutoramento.

“Para Donald, tudo o que era bom era ainda melhor em excesso”Nesta passagem de Demasiado e Nunca Suficiente (Porto Editora, disponível a partir de 1 de Outubro), a sobrinha de Donald Trump esmiúça os investimentos ruinosos do tio na construção de três casinos em Atlantic City e denuncia a passividade dos medi

Qual é a importância da vacinação?Projetos Expresso. O resumo do debate “Imunes: da vacinação aos cuidados de saúde”, que junta o Expresso e a MSD

Qual o principal objetivo da transformação digital na gestão da sua empresa?Conheça a resposta a esta e outras peguntas a que mais de 500 gestores responderam na sondagem nacional do Expresso, “Novos Desafios Digitais, a Gestão das PME”, feita em parceria com a PHC, num estudo realizado pela GFK. Ao longo das próximas semanas, saiba como está o processo de transição digital das empresas portuguesas com uma série de mini infografias no online e com a análise nas páginas do Expresso

CDS-PP considera inaceitável aumento do salário mínimo sem concertação social'É indispensável haver um acordo dos empregadores', segundo Francisco Rodrigues dos Santos. Inaceitável! Inadmissível! Uma afronta! Aí pobre PP... Assim vão mesmo desaparecer.