Uma dívida fora dos padrões - Opinião - Estadão

Jogadas políticas ameaçam o acerto das contas fiscais e a contenção da dívida

01/08/2021 00:00:00

OPINIÃO: 'Jogadas políticas ameaçam o acerto das contas fiscais e a contenção da dívida'

Jogadas políticas ameaçam o acerto das contas fiscais e a contenção da dívida

31 de julho de 2021 | 03h00Maior economia da América Latina, o Brasil se destaca também pelo peso da dívida pública, de R$ 6,73 trilhões, equivalente a 84% de seu Produto Interno Bruto (PIB). Esse endividamento supera de longe a média dos países emergentes e de renda média, estimado em 65% do PIB pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Supera até o valor do PIB de qualquer outra economia latino-americana. Reconhecida no Ministério da Economia como fora dos padrões, essa condição é percebida também, no mercado, pelos financiadores do governo, sempre atentos à situação financeira e ao grau de solvência de seus devedores. É preciso, segundo nota do Tesouro, levar o endividamento brasileiro a “níveis prudenciais” e assim “garantir os fundamentos para o crescimento econômico sustentável”. Pressões políticas e objetivos eleitorais serão os principais obstáculos.

A dívida bruta de R$ 6,73 trilhões aparece nas contas de junho do governo geral. Esse conjunto inclui as finanças da União, dos Estados e municípios e também do INSS. Entre maio e junho o quadro melhorou ligeiramente, com o peso da dívida passando de 84,6% para 84% do PIB,

segundo as estatísticas fiscais elaboradas pelo Banco Central (BC), mensalmente, e divulgadas ontem.Mas o Brasil continua muito longe do padrão médio de sua categoria. Além disso, o desafio real, neste ano e nos próximos, é controlar o endividamento e depois tentar reduzi-lo em relação ao PIB. Isso dependerá em parte do crescimento econômico e em parte da condução das finanças públicas. headtopics.com

Rosa Weber envia para análise da PGR pedido de investigação de Bolsonaro e Queiroga por suposto atraso na vacinação infantil

A gestão financeira poderá ser perigosamente afetada pelas pressões do Centrão, agora instalado na Casa Civil da Presidência da República, pelos arranjos políticos do presidente Jair Bolsonaro e pela ação de vários ministros. Alguns deles defendem furar ou alterar o teto de gastos para dar espaço a um aumento do Bolsa Família. Esse aumento, defendido principalmente pelo ministro da Cidadania, João Roma, pode servir à campanha de reeleição do presidente Bolsonaro.

Na contramão das pressões políticas, a equipe econômica tem estudado uma alteração da meta fiscal de 2022, um déficit primário de R$ 170,5 bilhões. Tem-se discutido no Ministério da Economia uma redução desse rombo para algo próximo de R$ 100 bilhões, segundo o

Estado. A melhora da receita, propiciada principalmente pela retomada econômica, poderia facilitar esse esforço de austeridade. Além disso, a reforma do Imposto de Renda proposta ao Congresso poderá proporcionar um ganho de arrecadação, mas isso ainda é muito incerto, porque há resistência ao projeto.

Rede pede ao STF afastamento de secretário do Ministério da Saúde e anulação de nota sobre vacinas

Com a recuperação da economia, depois da contração de 4,1% em 2020, o setor público tem arrecadado muito mais que no ano passado e, além disso, tem ficado livre de facilidades fiscais concedidas na pior fase da crise. Nesse quadro mais favorável, o déficit primário do setor público, no primeiro semestre, foi reduzido de R$ 402,70 bilhões em 2020 para R$ 5,21 bilhões neste ano, de acordo com o levantamento do BC. No caso do governo central, a redução foi de R$ 417,24 bilhões para R$ 55,15 bilhões. Governos estaduais e municipais foram superavitários. headtopics.com

Somados os juros, o resultado geral – ou nominal, pela nomenclatura do BC – foi um buraco de R$ 150,63 bilhões, ou 3,66% do PIB. Em 12 meses esse déficit bateu em R$ 589,69 bilhões, ou 7,36% do PIB. No período encerrado em janeiro a proporção era de 13,57%.

No começo de 2020, antes da pandemia, o Ministério da Economia fixou para a dívida bruta do governo geral o teto de 80% do PIB. Com a crise, esse limite foi estourado, mas algum avanço ocorreu em 2021. Para levar o endividamento a proporções mais aceitáveis, o governo precisará de superávits primários, mas isso, pelas projeções do mercado, só deverá ocorrer depois de 2024. O cenário inclui crescimento econômico de 5,30% neste ano, 2,10% em 2022 e 2,50% em cada um dos dois seguintes. Está pressuposta, naturalmente, alguma seriedade na gestão pública. O aumento do PIB em 2021 parece garantido. O resto dependerá do dia a dia das jogadas políticas.

Bolsonaro sanciona um Orçamento de 'presidente acuado'

Consulte Mais informação: Estadão »

g1 ouviu #177 - 'BBB', o musical: o som de Naiara Azevedo, Linn da Quebrada, Maria, Arthur Aguiar e Tiago Abravanel

Podcast mostra as principais faixas e a trajetória musical dos cinco participantes do reality em 2022 que também são cantores. Consulte Mais informação >>

Empresários homenageiam militares uma semana após ‘recado’ pró-voto impresso - Política - EstadãoFirjan, que promoveu solenidade a portas fechadas, diz que encontro devia ter ocorrido antes, mas foi adiado por causa da pandemia Politica O nível do empresariado brasileiro é um dos mais baixos do mundo. Ignorantes ao extremo Politica Eles não estão nem aí pra democracia. Politica Que nojo dessa gente! 🤮

Bolsonaro não é mais uma unanimidade entre os evangélicosSegundo pesquisa do Instituto Ipec, publicada no fim de junho, 59% dos evangélicos disseram 'não confiar em Bolsonaro' Povo pobre diminue doação de dízimos. Vale lembrar. E vocês acreditam em pesquisas? São enganados ou se fazem de enganados.... Nunca foi. Agora então, até os fundamentalistas estão pulando fora. Só restam alguns fanáticos adoradores de Baal.

“Uma causa que precise de ódio, mentira e grosseria não pode ser boa” | José CasadoFrase do dia na coluna do José Casado Pois é... Um ministro que não julga pela lei mais sim pelas suas convicções e para não desagrada amigos não é juiz e sim um achista. O STF se transformou em um tribunal ilegítimo.

Ítalo Ferreira diz que quer conhecer Juliette: 'É uma pessoa diferente'Medalhista de prata chegou em Baia Formosa, sua terra natal, mencionou a ex-BBB, mas diz que flerte é 'coisa da internet'. Brasileiro quer curtir momento de descanso Diferente mesmo, chatona para caralho !!! Até ela descobrir que o Ítalo é bolsominion 🤷🏽‍♂️ Que coragem do Ítalo, vai ter que ter um saco maior que do papai Noel.

Crônica: Uma onça pintada, um tiro certeiro'A terra está em pânico e não é de hoje. Desde que arrancaram os olhos do assum preto para ele assim cantar melhor'

Após internet 'shippar' casal, Italo Ferreira diz que quer conhecer Juliette: 'É uma pessoa diferente'Vencedora do BBB e atleta trocaram comentários em rede sociais e chamaram atenção. Shippoooo medina campeão moral juliette