Opinião, Desconfinamento, Fronteira, União Europeia, António Costa, Governo, Reino Unido, Turismo, Espanha, Primeiro-Ministro, Presidente Da República, Grande Lisboa

Opinião, Desconfinamento

A diplomacia do queixume e das queixinhas

Opinião: A diplomacia do queixume e das queixinhas

14/07/2020 02:21:00

Opinião : A diplomacia do queixume e das queixinhas

Esta diplomacia das queixinhas não resolve problema nenhum, deteriora a imagem e o prestígio de Portugal e menoriza e despreza os portugueses.

. Um Governo não pode lamentar-se de que os outros não seguem os conselhos da Comissão, se ostensivamente rejeitou pô-los em prática.Por outro lado, assim que, em meados de Junho, começou a ver listas negras selectivas, o ministro dos Estrangeiros não só alegou injustiça e até perseguição como ameaçou com retaliações e retorsões. Pouco depois, o primeiro-ministro pôs água na fervura, afastando a política da retaliação. Mas não deixa de ser irónico que António Costa, que agora condena as represálias recíprocas, tenha tido o seu ministro Santos Silva, em pleno fórum TSF de 19 de Junho, a defendê-las.

Benfica paga hoje cláusula de Jorge Jesus ao Flamengo Ator francês Dieudonné banido do Facebook Agressões a bordo de avião por causa de recusa em usar máscara [Vídeo]

Veio já mais tarde o transe britânico. Convém lembrar que, embora em transição, oReino Unidojá não faz parte da União e nunca fez parte do espaço Schengen. Compreensivelmente, pela importância que o turismo britânico tem para Portugal, foi este o momento mais dramático, conducente a um discurso de nacionalismo primário, assente na vertigem da perseguição. Para Costa e Santos Silva, Portugal estaria a ser objecto de uma cabala, de uma espécie de conspiração internacional para “amarfanhar” o país, o nosso turismo, a nossa economia. As declarações de Santos Silva foram impertinentes e faroleiras e o

tweet do primeiro-ministro, com um gráfico habilidoso (para não dizer manhoso), foi lamentável. E mais uma vez – como no episódio da bravata anti-holandesa –, muito danoso para a imagem internacional do país e até do primeiro-ministro. A esta ocorrência, juntou-se ainda o Presidente da República, que, pungentemente, apelava à velha amizade e aliança luso-britânica.

3.Analisemos a teoria da conspiração anti-portuguesa. Trata-se de uma tese disparatada, descabida, na velha esteira das “desculpas de mau pagador”. Basta examinar superficialmente as decisões dos países que têm posto condicionamentos à entrada dos oriundos de Portugal, para ver que o critério é objectivo. Não existe nenhuma sanha ou hostilidade para com Portugal ou qualquer preferência pelos nossos vizinhos espanhóis ou primos italianos. Existe um critério – com o qual se pode concordar ou não, que pode ter-se por adequado ou inapropriado –, mas que é aplicado estritamente a todos os que se achem em idêntica situação. O critério é o do número de novos infectados em função da população e a melhor maneira de reverter as limitações criadas não é seguramente a diabolização dos outros. 

O desatino das mil justificações e desculpas não fica por aqui. Prossegue para a teoria de que os restantes países mistificam os seus números, omitem testes e alteram resultados para se livrarem do risco de serem excluídos dos tais corredores de turismo. A acusação é temerária e tem óbvias implicações diplomáticas. Nem Sánchez, nem Conte, nem Mitsotakis hão-de gostar de serem tratados pelo governo português como confabuladores ou mentirosos. Mas vale a pena perguntar: e os nossos números, serão fiáveis? Os indícios que temos, com necessidade constante de tentar explicar incongruências e disparidades, apontam para um retrato absolutamente fiel? Não estou a pôr nem porei as mãos no fogo pelas estatísticas apresentadas por outros Governos – o controverso caso espanhol é mesmo paradigmático –, mas sinceramente as nossas também levantam dúvidas que outros, a qualquer momento, podem explorar.

Falta, pois, a grande desculpa trumpiana – a feitura de mais testes –, que de tanto desmentida por especialistas e pelo bom senso não merece mais do que esta linha.O melhor do Público no emailSubscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.

×4.Já o disse há um mais de um mês, mas creio que vale a pena repetir. Não devemos com certeza abandonar a frente diplomática e a pedagogia da adopção de critérios mais completos e mais fiáveis. Mas o melhor que podemos fazer pelo nosso país, pela nossa economia e pela preparação para uma eventual segunda vaga é combater a disseminação actual da infecção que, todos reconhecem, é anormalmente alta. Se enfrentarmos corajosamente essa adversidade, não haverá critério nem ranking que possa ser esgrimido em nosso desfavor. Se o governo tivesse actuado em tempo na zona da Grande Lisboa, em vez de se preocupar com uma

Nova ponte de Génova inaugurada dois anos depois do colapso Novos testes à Covid-19 vão permitir saber resultados em 90 minutos “Winter is coming”

que é bem capaz de nos trazer mais dissabores do que vantagens, não era preciso arranjar tanta desculpa. Nem arranjar tanta desculpa nem inventar tanta culpa.  NÃO.Genocídio de Srebrenica. O massacre de bósnios muçulmanos há 25 anos veio demonstrar que nunca estamos livres da barbárie. Contra o negacionismo e a impunidade, é fundamental lembrar esse horror.  

NÃO.Orbán e Costa: duplo padrão. Hoje Costa encontra-se com Orbán. Costa não critica Orbán. Onde estão os anti-Fidezs portugueses? Não seria altura de fazer dorule um critério de repartição dos fundos?

Consulte Mais informação: Público »

Merkel duvida de aprovação do plano de recuperação esta semana“Não sei se vamos chegar a um acordo” durante a cimeira europeia de sexta-feira e sábado, avisou hoje a chanceler da Alemanha, país que actualmente tem a presidência do conselho da UE

Disneyland Paris reabre esta quarta-feira: saiba o que mudaO parque temático da Disney na Europa vai reabrir de forma faseada e com várias restrições.

Clubes da liga italiana querem espectadores nos estádios ainda esta épocaSerie A está a ultimar protocolo para entregar ao presidente da Federação transalpina

Primeira execução federal em 17 anos marcada para esta segunda-feira nos EUADaniel Lewis Lee foi condenado à morte por matar três pessoas, mas a família das vítimas volta contestar o momento da execução.

Marítimo pediu penálti após esta queda de Milson na área do Rio AveVídeos - Marítimo pediu penálti após esta queda de Milson na área do Rio Ave

Carvalhal e o recorde de pontos na Liga: «Se fosse fácil, todos os anos fazia-se esta pontuação»Rio Ave - Carvalhal e o recorde de pontos na Liga: «Se fosse fácil, todos os anos fazia-se esta pontuação»