A justiça desportiva e os seus critérios - Renascença

A justiça desportiva e os seus critérios

20/01/2022 09:10:00

A justiça desportiva e os seus critérios

Quando as claques extravasam para além daquilo que seria normal, as tesourarias dos clubes que apoiam é que sofrem as consequências.

Por estes dias o Conselho de Disciplina derramou sobre alguns clubes e jogadores um rol de castigos a punir gestos e palavras que foram registados nos relatórios de árbitros e observadores após alguns jogos que ficaram esmaltados por incidentes vários, na linha daquilo que se pode considerar (infelizmente) normal no futebol português.

Quando acima escrevíamos sobre critérios não estávamos a olhar para a actuação de alguns dos nossos árbitros, mas sim, naturalmente, a pensar em decisões diferentes para casos muito semelhantes. E esse será, sem dúvida, o primeiro pecadilho do Conselho de Disciplina. Dá que pensar, e dá também lugar a reclamações de quantos se sentem mais lesados.

Consulte Mais informação: Renascença »

Quando as taxas de juro sobemIndependentemente dos resultados que emergirem das eleições legislativas de final de janeiro, uma coisa é certa. A época da navegação fácil terminou, e Portugal terá mesmo que preparar caminho para crescer.

E foi assim que a luz foi abaixo quando se falava sobre o elevado preço da energia no debate dos partidos sem assento parlamentar - CNN PortugalCNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo.

18 de Janeiro de 1964. Pum! Pum! Quando Franco e o almirante foram dar uns tirinhos...

Mulheres e raparigas afegãs privadas dos seus direitos pelos talibãs - RenascençaA maioria perdeu sua principal fonte de rendimento depois de os talibãs restringirem o acesso das mulheres ao trabalho.

Covid-19: Provedora de Justiça volta a alertar para discriminação nos apoios sociais - Renascença'A insistência surge depois de não ter sido acolhido o teor da primeira chamada de atenção', refere Maria Lúcia Amaral.

Há um “bloqueio económico no acesso à Justiça” - RenascençaA coordenadora-executiva do Observatório Permanente da Justiça diz que o setor não foi prioridade para o Governo socialista. Numa análise à lupa dos programas eleitorais dos partidos políticos com assento parlamentar, Conceição Gomes aponta falta de pensamento estratégico e abundantes ideias avulsas. Defende ainda alterações na formação dos juízes.

Para além de poderem e deverem ser debatidos os critérios utilizados pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, muitas vezes dissonantes e, por isso, objecto de discussão e de controvérsia há, dentro da mesma questão, aspectos que merecem uma mais profunda reflexão. Por estes dias o Conselho de Disciplina derramou sobre alguns clubes e jogadores um rol de castigos a punir gestos e palavras que foram registados nos relatórios de árbitros e observadores após alguns jogos que ficaram esmaltados por incidentes vários, na linha daquilo que se pode considerar (infelizmente) normal no futebol português. Quando acima escrevíamos sobre critérios não estávamos a olhar para a actuação de alguns dos nossos árbitros, mas sim, naturalmente, a pensar em decisões diferentes para casos muito semelhantes. E esse será, sem dúvida, o primeiro pecadilho do Conselho de Disciplina. Dá que pensar, e dá também lugar a reclamações de quantos se sentem mais lesados. Outro aspecto da questão tem a ver com os regulamentos pelos quais as autoridades federativas se regem, e que são, nalguns casos, verdadeiras bizarrias. Só que a responsabilidade pela criação desses regulamentos deve-se exclusivamente aos clubes que, quando atingidos pelos mesmos, protestam em tons completamente desabridos. Daí ser exigível um maior grau de responsabilidade àqueles que enviam às assembleias gerais onde os esses documentos são aprovados figuras de segunda e terceira escolhas, quando esse protagonismo deveria ser assumido pela principais figuras dos clubes. Também o comportamento dos adeptos de muitos clubes têm enormes culpas no cartório, sendo de repudiar as atitudes assumidas em determinados desafios e tidas como falsamente destinadas a apoiar as equipas da sua simpatia. Porque quando as claques extravasam para além daquilo que seria normal, as tesourarias dos clubes que apoiam é que sofrem as consequências. É tempo de o futebol português sair do buraco em que se meteu há muitos anos.