UE defenderá Indo-Pacífico por medo da China ‘seguir exemplo da Rússia’

18/05/2022 19:05:00

UE defenderá Indo-Pacífico por medo da China ‘seguir exemplo da Rússia’

UE defenderá Indo-Pacífico por medo da China ‘seguir exemplo da Rússia’

Alerta foi disparado após China assinar acordo militar com Ilhas Salomão, podendo agir como a Rússia na Ucrânia e cercar países da região com suas forças

Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos expressaram preocupação com a situação de segurança na região do Pacífico. O principal receio era de que a China seguisse o exemplo da Rússia, que posicionou suas tropas ao longo da fronteira com a Ucrânia antes da invasão no final de fevereiro.

Continua após a publicidadeReferindo-se aos impactos causados pela guerra em curso, Visentin sugeriu que pode surgir um conflito semelhante na região do Pacífico, dizendo que a China é vista como “parceira, concorrente e rival” pelos países europeus.

Consulte Mais informação:
VEJA »

O assunto que roubou a cena da eleição no mercado a dias do primeiro turno | Radar Econômico

VEJA Mercado: investidores deixaram a eleição um pouco de lado e passaram a precificar um pacote britânico que caiu como uma bomba no mercado Consulte Mais informação >>

Vamos lá o território é da china pq os americanos querem tanto que a otan entre lá Para tentar destruir a maior economia do mundo que vai ser a China . Vimos o golpe que o Brasil sofreu

Janet Yellen pede unidade com a UE para frear más práticas comerciais da ChinaSecretária do Tesouro Americano também pediu para que Pequim corte suas relações comerciais com a Rússia, e ressaltou que a unidade entre EUA e UE aumentaria a pressão do lado chinês Parece q eles ainda não entenderam. Esses burrocratas europeus, nunca receberam um voto de cidadão europeu, estão impondo a todos sacrifício p/ manter o status quo de poucos. Acabou a vida fácil, a troca d madeiras, alimentos e minerais por espelhos e pentes, começa a reverter

Rússia anuncia saída de conselho que conta com Finlândia e SuéciaA Rússia anunciou hoje a sua saída do Conselho dos Estados do Mar Báltico (CBSS, na sigla em inglês), grupo criado em 1992 para facilitar a cooperação nessa região do norte da Europa, após Finlândia e Suécia fazerem o pedido oficial para adesão à Otan E os bestas ainda serão vetados pela Turquia de entrar na merda da OTAN. Kakakaakakakakaakka A Rússia não vai aceitar um vizinho sendo quintal de armamento americano. Duras lições vão ser aprendidas

Corpos de soldados da Rússia são mantidos em 'trem da morte' na UcrâniaOs corpos foram recolhidos no entorno de Kiev e autoridades da Ucrânia estão coletando DNA para fazer identificar os soldados mortos...

Ucrânia diz que forças chegaram à fronteira com a Rússia - Jornal O GloboEstranho,porque há inúmeros vídeos sendo divulgados,mostrando os Ucranianos carregando esse marcador p/um campo aberto qualquer,e dizendo em seguida,que estavam na fronteira com a Rússia...👇🏻

Rússia expulsa 85 diplomatas franceses, italianos e espanhóis em retaliaçãoO governo de Vladimir Putin declarou hoje 85 diplomatas franceses, italianos e espanhóis como personae non gratae, o que equivale ao status de expulsão. Eles têm duas semanas para deixar a Rússia, s

Guerra na Ucrânia expõe fracasso da grande reforma militar planejada pela Rússia; leia artigo - Internacional - EstadãoGuerra na Ucrânia expõe fracasso da grande reforma militar planejada pela Rússia; leia artigo -via EstadaoInter Inter Inter kkkkkk Inter Fuja dessas análises do Estadão CNN Globo que esses caras não sabe a diferença de um obuseiro de um canhão e de um morteiro

+ China faz acordo com Ilhas Salomão e amplia presença militar no Pacífico Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos expressaram preocupação com a situação de segurança na região do Pacífico.A secretária do Tesouro Americano, Janet Yellen, condenou as práticas comerciais chinesas e disse que a União Europeia (UE) deve agir para “desincentivar” as ações da China através de unidade entre o bloco e os Estados Unidos.Parlamento da Finlândia aprova pedido de adesão à Otan; Suécia assina carta "Nossa presença no CBSS é contraproducente", acrescentou.Conjunto de prédios danificados em Mariupol, em 3 de abril Pavel Klimov/Reuters Membros do Serviço de Emergência coletam munição russa na cidade de Bucha State Emergency Service in Kyiv Oblast via Reuters Resgatistas retiram corpo de um civil após ataque russo a Irpin, em 1º de abril Gleb Garanich/Reuters A Rússia acusou a Ucrânia de atacar um depósito de combustíveis em território russo na cidade de Belgorod Reuters Míssil russo deixa mortos e"buraco" em prédio do governo de Mykolaiv, perto de Odessa State Emergency Service of Ukraine via Reuters Buraco atingiu vários andares no meio do prédio da sede do governo da cidade ucraniana Nacho Doce/Reuters Carro esportivo armado perto de prédio alvejado na administração estadual regional de Mykolaiv Nacho Doce/Reuters Membro do resgate observa destruição em parte do prédio da administração estadual regional de Mykolaiv State Emergency Service of Ukraine via Reuters O governador regional, Vitaly Kim, afirmou que as equipes de resgate procuravam mais vítimas nos escombros Nacho Doce/Reuters Sophia, 16, que foi separada da mãe, viúva, durante a guerra, abraça o seu irmão Mykhaylo, 8, em abrigo de Lviv, na Ucrânia Zohra Bensemra/Reuters Voluntários cobrem estátua de Santo André em Kiev com sacos de areia para proteger o monumento de ataques russo Vladyslav Musiienko/Reuters Voluntário distribui comida doada para a população em Mykolaiv, no sul da Ucrânia Nacho Doce/Reuters Um mulher de Kharkiv reencontra amigas de Chernihiv após fuga para a Romênia Clodagh Kilcoyne/Reuters Shopping na região de Kiev destruído após ataque russo Marko Djuricá/Reuters Homem carrega cachorro pouco tempo após ataque russo que atingiu shopping center em Kiev Serhii Nuzhnenko/Reuters A tenente Tetiana Chornovol, ex-deputada e que opera o sistema antitanque manuseia lançador que transportou seu carro em Kiev Gleb Garanich/Reuters Homem anda por área residencial de Kiev destruída em bombardeio russo Marko Djurica/Reuters Membro das forças ucranianas checa a artilharia em sua base em Kiev Gleb Garanich/Reuters Mãe de Ivan Skrypnyk, major morto no ataque russo à base militar de Yavoriv, durante funeral em 17 de março Pavlo Palamarchuk/Reuters Pedaço de concreto sobre cama de apartamento residencial destruído em Kiev, em 17 de março Thomas Peter/REUTERS Escola é destruída durante bombardeio em Kharkiv, na Ucrânia Oleksandr Lapshyn/Reuters Voluntários brincam com crianças refugiadas da Ucrânia na Polônia Fabrizio Bensch/Reuters Soldado ferido no ataque à base militar de Yavoriv em hospital local, em 13 de março Kai Pfaffenbach/REUTERS Região da base militar de Yavoriv após ataque aéreo russo, que deixou mais de 30 mortos em 13 de março @BackAndAlive/via Reuters Bombeiros atuam em escombros de prédio atingido por mísseis em Kharkiv, em 14 de março Vitalii Hnidyi/Reuters Bombeiros de Kiev atuam para apagar incêndio em prédio residencial atingido por ataque russo, em 15 de março Marko Djurica/Reuters Jornalista americano ferido em ataque em Irpin sendo atentido.

O principal receio era de que a China seguisse o exemplo da Rússia, que posicionou suas tropas ao longo da fronteira com a Ucrânia antes da invasão no final de fevereiro. Continua após a publicidade Referindo-se aos impactos causados pela guerra em curso, Visentin sugeriu que pode surgir um conflito semelhante na região do Pacífico, dizendo que a China é vista como “parceira, concorrente e rival” pelos países europeus. “Essas práticas afetam desde negócios e investimentos, passando pelo desenvolvimento de políticas climáticas e também na criação de mecanismos de alívio de débito”. Respondendo às especulações, o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, argumentou que o novo tratado “não prejudicaria a paz e a harmonia” na área. Ainda de acordo com a Rússia, o CBSS planejava fazer uma reunião na Noruega, em 25 de maio, sem sua presença. O líder do país acrescentou que o acordo não tem como alvo os seus aliados tradicionais, mas sim “nossa própria situação de segurança interna”. A secretária também pediu para que a China corte suas relações comerciais com a Rússia, e ressaltou que a unidade entre EUA e UE aumentaria a pressão do lado chinês. Apesar disso, Sujiro Seam, embaixador da União Europeia para o Pacífico e Ilhas Salomão, afirmou que o acordo aponta para a necessidade do bloco intensificar sua presença na região.

A guerra na Ucrânia suscitou novas iniciativas da União Europeia para fortalecer suas políticas de segurança e defesa. A administração Biden acredita que uma cooperação deste tipo será mais efetiva que o unilateralismo que vimos em um passado não tão distante”, disse Yellen. A medida seria uma retaliação à expulsão de dois membros da embaixada da Rússia em Helsinque, em abril. Em março, foi lançado o plano “ A Bússola Estratégica”, que estabelece um roteiro para melhorar a capacidade de ação em crises e defender a sua segurança e dos seus cidadãos. “A guerra na Ucrânia é um momento histórico que contribui para a afirmação da ambição europeia em matéria de segurança e defesa”, afirmou Seam. Autoridades informaram que o plano de segurança mais intensivo envolveria treinamento militar e exercícios em terra e no mar, aumento da inteligência e circulação de navios da União Europeia por zonas com interesse marítimo no Pacífico. A Finlândia anunciou oficialmente neste domingo (15). No entanto, o projeto não incluiria o estabelecimento de bases militares nem o envio de soldados, exceto num contexto de crise.

Continua após a publicidade .