Cinema, Opinião, Beyoncé, 40 Anos Depois Das İndependências, Racismo

Cinema, Opinião

A África construída pelo cinema

Opinião: A África construída pelo cinema

14/08/2020 09:31:00

Opinião : A África construída pelo cinema

Beyoncé teria dito que pretendeu homenagear a cultura africana. Qual? Embora o continente não esteja culturalmente tão fragmentado como pretendem os identitários, não há uma cultura africana única, há pluralidade.

formulações culturais de afro-politismo elaboradas por Achille Mbembeou simplesmente de cosmopolitismo por Kwame A. Appiah.Estas novas formulações aparecem no dia a dia africano, implícita ou explicitamente. Por exemplo, caminhando numa rua de Durban (África do Sul) deparei-me com

Suécia pondera medidas inéditas face ao aumento de casos em Estocolmo José Neves, fundador da Farfetch, doa dois terços da fortuna e adere ao movimento de Bill Gates Programa de bolsas de estudo na Fundação do criador da Farfetch

outdoorsobre um órgão de comunicação definindo-se como “esta é uma rádio com afritude”.  Na mesma ordem de ideias, nesses debates sobre oBlack is King,há quem apresente o ouro da Antiguidade Oeste Africana como se África fosse toda ouro, acrescentando outros erros sobre o peso de fortunas antigas ou árvores genealógicas, neste pormenor revelando ignorância em relação às rotas da escravatura transatlântica. Errariam menos se tivessem lido

Aux Portes de l’Or de Abdoulaye Bathily, historiador e diplomata senegalês, grande companheiro durante o periodo em que Dakar era uma das nossas bases de retaguarda durante a luta pela independência dos atuais PALOP.Estes problemas são tradutores dos estereótipos criados em torno de África e do desconhecimento da sua realidade, pois a maior parte dos debatedores ou debatedoras à volta de

Black is King nunca esteve em África ou esteve-o em confortáveis viagens turísticas.A maioria de quem já viu o filme (ou álbum visual) considera-o uma maravilha do ponto de vista estético e simbólico, basta ser trabalho de Beyoncé cujo talento tem um vasto reconhecimento. Pessoalmente aprecio mais o trabalho da irmã dela, Solange, até porque filmou o seu excelente

clip Losing you em Soweto, esse grande símbolo de luta afro-austral, mostrando-o tal como é até hoje.Não sei se há entre esses debatedores ou debatedoras quem receba pagamentos por marketing da produtora ou, ao contrário, por produtoras despeitadas face ao sucesso esperado do filme. Para quem estiver de boa-fé na discussão, sublinhemos a

existência de cinema africano com qualidade, apesar das monstruosas dificuldades de financiamento. O ouro mencionado de forma tão absurda não chegou a nenhum dos nossos realizadores mas, ainda assim, mostram imagens reais das vidas em África e dos combates pelo reconhecimento da sua importância. Uma boa ideia de conjunto pode ser obtida consultando algumas das obras exibidas no já tradicional Festival Panafricano de Cinema e Televisão (Fespaco) de Ouagadougou (para quem não sabe, é a capital do

que, também para quem não sabe, significa “país dos homens honestos”).O melhor do Público no emailSubscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.Subscrever×

Empresa japonesa lança lâmpada UV que inactiva coronavírus sem efeitos nos humanos A extrema-direita em perseguição às mulheres Facebook promete restringir utilizadores se votação nos EUA gerar caos

Junto com os filmes decorrem no Fespaco debates entre pessoas conhecedoras do continente. Num deles, já faz algum tempo, um grupo situado na linha da Democracia Não Racial — palavra de ordem maior nos processos de libertação — definiu a cor de África como verde e, perante interrogações de jornalista europeia, propôs que se olhasse a paisagem através da janela aberta. Se

lá estivesse discordaria e diria que é arco-íris.Também não sei se nesse anoestava em Ouagá, mas sei que é um dos maiores senão o maior cineasta africano, falecido em 2007. Começou com o curtaBorom Sarrete,

 retrato rápido da vida dum transportador pobre em Dakar na década de 1960 e, em 2004, apresentou o seu último filme,Moolaadésobre as mutilações genitais femininas,cuja atriz principal, Fatouma Coulibaly foi ela própria vítima dessa prática. Em entrevista então concedida em Cannes, Sembène anunciou ter pronto o roteiro do filme seguinte, focado no enriquecimento ilícito, mas a morte não permitiu.

Seria importante encontrar um diretor africano para realizar esse filme que ele deixou preparado, bem como os meios necessários. Hollywood e certas pessoas que discursam sobre África “dabuso” — como se diz em Luanda — não devem ter interesse. Em função do tema, Sembène intitulou o filme de

Consulte Mais informação: Público »

Beyoncé, a romantização de África e o “cancelamento” da antropóloga Lilia SchwarczO álbum-visual de Beyoncé, Black Is King, continua a provocar polémica. Desta vez foi no Brasil, onde a antropóloga e historiadora Lilia Schwarcz, uma conhecida voz do anti-racismo, foi alvo de inúmeras críticas. Romanização!?... Por que não 'representação' ou 'imaginário africano'? A Lilia não foi cancelada, apenas corrigida e ela se desculpou. Por sorte entendeu as mensagem.

Sismo de 5,9 na escala de Richter sentido em várias partes da África OrientalMundo - Sismo de 5,9 na escala de Richter sentido em várias partes da África Oriental

Movimento Vamos Ao Cinema surge pelo regresso dos portugueses às salasCultura - Movimento Vamos Ao Cinema surge pelo regresso dos portugueses às salas

Magnata norte-americano dos media Sumner Redstone morre aos 97 anosRedstone era presidente e administrador-delegado da National Amusements, empresa de salas de cinema fundada pelo seu pai e que ele converteu num grande conglomerado de media

Festa do Cinema Francês regressa em Outubro a Lisboa, Porto, Coimbra e AlmadaProgramação terá foco na obra da actriz, realizadora e activista feminista Delphine Seyrig.

Portugueses têm fugido ao cinema mas há uma campanha para lhes devolver a confiançaDe 30 de Julho a 6 de Agosto, as salas portuguesas tiveram menos 94% espectadores do que no período homólogo do ano passado. Uma nova campanha, VamosAo Cinema !?, quer que isso mude. Mas nem todas as salas estão mal. Pensam que é assim que as pessoas vão sentir-se entusiasmadas de ir ao cinema ? 😂 Por favor o cinema em Portugal está velho. Pronto ! Não há incentivos nenhuns . Quem vai dar 14 euros de um bilhete mais 10 euros de comes e bebes com sala velhas e sem interesse? Não me sinto segura e é um risco que não quero correr. Mas não me importo de pagar e ver em casa. Porque não criam esse serviço alternativo?