Opinião Vida Morte

Opinião Vida Morte

A insolubilidade da vida e a quadradice da morte

22/06/2021 01:01:00

Tenho um cão a morrer de cancro em casa – e não falo de mim. Claro que, por se tratar de um cão e não de um humano, não é suposto impressionar tanto – e não impressiona. Contudo, não deixa de ser triste. Já escrevi algures nesta coluna sobre a morte. Tenho a certeza de não haver assunto ao qual, na minha vida, tenha dedicado mais neurónios. Nunca cheguei a grandes conclusões porque, certamente, não haverá grandes conclusões às quais chegar. Fiz o parkour clássico dos que crescem: de existencialismo para pessimismo, de pessimismo para o absurdismo, do absurdismo para o halterofilismo. Cioran magoou-me e um texto do Eduardo Lourenço oficializou o meu resgate à vida. «It gets better».

Peter Bosz: «Quem assistiu ao jogo sabe que o Sporting merecia vencer por muitos mais golos» Liberais defendem desconfinamento ″mais rápido″ e ″mais próximo″ Portugal faz história no andebol em ronda ditada pela ″lei do mais forte″

Houve, contudo, no meio desta confusão, duas frases de que não me esquecerei. Uma é de um português diletante, a outra é de um alemão alegadamente nazi – ambos figuras do século XX, narigudos e controversos. Embora as frases apresentem soluções absolutamente opostas ao mesmo problema, é engraçado notar como se complementam.

João César Monteiro, no seu filme Vai e Vem, diz-nos que «o ser humano ou o que dele resta tem que viver com a insolubilidade da vida». A frase remete, obviamente, para um absurdismo camusiano, pelo que, teoricamente, configura um lugar-comum da Filosofia. Contudo, há algo que nela me fascina – e penso que só quem fala português o poderá entender. headtopics.com

É a própria palavra «i-n-s-o-l-u-b-i-l-i-d-a-d-e»: esta encerra, em si e na sua soletração, um certo soluço – o mesmo que encontramos em tentar entender a vida. É um trava línguas e um trava teclados. Por achar piada a este paralelismo – e à frase em si – não me esqueci dela. 

A outra frase, bastante mais poderosa, pertence a Heidegger: «Se eu levar a morte à minha vida, reconhecê-la e encará-la diretamente [squarely], libertar-me-ei da ansiedade da morte e da insignificância da vida – e apenas aí serei livre para me tornar eu mesmo». Aqui, Heidegger, ao contrário de César Monteiro, torna a morte numa coisa absolutamente solucionável que facilmente poderá ser posta para trás das costas.

O que mais gosto na frase é a expressão «squarely». Ao sugerir esta forma de enfrentar a morte, o alemão transforma-a num calculável quadrado que devemos encarar sem rodeios e com plena consciência do que significa. E assim é, e assim acontecerá.

E como se complementam duas frases que parecem antagónicas? Por um lado devemos aceitar a insolubilidade da vida – entender que tudo indica que não caminhamos para uma escatologia ou para uma cidade idílica de Deus – e não nos deixar perturbar demasiado com isso. Devemos dançar e fazer o pino em cima dessa consciência – em suma, divertirmo-nos muito: uns em discotecas, outros em bibliotecas – cada um curte como sabe. Depois, reconhecer e assimilar ‘quadradamente’ que isto tem um fim e que a morte chegará. headtopics.com

Plano croata de moedas de euro com imagem de Nikola Tesla irrita Sérvia Tóquio2020. Portugal bate o Bahrain em andebol Rússia acaba com domínio asiático no concurso masculino na ginástica artística

Tal consciência da efemeridade da vida e da iminência – e eminência – da morte nada mais faz do que ser um absoluto motor do seu valor (como se fossem os motores das motos-de-água que fazem bolhas quando ligam: só quando se os liga é que aquilo se torna divertido – até lá é uma valente seca). 

A morte, a morte, a morte. Por mais que queiramos não a conseguiremos espantar. Aceitemo-la, então, conscientes de que uma vida sem solução será sempre mais divertida do que a sua inexistência. Mais divertida, até, do que não nascer e ficar, para sempre, a levitar na antecâmara do nada dobrado em oitos – para onde todos os que leem este texto irão, em breve, descansar. Sorriam ao chegar e, enquanto não for o caso, muitos peões de mota-de-água.

Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Tholos do Barro. Valorizar sepultura megalítica com cinco mil anos

Lula diz que morte de meio milhão de pessoas no Brasil é genocídioO ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva qualificou como genocídio a morte de meio milhão de pessoas no país por covid-19, fasquia superada este sábado Genocídio sao traficantes portugueses preso com muitas tonelada de haxixe.😅😂 Vagabundos Portugal dos traficantes ...ja faz parte da história destes vigaristas. Lacaios da ue.😅

Lula da Silva: Morte de meio milhão de pessoas no Brasil é ″genocídio″O ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva qualificou como genocídio a morte de meio milhão de pessoas no país por covid-19, fasquia superada este sábado. O Brasil 🇧🇷 infelizmente é isto. Próximo presidente será: ou aquele psicopata genocida miliciano que está no poder ou esse bandido desgraçado que capitaneou uma das maiores roubalheiras do planeta. Uma pena 😢 Morte de 600 mil americanos também é?

Governo confirmou morte de quatro portugueses e falou com ferido internado em AntuérpiaO acidente de construção de sexta-feira numa escola em Antuérpia, na Bélgica, resultou na morte de quatro trabalhadores com nacionalidade portuguesa, confirmou o Governo, este domingo, através da Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas.

Ministra da Cultura Graça Fonseca lamenta morte do ator Carlos MiguelNome da comédia e do teatro de revista morreu no sábado, aos 77 anos, vítima de doença prolongada.

Ministra da Cultura lamenta morte do ator Carlos MiguelCarlos Miguel encontrava-se internado no Hospital de Santarém e morreu de doença prolongada. Tenho memórias de teatro com este actor mas não me lembro qual foi a peça 🤔

Benfica deixa mensagem de pesar pela morte de Adulai DjalóBasquetebol - Benfica deixa mensagem de pesar pela morte de Adulai Djaló