A relação entre a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e os sujeitos passivos de IVA não residentes: É complicada | Jornal Económico & EY

A relação entre a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e os sujeitos passivos de IVA não residentes: É complicada

17/06/2021 02:04:00

A relação entre a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e os sujeitos passivos de IVA não residentes: É complicada

O Ofício-Circulado n.º 30235/2021, de 27 de abril (OC n.º 30235), destaca-se por ter os sujeitos passivos de IVA não residentes como seu tema principal. Contudo, e contrariamente ao que era esperado, permanecem muitas mais questões do que respostas após a divulgação destas instruções por parte da AT.

Uma das conclusões essenciais do OC n.º 30073 era de que, não obstante a inexistência de sede, estabelecimento estável ou domicílio, os sujeitos passivos não residentes estavam sujeitos ao cumprimento das obrigações do Código do IVA (CIVA), designadamente as de liquidação e pagamento do imposto devido pelas operações realizadas no território nacional, ficando esvaziada de conteúdo a norma de incidência subjetiva contida na alínea g) do n.º 1 do artigo 2.º do CIVA (que coloca a obrigação de liquidação e entrega do imposto ao Estado na esfera do sujeito passivo residente, quando este adquira bens ou serviços a um sujeito passivo não residente).

Bolsonaro ameaça agir fora dos “limites da Constituição” em resposta à investigação do Supremo Tribunal Sem-abrigo vão passar a ter Cartão de Cidadão Lionel Messi vai deixar o Barcelona

Com base nestas instruções, os sujeitos passivos não residentes liquidavam imposto - emitindo faturas dentro dos trâmites legais e através dos seus Números de Identificação Fiscal (NIF) - nas suas operações internas, ainda que os adquirentes fossem sujeitos passivos de IVA estabelecidos em território nacional.

Como seria de esperar, a revogação tácita - e também discreta, em nota de rodapé - do OC n.º 30073 pelo OC n.º 30213 gerou logo uma grande incerteza entre os sujeitos passivos não residentes, tendo em conta que seria necessário aguardar por novas instruções para se saber qual o enquadramento a aplicar, na opinião da AT, às operações realizadas em território nacional. headtopics.com

Quase 19 meses depois, a AT divulgou o muito esperado OC n.º 30235, que visava esclarecer o conjunto de direitos e obrigações, em sede de IVA, que impendem sobre os sujeitos passivos não residentes no território nacional e que aqui realizem transmissões de bens e prestações de serviços.

Infelizmente, permanece praticamente toda a incerteza criada com o OC n.º 30213. Resumidamente, no OC n.º 30235 a AT limita-se a afirmar que os sujeitos passivos não residentes que apenas efetuem operações abrangidas pelas regras de inversão previstas nas alíneas e), g) e h) do n.º 1 do artigo 2.º do CIVA, não deverão possuir um registo para efeitos de IVA no território nacional, sendo este apenas necessário para a realização de operações tributáveis pelas quais sejam considerados devedores do imposto.

Uma vez que o OC n.º 30235 apenas refere os sujeitos passivos não residentes que praticam exclusivamente operações abrangidas pelas regras de inversão previstas no n.º 1 do artigo 2.º do CIVA e não dá qualquer indicação relativamente ao tipo de operações que cria a obrigação de registo, a maioria dos sujeitos passivos não residentes acaba por ficar sem saber qual o enquadramento a aplicar às suas operações em sede de IVA.

Das diversas questões que ficam por responder, pode-se dar apenas os seguintes exemplos: Qual o enquadramento que deve ser aplicado às transmissões internas sujeitas à alínea g) do n.º 1 do artigo 2.º do CIVA quando o sujeito passivo não residente pratica outras operações (transmissões intracomunitárias de bens, por exemplo) em território nacional, para as quais é necessário um registo? Estas operações devem constar de uma fatura emitida pelo seu NIF português? Em caso afirmativo, de que forma é que estas operações devem ser reportadas na declaração periódica de IVA? headtopics.com

Vacinação dos 12 aos 15. Marcelo espera ver exemplo da Madeira replicado no continente Valentino Rossi despede-se do MotoGP após 26 anos Marcelo promulga cartão de cidadão para sem-abrigo

Afirmar que o OC n.º 30235 peca por escasso é um eufemismo. Urge clarificar esta temática o quanto antes para que os sujeitos passivos não residentes possam obter o mínimo de segurança e de certeza no exercício dos seus negócios no nosso país.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Transações seguras | Jornal Económico & EYUm dos temas inevitáveis na compra e venda de sociedades é o das contingências fiscais que podem existir na empresa alvo da transação. Com efeito, estando ainda os períodos em aberto para inspeção por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira e não sendo possível solicitar Pedidos de Informação Vinculativa para todos os assuntos onde possam existir diferentes interpretações da lei fiscal, até pela rapidez com que se pretende fechar este tipo de transações, vendedor e investidor têm que procurar uma solução que permita gerir esses temas.

Israel lança ataque aéreo em Gaza em resposta a balões incendiáriosÉ a primeira atitude ofensiva entre os dois territórios desde o fim de uma ronda de 11 dias de combates transfronteiriços no mês passado. Claro, israel ataca sempre 'em resposta'. E os balões, foi em resposta a quê? Vocês não têm vergonha?

Medinas de servilismoÉ esta cultura de servilismo, de mais vale comunicar a todos para não levar na cabeça, que está na base do que aconteceu com os manifestantes russos.

Covid-19. Obrigação de usar máscara no exterior em Espanha termina 'em breve'A utilização de máscara no exterior em Espanha é obrigatória para os maiores de seis anos

Os amigos de Milão: Quando Eriksen pediu a Lukaku para ficar a dormir no sofáEuro 2020 - Os amigos de Milão: Quando Eriksen pediu a Lukaku para ficar a dormir no sofá

Absolvido homem que chamou arrogante e mau profissional a agente da PSP de BarcelosRelação considera que as palavras 'não têm suficiente dignidade penal para o efeito de integrar o tipo legal de crime de injúria'.