“A instabilidade no país é consequência daqueles que votaram contra o Orçamento” | Jornal Económico

“A instabilidade no país é consequência daqueles que votaram contra o Orçamento”

16/01/2022 19:12:00

“A instabilidade no país é consequência daqueles que votaram contra o Orçamento”

O candidato do PS considera que os partidos que seguiram o caminho de chumbo do Orçamento mostraram uma postura de “irresponsabilidade total”.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Ou será da escolha errada dos parceiros?

“Atirar a matar” não é título de filme é ordem de presidente | Jornal Económico'Atirar a matar” soa a título de filme de ação e de fracas credenciais. A falta de respeito pelo ser humano, uma tradição dos países asiáticos.

João Ferreira quer fim de 'mentira' sobre pensões não terem aumentadoJoão Ferreira diz que é necessário acabar 'com a mentira' de que as pensões não aumentaram em janeiro por causa da rejeição do Orçamento do Estado.

Que é dos laranjeiros do meu país estranho, onde estão eles que não vêm laranjar?Qual é o país que diz que as laranjas, quando são comidas à noite, matam? Felizmente há muita gente em Portugal disposta a arriscar a vida. Ou vão para o estrangeiro (as laranjas) ou foram substituídos pelos abacateiros (que precisam ainda mais de água e estão em zona s dadas a secas 💁‍♀️)

Das eleições ao novo Orçamento: que caminho tem o país pela frente?Desde o início do ano, o país está em regime de duodécimos, devido ao chumbo do Orçamento do Estado que precipitou o cenário de eleições antecipadas. Mas, apesar de as eleições estarem agendadas para 30 de janeiro, o país deverá continuar mais uns meses com uma gestão das contas públicas limitada.

EUA avisam Rússia de consequências se for responsável por ciberataque contra Ucrânia - SIC NotíciasCiberataque denunciado pelas autoridades ucranianas ocorreu numa altura de elevada tensão na fronteira da Ucrânia com a Rússia.

Teixeira dos Santos diz que não é possível baixar impostos e alerta contra 'demonização' da austeridadeAntigo ministro das Finanças afirma que não há 'margem de manobra' para descer carga fiscal e critica a 'demonização' da austeridade. 'O que está mal é estar a gastar mais do aquilo que temos', diz. Era processar esta gente toda, pelos danos causados a Portugal. Não acordem, não. É possível baixar os impostos, basta cortar nas 'gorduras' no Estado. Terminar com a subvenção vitalícia, redução de cargos e mordomias dos políticos e acessores. Basta gerir a função pública da mesma forma que o privado. O Estado actual, é uma 'mama' para o socialista parasita. Realmente, ouvir esta ilustre figura falar...... faltou o outro ilustre eliminado Sócrates, fica a parelha completa.