Adesão à greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa ronda os 60 a 70%, diz sindicato

03/12/2021 12:35:00

Trabalhadores reivindicam uma atualização salarial e melhores condições de trabalho

Adesão à greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa ronda os 60 a 70%, diz sindicato

Trabalhadores reivindicam uma atualização salarial e melhores condições de trabalho

A adesão ao segundo e último dia de greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (RL) rondava os 60 a 70%, às 07h30, disse à Lusa fonte sindical."À semelhança do primeiro dia de greve, na quinta-feira, [para reivindicar uma atualização salarial e melhores condições de trabalho], a adesão ronda os 60 a 70%", disse à Lusa o presidente do Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (SITRL), João Casimiro.

Consulte Mais informação: Expresso »

Nova greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa. Adesão ronda os 60 a 70%, diz sindicatoTrabalhadores reivindicam uma atualização salarial e melhores condições de trabalho.

Greves na rodoviárias com adesão de 100% em algumas empresas do norte e centroOs trabalhadores das empresas privadas de transporte rodoviário cumprem esta quinta-feira mais uma greve de 24 horas.

Greves na rodoviárias com adesão de 100% em algumas empresas do norte e centroA greve desta quinta-feira de trabalhadores das transportadoras rodoviárias privadas está a ter uma 'forte adesão', sendo de 100% em algumas empresas do centro e norte do país, disse à Lusa fonte sindical. Estas greves dos transportes públicos podem ser muito justas, mas quem sofre com elas são os trabalhadores e a população mais necessitada, a que não pode apanhar táxi ou uber. Arranjo uns libios e uns sírios para os lugares destes grevistas,,, deixem nos secar

Nova greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa. Adesão ronda os 60 a 70%, diz sindicatoTrabalhadores reivindicam uma atualização salarial e melhores condições de trabalho.

Trabalhadores das rodoviárias privadas cumprem hoje nova greve de 24 horasOs trabalhadores das empresas privadas de transporte rodoviário cumprem esta quinta-feira mais uma greve de 24 horas, contra as propostas de atualização salariais que lhes foram apresentadas.

Greves na rodoviárias com adesão de 100% em algumas empresas do norte e centroOs trabalhadores das empresas privadas de transporte rodoviário cumprem esta quinta-feira mais uma greve de 24 horas.

Lusa A adesão ao segundo e último dia de greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (RL) rondava os 60 a 70%, às 07h30, disse à Lusa fonte sindical.e receba as informações em primeira mão.A greve desta quinta-feira de trabalhadores das transportadoras rodoviárias privadas está a ter uma"forte adesão", sendo de 100% em algumas empresas do centro e norte do país, disse à Lusa fonte sindical.Transdev de atualização salarial em 2022 de 10,5 euros por mês e 10 euros por mês, respetivamente.

"À semelhança do primeiro dia de greve, na quinta-feira, [para reivindicar uma atualização salarial e melhores condições de trabalho], a adesão ronda os 60 a 70%", disse à Lusa o presidente do Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (SITRL), João Casimiro. O sindicalista adiantou que a administração da empresa continua a não ceder e, por isso, os trabalhadores vão reunir-se posteriormente para definir novas formas de luta. Esta é a quarta paralisação, em cerca de dois meses, convocada pelo Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (SITRL) e pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS). Os trabalhadores da RL marcaram esta greve de 48 horas para reivindicar melhorias salariais, queixando-se da falta de resposta da administração, segundo João Casimiro. "Na Rodoviária de Lisboa a adesão é mais elevada, mas noutras transportadoras efetivamente é mais baixa, apesar de ainda não conseguir avançar com números", disse. Esta é a quarta paralisação, em cerca de dois meses, convocada pelo Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (SITRL) e pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS). Os trabalhadores aproveitaram a greve para fazer plenários e decidiram fazer duas concentrações em dezembro, em Lisboa e Coimbra, se as empresas não avançarem com uma nova proposta salarial. Na quinta-feira, os trabalhadores das transportadoras rodoviárias privadas de passageiros, incluindo a RL, cumpriram um dia de greve para contestar a proposta de aumentos salariais da Associação Nacional de Transportes de Passageiros (ANTROP) para 2022. A.

Os trabalhadores aproveitaram a greve para fazer plenários e decidiram fazer duas concentrações em dezembro, em Lisboa e Coimbra, se as empresas não avançarem com uma nova proposta salarial. O presidente do SITRL explicou à Lusa que os cerca de 600 motoristas da RL pretendem que haja um aumento do salário para os 730 euros ainda durante este ano e para os 750 em janeiro. O quarto dia de greve das rodoviárias privadas Este é o quarto dia de greve de trabalhadores das rodoviárias privadas, que cumpriram paralisações nos dias 20 de setembro, 1 de outubro e 22 de novembro. De acordo com a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), a greve teve uma adesão entre os 60% e os 100%. O presidente do SITRL explicou à Lusa que os cerca de 600 motoristas da RL pretendem que haja um aumento do salário para os 730 euros ainda durante este ano e para os 750 em janeiro. É uma vergonha que 90% dos motoristas ganhe o ordenado mínimo", criticou. "Em janeiro vão subir o ordenado mínimo para os 705 euros e lá terão de nos aumentar em cinco euros, para ficarmos equiparados. Os trabalhadores da Rodoviária de Lisboa cumprem uma greve de 48 horas (esta quinta-feira e sexta-feira) para reivindicar melhorias salariais, queixando-se da falta de resposta da administração. É uma vergonha que 90% dos motoristas ganhe o ordenado mínimo", criticou. A Rodoviária de Lisboa, empresa de transporte rodoviário de passageiros, opera nos concelhos de Lisboa, Loures, Odivelas e Vila Franca de Xira, todos no distrito de Lisboa, servindo cerca de 400 mil habitantes.

Atualmente, o ordenado médio de um trabalhador da RL, é de cerca de 700 euros (brutos), enquanto o ordenado mínimo nacional é de 665 euros. A Rodoviária de Lisboa, empresa de transporte rodoviário de passageiros, opera nos concelhos de Lisboa, Loures, Odivelas e Vila Franca de Xira, todos no distrito de Lisboa, servindo cerca de 400 mil habitantes. Por outro lado, exigem uma atualização do subsídio de refeição"nos mesmos termos percentuais" do aumento do salário do motorista e a redução do intervalo de descanso para o máximo de duas horas. .