Adse Medicação Cancro Ordem Dos Médicos

Adse Medicação Cancro Ordem Dos Médicos

ADSE. Ordem quer saber como serão avaliados pedidos de medicamentos oncológicos

12.9.2019

Ordem dos Médicos A Ordem dos Médicos quer saber como vão ser avaliados os pedidos autorização prévia que a partir de dia 16 passam a ser obrigatórios na ADSE para a comparticipação de medicamentos oncológicos que ainda não sejam financiados pelo SNS e não sejam abrangidos por programas de acesso precoce. Miguel Guimarães indicou ao i que vai ser solicitada essa informação ao instituto. O bastonário defende que a ADSE “não está preparada” para fazer esta avaliação e que é preciso esclarecer atempadamente como será feita a análise. “Neste momento ninguém sabe. Sabemos que a ADSE tem tido uma falta de recursos enorme até para controlar atos médicos e registos”, afirma Miguel Guimarães, defendendo que, além de saber quem serão os peritos responsáveis, é necessário clarificar qual será o prazo de resposta, estando em causa “janelas de oportunidade” de tratamento. Caso a ADSE opte por recorrer ao Infarmed, o bastonário admite que pode haver outro efeito: maior demora na avaliação dos pedidos de utilização excecional feitos no SNS. Questionado ontem pelo i, o conselho diretivo da ADSE não esclareceu como será feita a avaliação. Como o i noticiou na edição de quarta-feira, as novas regras para acesso a medicamentos inovadores foram comunicadas aos hospitais a 23 de agosto. A ADSE esclareceu ontem que as mudanças resultam da publicação do decreto-lei n.º124/2018, de dezembro do ano passado, passando a prever que a ADSE comparticipa medicamentos que já sejam financiados pelo SNS e que em situações excecionais “possa ser conferida uma autorização especial de financiamento pela ADSE, em casos imperiosos para a saúde do doente, designadamente quando o mesmo corra risco imediato de vida ou de sofrer complicações graves. Esta exceção apenas deve ser utilizada quando não existem alternativas terapêuticas com decisão de financiamento pelo SNS para a população alvo e indicação terapêutica.” Foi esse novo mecanismo de autorização que foi agora operacionalizado para medicamentos oncológicos. Ao i, a ADSE disse que já existe para outras áreas e que “desenvolveu uma plataforma informática para os prestadores poderem solicitar as autorizações, a qual foi disponibilizada no dia 2 de setembro, o que permitiu desmaterializar o processo”. Para esta quinta-feira estava já marcada uma reunião do Conselho Geral e de Supervisão do subsistema de saúde, que irá discutir agora estas alterações. João Proença, presidente deste órgão, disse que está em causa tornar o acesso à medicação mais criterioso com um mecanismo idêntico ao de outros sistemas de saúde e companhias se seguro. Para a Ordem, coloca-se a questão de poderem ser limitadas propostas de tratamento fundamentadas pelos médicos, o que tem vindo a ser denunciado nos últimos dias relativamente a pedidos feitos ao Infarmed para a utilização excecional no SNS de medicamentos que ainda estão em avaliação farmaco-económica, o processo que leva à decisão de comparticipação dos medicamentos. “Quem prescreve um medicamento destes não é o médico a ou b, mas um grupo de especialistas que inclui oncologistas, radioterapeuta, anatomopatologista. Os médicos organizaram-se em grupos oncológicos e estão ali para cumprir a leges artis, as guide lines internacionais, tratando-se de medicamentos que estão aprovados ou pela agência de medicamentos americana ou europeia.” Esta terça-feira a ministra da Saúde rejeitou dificuldades no acesso a medicamentos inovadores por motivos financeiros, considerando que o que pode estar em causa são “divergências entre análises técnicas e clínicas”, que poderão exigir mais discussão e formulação. Miguel Guimarães diz que a Ordem já se tinha disponibilizado para apoiar o Infarmed e mantém essa disponibilidade, mas considera que está em causa uma “situação grave” de protelamento do acesso a medicação que coloca em risco a saúde de doentes. A partir desta semana, adiantou ainda ao bastonário, ficará constituído o Gabinete de Apoio ao Acesso a Inovação Terapêutica e Tecnológica, que passará a acompanhar casos de recusa de medicação denunciados à Ordem. Na segunda-feira, a ordem anunciou que este gabinete irá trabalhar com médicos, colégios, sociedades científicas e associações de doentes para “reclamar, caso a caso, o acesso aos tratamentos que estão devidamente validados cientificamente pela comunidade científica e pela Agência Europeia do Medicamento.” Consulte Mais informação: Jornal SOL

ADSE limita financiamento de novos medicamentos oncológicosMinistra da Saúde rejeita a ideia de que há dificuldades no acesso a medicamentos inovadores por razões financeiras, como defende a Ordem dos Médicos, e remete para os peritos um entendimento sobre esta matéria.

ADSE vai limitar o financiamento a novos medicamentos para o cancro

ADSE com novas regras para acesso a medicação inovadora na área do cancro

ADSE tem novas regras para medicamentos oncológicos e inovadoresFora de Campo - ADSE tem novas regras para medicamentos oncológicos e inovadores

ADSE vai limitar financiamento de novos medicamentos para o cancroExceções contemplam casos considerados de imperiosos para a saúde do doente.

ADSE debate limites de financiamento de novos fármacos para cancro em reuniãoMedicamentos inovadores não financiados pelo SNS em fase de avaliação no Infarmed passam a depender de autorização prévia da ADSE. Novo fármaco? Já não há é quase medicamento algum,para doença alguma,pelo sim pelo não eu comprei medicação (tensão alta),e caros amigos, levei os últimos que a farmácia tinha. Estou safo pelo menos durante sete meses.



Escócia aprova plano para dar tampões e pensos grátis a todas as mulheres. Será o primeiro país a fazê-lo

Insultos racistas a Abdu Conté motivam processo ao FC Porto

Proibir comissões vai levar a fecho de balcões e despedimentos, avisam bancos

'É impossível fechar as fronteiras e não é solução': Marcelo Rebelo de Sousa sobre o avanço do coronavírus na Europa

RTP negoceia contratos milionários com empresa de governante

Futebol feminino chega à Arábia Saudita: Mais um truque do regime intolerante?

Maradona: «O Messi não conseguia fazer em Nápoles aquilo que eu fiz»

Escrever Comentário

Thank you for your comment.
Please try again later.

Últimas Notícias

Notícia

12 setembro 2019, quinta-feira Notícia

Notícias anteriores

Debate sobre 'coma' da direita portuguesa junta Santana Lopes e Manuel Monteiro

Próxima notícia

Setor bancário em Portugal passa de perdas a lucros de 1300 milhões de euros em 2018
Covid-19. Recomendação de isolamento foi um “lapso” de Marta Temido Um filme para causar pesadelos a Fernando Medina e aos lisboetas Crianças morrem ao frio no noroeste da Síria após ofensivas do regime de Bashar Al-Assad Covid-19. Direção-Geral da Saúde confirma 25 casos suspeitos em Portugal, oito nas últimas 24 horas Há mais um caso suspeito de coronavírus em Portugal Insólito: Adepto invadiu relvado e Cristiano Ronaldo desatou a correr atrás dele Arrancada fantástica de Gabigol terminou no segundo golo do Flamengo DGS confirma oito novos casos suspeitos de coronavírus nas últimas 24 horas em Portugal Colorado prestes a tornar-se no 22.º estado dos EUA a abolir pena de morte Oito casos suspeitos de coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas Vários mortos em tiroteio numa cervejeira na cidade norte-americana de Milwaukee Colorado prestes a tornar-se no 22.º estado dos EUA a abolir pena de morte
Escócia aprova plano para dar tampões e pensos grátis a todas as mulheres. Será o primeiro país a fazê-lo Insultos racistas a Abdu Conté motivam processo ao FC Porto Proibir comissões vai levar a fecho de balcões e despedimentos, avisam bancos 'É impossível fechar as fronteiras e não é solução': Marcelo Rebelo de Sousa sobre o avanço do coronavírus na Europa RTP negoceia contratos milionários com empresa de governante Futebol feminino chega à Arábia Saudita: Mais um truque do regime intolerante? Maradona: «O Messi não conseguia fazer em Nápoles aquilo que eu fiz» BE propõe subsídio de alimentação mínimo para todos os trabalhadores Novas imagens mostram o que aconteceu antes da PSP atuar e disparar para o ar durante Carnaval em Lisboa BES: Salgado “perplexo” com condenação por violação de prevenção de branqueamento Motards afrontam polícias e cercam carro patrulha durante funeral de vítimas da Segunda Circular Oficial: Novo Banco vai pedir €1.037 milhões ao Fundo de Resolução