Vale: barragem desativada tem risco de ruptura, diz órgão trabalhista

Vale: barragem desativada tem risco de ruptura, diz órgão trabalhista

11/06/2021 04:00:00

Vale: barragem desativada tem risco de ruptura, diz órgão trabalhista

Barragem, interditada desde março de 2020, não recebe rejeitos de minério de ferro há mais de 20 anos, mas alguns trabalhadores executam atividades no local

PublicidadePublicidadeBarragem da Vale chamada Xingu, na mina Alegria, em Mariana (MG), corre “grave e iminente risco de ruptura por liquefação”, afirmou nesta quinta-feira, 10, a Superintendência Regional do Trabalho de Minas Gerais, responsável por interditar atividades da empresa no local.

As negociações para que Datena seja vice de Bolsonaro | Matheus Leitão Decisão de Simone Biles mostra que atletas não são deuses e abre debate sobre saúde mental: 'Coragem de ser vulnerável', diz psicóloga Lira diz que impeachment de Bolsonaro seria 'desastroso' para o Brasil

A barragem, interditada desde março de 2020 pela Agência Nacional de Mineração (ANM), não recebe rejeitos de minério de ferro há mais de 20 anos, mas alguns trabalhadores ainda executam atividades no local, o que motivou a ação dos fiscais trabalhistas.

Um desastre de tal magnitude, segundo a superintendência, poderia causar um soterramento de trabalhadores na cidade já castigada por um rompimento de barragem da Samarco em 2015, com a morte de 19 pessoas.Ao informar ao mercado impactos da interdição na última sexta-feira (4), como a paralisação da circulação de trens na região, a Vale não apontou os motivos apresentados pela superintendência. Por outro lado, alegou que não havia “risco iminente de ruptura” da estrutura, paralisada desde 1998. headtopics.com

A superintendência pontuou que a medida ocorreu após ação fiscal, com pedidos de documentos em 27 de abril e inspeção presencial em 20 de maio. Para suspender a interdição, a empresa deverá adotar diversas medidas técnicas.

“A análise dos documentos apresentados pela própria empresa revela que a barragem Xingu não apresenta condições de estabilidade, com alguns fatores de segurança para situações não drenadas inferiores a 1, oferecendo risco significativo e iminente de ruptura”, disse a superintendência.

“Trata-se, portanto de situação de extrema gravidade que coloca em risco trabalhadores.”A superintendência disse ainda que técnicos e engenheiros responsáveis pela barragem relataram que o rejeito lançado em Xingu não era drenado e era lançado de forma errática na estrutura.

“Como a disposição de material no reservatório não era controlada é possível que tenha corrido o lançamento de camadas de material mais granular intercalado de camadas de material fino (pouco drenante), criando, o que foi chamado na barragem B1 de Córrego do Feijão, lençóis freáticos empoleirados. Tal situação aumenta a pressão no barramento e pode explicar os elevados níveis piezométricos medidos na estrutura, mesmo com um reservatório seco”, afirmou. headtopics.com

'Para os que dizem que desisti, eu não desisti. Minha mente e corpo simplesmente não estão em sincronia' Live impulsionou Bolsonaro nas redes, mas críticas superaram apoio - BBC News Brasil VÍDEO: 'Será que vale a pena se dedicar?', desabafa Altobeli Silva após 10º lugar

A mineradora chegou a solicitar, em 27 de maio, uma suspensão parcial da interdição, o que foi negado.Continua após a publicidadeVale e demais autoridadesProcurada, a Vale reafirmou que “não existe risco iminente de ruptura da barragem de Xingu e que não houve alteração nas condições ou nível de segurança da barragem, que permanece em nível 2”, do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM).

Disse também que a barragem é monitorada e inspecionada continuamente por equipe técnica especializada e está incluída no plano de descaracterização de barragens da companhia, e que a Zona de Autossalvamento (ZAS) permanece evacuada.

“Não obstante, em conformidade com o termo de interdição da Superintendência Regional do Trabalho, a Vale suspendeu o acesso de trabalhadores e a circulação de veículos na zona da inundação da barragem Xingu, sendo permitidos apenas acessos imprescindíveis para estabilização da estrutura, com rigoroso protocolo de segurança”, afirmou.

“Em colaboração com a SRT, a Vale está adotando medidas para continuar a garantir a segurança dos trabalhadores, de modo a permitir a retomada das atividades.”Já a Agência Nacional de Mineração reiterou que a barragem entrou em nível 2 de emergência em setembro do ano passado, quando a autarquia vistoriou a estrutura e fez exigências. “A Vale cumpriu algumas e pediu prorrogação de prazo em outras. Desde então, não houve mudanças na estrutura”, afirmou. headtopics.com

A ANM disse ainda que está acompanhando a interdição, que foi feita com base em leis trabalhistas.A Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), vinculada à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas, por sua vez, afirmou que participou de vistoria com a ANM em setembro passado, quando foram constatadas informações que levaram à estrutura a ser enquadrada como uma barragem a montante.

No sistema a montante, as paredes da barragem são construídas sobre uma base de resíduos, em vez de em material externo ou em terra firme. Anteriormente, a estrutura era enquadrada como um empilhamento drenado.A Feam disse ainda que o Ministério Público do Trabalho é uma instituição autônoma, e que o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) tem acompanhando a situação ambiental da estrutura, tendo aplicado medida cautelar que impede a disposição de rejeitos na estrutura, por ausência de estabilidade.

Rede pede ao STF multa de R$ 500 mil para Bolsonaro a cada vez que presidente falar em fraude nas eleições Butantan pede à Anvisa autorização para que Coronavac seja aplicada também em menores de idade PSOL quer plebiscito para decidir sobre retirada do Borba Gato em SP | Radar Consulte Mais informação: VEJA »

Covid: 3 boas notícias e 3 motivos de preocupação após melhora no Brasil - BBC News Brasil

Passado o pico, o país parece viver agora um momento de curvas em descenso: desde o fim de junho, temos uma diminuição constante nas notificações de infectados e óbitos causados pelo coronavírus.

Depois a diretoria diz que a barragem não foi construída pela Vale. Pagam meia dúzia de centavos e fazem cara de paisagem…. afinal, estão destruído todas as paisagens de Minas Culpa do “Bolsonaro”. Vai romper Melhor coisa que a Vale deveria fazer nessa ação é não recorrer da sentença; Estão no lucro. Nos EUA essa condenação seria bilionária.

Brumadinho: Vale é condenada a pagar R$ 1 milhão por cada trabalhador morto com barragemBrumadinho: Vale é condenada a pagar R$ 1 milhão por cada trabalhador morto em barragem Joclau53 RT ai por favor para expor a realidade Concordo é troco. Além disso, e o dano ambiental? quanto vale esse dano?

Justiça condena Vale a pagar R$ 1 milhão para cada trabalhador que morreu em rompimento de barragem em BrumadinhoJustiça condena Vale a pagar R$ 1 milhão para cada trabalhador que morreu no rompimento da barragem em Brumadinho G1 Oi gente tudo bem? Eu tô vendendo cursos (como representante) e e-books 📚📊 Se você tiver interesse, acabei de criar essa conta no twitter destinado a isso! Como estou sem renda no momento vi isso como uma oportunidade 😃🙏❤️ Tem cursos de todas as áreas, só chamar na DM 😜 Que sabor delicioso Tem que pagar pelo desastre ambiental também

Vale é condenada a pagar R$ 1 milhão por cada trabalhador morto em Brumadinho - ISTOÉ IndependenteA juíza titular da 5ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho de Betim (MG), Viviane Célia Ferreira Ramos Correa, condenou a mineradora Vale a pagar indenização de R$ 1 milhão por danos morais por cada trabalhador morto no rompimento da Barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho. A indenização, que abrange os trabalhadores diretos da […] É muito pouco se comparado aos 12 milhões que o safado do CABOCLO ofereceu para a funcionária da CBF por assediá-la sexual e moralmente

Vale terá de pagar R$ 1 milhão a cada empregado morto em Brumadinho - ISTOÉ IndependenteA Justiça do Trabalho condenou a Vale a pagar R$ 1 milhão por danos morais para cada empregado da mineradora que morreu no rompimento da barragem ocorrido na mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Os valores deverão ser destinados aos espólios das vítimas e a seus herdeiros. A decisão foi tomada na última segunda-feira […]

Transmissão do vírus segue elevada e cenário é de alto risco, diz Fiocruz12 estados apresentam taxas de ocupação de UTIs iguais ou superiores a 90%, alerta boletim da fundação Enquanto isso as pessoas organizam uma aglomeração pro dia 19 de junho. Eita nois! Em 24 horas, Brasil registra 2.723 mortes e 85 mil casos

Brumadinho: Vale é condenada a pagar R$ 1 milhão por cada trabalhador morto com barragemBrumadinho: Vale é condenada a pagar R$ 1 milhão por cada trabalhador morto em barragem Joclau53 RT ai por favor para expor a realidade Concordo é troco. Além disso, e o dano ambiental? quanto vale esse dano?