Atropelamento Eduardo Cabrita Advogado Nuno Santos

Atropelamento Eduardo Cabrita Advogado Nuno Santos

Advogado da família de homem que morreu atropelado quer acusar Cabrita

18/09/2021 12:02:00

Três meses depois da morte de Nuno Santos, a 18 de junho, após ser atropelado por um carro que transportava o ministro da Administração Interna, a família ainda não conseguiu que fosse feita justiça, tendo como meio de subsistência uma pensão provisória da seguradora da empresa em que a vítima mortal trabalhava.

Jovem jogadora de voleibol decaptida pelos talibãs no Afeganistão Centenas de pessoas manifestam-se no Porto contra aborto e eutanásia Ilha de La Palma regista sismo de 4,9 e novo colapso do cone do vulcão

«Houve uma tentativa para alijar responsabilidades, até porque o primeiro comunicado oficial do Ministério (MAI) foi uma tentativa de culpabilizar o Nuno», começa por explicar José Joaquim Barros, advogado da família do chefe da equipa que realizava os trabalhos de manutenção e limpeza a cargo da empresa Arquijardim, em declarações ao Nascer do SOL. Sabe-se que o funcionário estava a iniciar o atravessamento da estrada depois de ter ido buscar sinalização ao separador central quando foi atropelado mortalmente ao km 77,6 da A6.

«O inquérito pode demorar muito tempo. Seis meses depois do segredo de justiça ser declarado, deve ser levantado. Mas há uma regra que prevê que possa ser prorrogado por três meses», diz o advogado, adiantando que «há um acórdão do Supremo Tribunal de Justiça que indica que esses três meses não constituem uma regra fixa, mas sim só indicativa», explicando que tal se trata do uniformizador de jurisprudência, que corresponde aos antigos assentos. headtopics.com

«Estou permanentemente em contacto com a família do Nuno e aguardo o dia em que estarão reunidas as condições necessárias para pedir o levantamento do segredo de justiça», clarifica o profissional, admitindo que não se surpreende com a forma como o MAI reagiu perante o sucedido por ter acompanhado outras intervenções que o deixaram igualmente insatisfeito. «Ainda há uns dias, viu-se como Eduardo Cabrita reagiu aos festejos do Sporting. E não há nenhum deputado que lhe diga que ele validou a organização do evento. É de facto espantoso. Aquele homem sobrevive a tudo».

  Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Tem todo o meu apoio o sr.Advogado 👍 O sr. Cabrita deve pensar que o mundo gira à volta do seu umbigo 👎 O PROBLEMA É QUEM JULGA...

Morreu Maria Leonor Machado de Sousa, ex-diretora da Biblioteca NacionalMaria Leonor Machado de Sousa, a primeira mulher a presidir à Biblioteca Nacional de Portugal, foi reconhecida com o grau honorário de Membro da Ordem do Império Britânico em janeiro deste ano. Tinha 88 anos.

Testamento do príncipe Filipe ficará em segredo durante 90 anosDecisão judicial para proteger a dignidade da rainha e da família real

PRR prevê 578 milhões para a modernização dos serviços públicosAnúncio feito pelo primeiro-ministro, que afirmou que quer Estado mais forte com menos burocracia.

“Schumacher”, a lenda viva que não queria ser uma estrelaO documentário da Netflix sobre o heptacampeão do mundo de Fórmula 1 que buscava “100% de perfeição” é mais que isso. É um filme (perdoem-nos os spoilers) no qual o protagonista é um homem tímido, descontraído apenas quando estava distante dos holofotes, que não gostava de falar das suas qualidades para não parecer arrogante e que também não expunha os seus defeitos. “Encontrá-los é uma função vossa”, afirmava o alemão, nascido numa família pobre, que conquistou as primeiras corridas com karts equipados com o lixo que os adversários não queriam

Dois homens detidos por clonagem de cartões multibancoPSP detetou movimentações estranhas de um homem que se deslocava a multibancos no centro de Lisboa, usando cartões bancários de cores garridas, levantando avultadas quantias monetárias.

Condenados a prisão perpétua proibidos de ter novos relacionamentos amorososO governo dinamarquês quer travar o aparecimento de 'groupies' de criminosos com este projeto de lei, que surge depois de uma jovem se ter apaixonado por um assassino a cumprir pena