Volta da licença-maternidade é desafio de empresas para inclusão de mães - Economia - Estadão

23/01/2022 03:00:00

#SuaCarreira: Volta da licença-maternidade é desafio de empresas para inclusão de mães (via @estadaopme)

Suacarreira

SuaCarreira: Volta da licença-maternidade é desafio de empresas para inclusão de mães (via estadaopme)

Processo seletivo exclusivo para mulheres com filhos e reconhecimento de habilidades desenvolvidas na maternidade são estratégias para inclusão, apontam especialistas

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram Quando se fala em dificuldade para acessar o mercado de trabalho após um filho, é comum focar nas mães, pois, socialmente, ainda se atribui apenas a elas esse papel de cuidar. No entanto, grande parte das dificuldades que essas mulheres enfrentam para permanecer ou voltar ao trabalho também tem a ver com a forma como a

“As mães sofrem o ônus da maternidade e os pais o bônus da paternidade. Elas têm menos chances de serem contratadas e suas competências são menos percebidas. A sobrecarga do cuidado leva aoA própria adoção das licenças maternidade e

Consulte Mais informação:
Estadão 🗞️ »

O Assunto #808: 2º turno - o papel dos palanques estaduais

Dois dias depois de fechadas as urnas, Jair Bolsonaro (PL) já obteve a adesão declarada dos governadores dos três maiores colégios eleitorais do país. Uma movimentação rápida que busca reverter, pela via das alianças, a vantagem de cerca de 6 milhões de votos obtida nas urnas por Lula (PT). Consulte Mais informação >>

BB derruba liminar que determinava volta ao home office; medida vale para São Paulo

Bolsonaro deixa Eldorado e volta para Brasília neste sábado (22)Bolsonaro deixa Eldorado e volta para Brasília neste sábado (22). Presidente seguiu em direção ao aeroporto de São Paulo após ter acompanhado o enterro da mãe, na tarde de sexta-feira (21) 📲 PortalR7 R7 Jr24H JornaldaRecord

Após enterro de dona Olinda, Bolsonaro volta a Brasília neste sábado (22) | CNN BrasilSegundo informações da repórter da CNN Bruna Macedo, o presidente deve deixar Eldorado (SP) às 11h rumo à capital E? 🤷🏻‍♂️ Trabalhar ...tá bom ! Esse Homem fez uma linda homenagem a sua querida mãe no velório. Lula fez um show no velório de sua esposa e neto. Precisa desenhar? Enquanto a imprensa militante tenta colocar Bolsonaro como um monstro,suas ações falam mais que palavras vinda dessa imprensa fracassada

Bolsonaro volta a minimizar mortes de crianças na pandemiaBolsonaro volta a minimizar mortes de crianças na pandemia. Presidente lamentou vítimas, mas afirmou que o número é 'insignificante' e atribuiu casos a possíveis comorbidades PortalR7 R7 JR24H JornaldaRecord Na véspera essa desgraça tava se esforçando pra chorar a morte da mãe. Vcs não cansam neh!! Falar do Lula que é bom ninguém quer!! Misericórdia, pq não é neto dele, peste dos infernos

Bolsonaro volta a minimizar mortes de crianças na pandemia | Brasil | O DiaRegulação das redes sociais sobre desinformação na pandemia também foi criticada por Bolsonaro. ODia Alguma surpresa?🤔 Ele foi o primeiro a vender cloroquina em suas lives! As verdades desfazem as mentiras naturalmente e sem cerceamento.

Alemanha volta a incluir Brasil na lista de alto risco para Covid | O AntagonistaViajantes que desejarem entrar no país europeu e que estiveram no Brasil nos 10 dias anteriores devem preencher um formulário online antes de embarcar A Europa tá pior que a América Latina na contaminação da covid. Eropeus gostam de fazer bonito. Um governo a serviço da morte! BolsonaroGenocida Poxa!

neste link .A O Banco do Brasil derrubou uma liminar da 28ª Vara do Trabalho de São Paulo que determinava que os funcionários do Banco do Brasil que trabalham em prédios administrativos ou departamentos sem atendimento ao público devem voltar ao home office devido ao aumento de casos de Covid-19.Jair Bolsonaro acompanhou o cortejo do corpo de sua mãe em Eldorado (SP) Emerson Ramos/Record TV O presidente Jair Bolsonaro deixou há pouco Eldorado, no interior de São Paulo, com destino ao aeroporto de Congonhas, na capital paulista, de onde retornará para Brasília, conforme a Secretaria de Comunicação da Presidência.Moraes pede informações a Bolsonaro após acusação de propaganda antecipada Dona Olinda faleceu na madrugada desta sexta-feira (21), aos 94 anos.

“Segundo o IBGE, mais de 80% das mulheres têm intenção de ser mãe. Na pandemia, a taxa de natalidade caiu bastante, o que nos leva a acreditar que as gestações adiadas vão gerar um ‘boom’ nos próximos anos. Receba a newsletter do Extra Cadastrar. Como os líderes das empresas estão se preparando para acolher essas mães?”, questiona Paula. Bolsonaro passou a noite na casa de sua mãe, Olinda Bolsonaro, em Eldorado, após acompanhar. Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram   ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo A questão da paternidade Quando se fala em dificuldade para acessar o mercado de trabalho após um filho, é comum focar nas mães, pois, socialmente, ainda se atribui apenas a elas esse papel de cuidar. No entanto, grande parte das dificuldades que essas mulheres enfrentam para permanecer ou voltar ao trabalho também tem a ver com a forma como a paternidade é exercida e encarada pelas organizações. O presidente estava acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, do filho Jair Renan, do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), seu primogênito, e da esposa de Flávio, Fernanda.

“As mães sofrem o ônus da maternidade e os pais o bônus da paternidade. Elas têm menos chances de serem contratadas e suas competências são menos percebidas. A sobrecarga do cuidado leva ao burnout : mães têm mais tendência a passar por isso. Em relação aos pais, eles ficam com o bônus, há pesquisas que mostram que eles podem crescer e ter salários maiores após os filhos”, explica Daniela Scalco, criadora da startup ParentsIN.  A própria adoção das licenças maternidade e paternidade é uma amostra da visão social de quem é, em teoria, responsável pela criação dos filhos.

Pela lei, são concedidos 120 dias para mães e cinco dias para pais, com opção da empresa aderir ao programa Empresa Cidadã e oferecer 180 dias e 20 dias, respectivamente. Diante disso, tem cabido às organizações criarem suas próprias licenças, como a licença parental , que serve para homens e mulheres com filhos e prevê o mesmo período de tempo, sendo comum chegar a seis meses. No entanto, Daniela chama a atenção para o fato de que, além de criar a licença estendida e uma cultura inclusiva, é papel da empresa conscientizar os funcionários para que eles façam uso da licença. “Em muitos casos, são poucos os pais que aderem e a sobrecarga continua na mulher. As responsabilidades precisam ser equiparadas, a licença de cuidado precisa ser equiparada tanto em duração quanto em participação e responsabilidade.

Legitimar essas escolhas triplica o fator de retenção profissional”, conta. Uma pesquisa feita na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, nos Estados Unidos, mostrou que mães e pais que se desligaram do trabalho para cuidar dos filhos enfrentaram desafios para reingressar no mercado por causa dos vieses conscientes ou inconscientes dos recrutadores. O estudo comparou candidatos fictícios com perfis e experiências semelhantes. As diferenças eram que alguns estavam empregados e outros haviam ficado fora do mercado pelo mesmo período, uns para cuidar dos filhos, outros porque estavam desempregados. Sem surpresa, os que mais receberam retorno dos recrutadores foram os que estavam empregados, cerca de 15% das mães e 15% dos pais.

Já entre os que estavam afastados do mercado, 10% das mães que estavam desempregadas por qualquer motivo e 9% dos pais receberam um retorno. Entre os que se afastaram do trabalho para cuidar dos filhos está a maior diferença: apenas 5% das mães e dos pais receberam o interesse das empresas. Na fase qualitativa da pesquisa, os respondentes disseram que os homens que ficam em casa para cuidar dos filhos são menos confiáveis, menos merecedores de um trabalho e menos comprometidos com a carreira, em comparação com outros homens desempregados.  O que empresas e mães podem fazer? Para ser um ambiente mais inclusivo para as mães, as empresas têm um longo caminho pela frente. Já as profissionais que desejam voltar ao mercado de trabalho podem pensar na pausa da licença como um período de aprendizado.

Empresas: Criar ambiente acolhedor: para que mães e pais se sintam à vontade na organização, é preciso, primeiro, gerar espaços onde isso seja possível. “Uma boa forma de fazer isso é criando redes de apoio com mães e pais na empresa. Eles se apoiam, dividem experiências”, explica Paula Sousa, da Mãellennials. Entender as configurações familiares: as famílias não são iguais e, por isso, têm necessidades diferentes. É preciso levar isso em conta quando for analisar demograficamente os funcionários da empresa.

  Rever benefícios e dar autonomia aos funcionários: há uma série de benefícios que facilitam a vida de uma mãe e de um pai e que os ajudam a ficar menos sobrecarregados, como auxílios para pagar creche ou cuidador. É importante não só criar, mas rever se os benefícios estão atingindo seus objetivos. “Existe um buraco enorme entre o que a liderança acredita que tem impacto e o que as pessoas sentem que têm esse impacto de verdade”, conta Daniela Scalco, da ParentsIN. Maior flexibilidade de horários: uma empresa parent friendly (ou seja, amigável a mães e pais) é aquela que entende que a função dos dois é em tempo integral e que não se deixa em casa quando vai para o trabalho. Por isso, é importante que a organização ofereça a possibilidade de trabalho remoto, híbrido e flexibilidade de horários.

  Mães:  Autoconhecimento: o primeiro passo é tentar entender o que você aprendeu desde que ficou grávida. Faça uma lista com esses itens. “Todas as pessoas que estão envolvidas no trabalho do cuidado desenvolvem habilidades humanas”, explica Daniela. Pense em como esses novos conhecimentos podem te ajudar na carreira: as habilidades comportamentais, ou soft skills, são as queridinhas do momento no mercado de trabalho e ser mãe pode te ajudar a aprender várias delas, como, por exemplo, assertividade, capacidade de liderar, habilidade para tomar decisões com pouca informação, facilidade para delegar e liderança. “Como disse a Cristina Junqueira, do Nubank, ser mãe é o novo MBA.

Muitos altos executivos usam os esportes para reforçar habilidades comportamentais. Cuidar de criança tem ganhos equivalentes”, conta Daniela.  Atualize seu currículo e LinkedIn: essas informações devem preencher o espaço que fica no currículo quando uma mãe tira uma licença ou fica fora do mercado de trabalho para cuidar dos filhos. No LinkedIn, quando for adicionar um novo cargo, é possível selecionar a opção ‘autônomo’ na área ‘tipo de emprego’ (assim, não será obrigatório listar uma empresa) e descrever o período da licença e o que aprendeu com ela. Caso não queira colocar como autônomo, tanto a ParentsIN quanto a Mãellennials emprestam seus nomes de empresas para que mães possam atualizar o perfil na rede social.

Notícias relacionadas .