2021 foi o ano ″mais antissemita da última década″ , dizem organismos judaicos

2021 foi o ano 'mais antissemita da última década' , dizem organismos judaicos

Internacional, Sociedade

27/01/2022 13:31:00

2021 foi o ano 'mais antissemita da última década' , dizem organismos judaicos

Assinalam-se esta quinta-feira os 77 anos da libertação dos campos de extermínio de Auschwitz-Birkenau, na Polónia, pelo Exército Vermelho. Mais de seis milhões de judeus, cidadãos de etnia cigana e prisioneiros políticos foram assassinados, de forma sistemática, pelo regime nazi no poder na Alemanha entre 1933 e 1945.

SubscreverOs atos de violência física representam menos de um terço das atitudes antissemitas e não se registaram assassinatos por antissemitismo em 2021, indicam os dois organismos."O antissemitismo não é novo, mas é um fenómeno que se reinventa. As comunidades judaicas de todo o mundo enfrentam os desafios de um crescente e mutável antissemitismo", disse Racheli Baratz-Rix, chefe do departamento de combate ao antissemitismo da WZO.

Por outro lado, a mesma responsável sublinha avanços, como a adoção, em muito países, da definição de antissemitismo da Aliança Internacional pela Memória do Holocausto e a aprovação de novas leis em diferentes países que proíbem símbolos que não respeitam a História.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Lucro do Grupo Bel mais que triplica para 5,9 ME em 2021Para o Grupo Bel obter estes resultados 'contribuíram, sobretudo, as áreas da automação, tecnologia espacial, imobiliário e distribuição'. No final de 2021 a empresa contava com cerca de 3 000 colaboradores.

Espanha fechou 2021 com uma taxa de desemprego de 13%, a mais baixa desde 2008Apesar dos 3,1 milhões de desempregados no final do ano, o desemprego foi menor em 615.900 pessoas

190 mil casas vendidas no país em 2021, 11% a estrangeirosDados da consultora JLL apontam para um volume de vendas de 30 mil milhões de euros no mercado residencial, acompanhado por uma 'forte subida dos preços'.

Tribunal Europeu dos Direitos Humanos recebeu 260 queixas contra Portugal em 2021

Porto de Sines cresce 13% na carga contentorizada em 2021O porto de Sines movimentou mais de 1,8 milhões de contentores no ano passado, que foi 'o melhor de sempre' em carga contentorizada.

EDP vende 32% do défice tarifário de 2021 por 562 MEDéfice é resultado do diferimento por cinco anos da recuperação do sobrecusto de 2021 com a compra de energia aos produtores em regime especial.

e receba as informações em primeira mão. Subscrever Os atos de violência física representam menos de um terço das atitudes antissemitas e não se registaram assassinatos por antissemitismo em 2021, indicam os dois organismos."O antissemitismo não é novo, mas é um fenómeno que se reinventa. As comunidades judaicas de todo o mundo enfrentam os desafios de um crescente e mutável antissemitismo", disse Racheli Baratz-Rix, chefe do departamento de combate ao antissemitismo da WZO. Por outro lado, a mesma responsável sublinha avanços, como a adoção, em muito países, da definição de antissemitismo da Aliança Internacional pela Memória do Holocausto e a aprovação de novas leis em diferentes países que proíbem símbolos que não respeitam a História. A WZO assinala a aprovação, no passado dia 20 de janeiro, pela Assembleia Geral da ONU (o único país a opor-se foi o Irão) de uma resolução proposta por Israel e Alemanha que condena a"negação e distorção" do Holocausto. No dia 20 de janeiro assinalaram-se os 80 anos da Conferência de Wannsee, a reunião da hierarquia do regime nazi na qual se planificou a"Solução Final": o extermínio dos judeus na Europa. Os relatórios referem que em 2021 os atos antissemitas se intensificaram em maio, coincidindo com a escalada da tensão em Jerusalém Oriental e os confrontos bélicos com as milícias palestinianas de Gaza. Os dois organismos denunciam também manifestações que se verificaram em todo o mundo, especialmente na Europa, contra o confinamento sanitário, vacinas e restrições relacionados com a pandemia de covid-19 e que usaram a simbologia do Holocausto como a estrela amarela imposta pelos nazis. A WZO repudia igualmente as"teorias de conspiração" que acusam os judeus de propagação da pandemia do novo coronavírus como forma de controlar o mundo."Estas acusações foram dirigidas a judeus em posições chave como o diretor executivo da Pfizer e outros. O uso destes símbolos cria um fenómeno preocupante de banalização do Holocausto, cujo objetivo principal é desvalorizar a dimensão e singularidade históricas", lamentam as duas organizações. A Europa lidera em número de incidentes antissemitas, em 2021, com cerca de 50% dos casos, seguida dos Estados Unidos onde se registaram 30% de atos de discriminação e xenófobos contra judeus."O mais surpreendente foi o Canadá e a Austrália onde houve um aumento dramático do número de incidentes antissemitas em relação a 2020", diz o relatório. Os atos antissemitas aumentaram 100% em Nova Iorque, 60% em Los Angeles (Estados Unidos) e 49% no Reino Unido, de acordo com as estatísticas das autoridades policiais. Na Áustria, estes incidentes duplicaram na primeira metade de 2021 e na Alemanha ocorreu um aumento de 27% dos casos nas zonas leste do país (antiga República Democrática Alemã). Partilhar