Somos feitos de quem gostamos

Redirecting to full article in 5 second(s)...

Quando vim para Bruxelas 'por dois anos e meio de certeza absoluta', há dezassete anos, enchi o carro de coisas que não faziam sentido para quem ia ficar tão pouco tempo. Além de livros escusados, como se não houvesse livrarias e muito mais para ler, trouxe umas trinta fotografias soltas. Umas férias, um baile, uma noitada, uma despedida, a entrega de um presente. Coisas antigas, algumas muito, que me lembravam alguma história. Se calhar por mal haver internet, não existir Facebook, voar ser caro, precisava de trazer raízes, que é o que as memórias são.