Três dos sete corpos encontrados em área de 'tribunal do crime' em SP são identificados

Identificação ocorreu por meio de análise das digitais. Outros dois corpos foram enviados ao setor de antropologia do Instituto Médico Legal (IML) da capital.

24/11/2020 16:00:00

Três dos sete corpos encontrados em área de 'tribunal do crime' em SP são identificados; a polícia acredita que as vítimas foram mortas com golpe de enxada G1

Identificação ocorreu por meio de análise das digitais. Outros dois corpos foram enviados ao setor de antropologia do Instituto Médico Legal (IML) da capital.

Três dos sete corpos encontrados enterrados neste domingo (23) em uma área em que a polícia acredita ser um 'tribunal do crime', em Mogi das Cruzes, foram identificados nesta segunda-feira (23). No entanto, o Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), que investiga o caso, não divulgou a identidade das vítimas.

Homem aciona polícia ambiental para retirar jabuti da casa dele e é levado preso por ser foragido da Justiça Juristas já veem motivos para abertura de impeachment de Bolsonaro - Política - Estadão China anuncia doação de cilindros de oxigênio ao Amazonas

“Tribunal do crime” é o termo do linguajar policial usado para nomear julgamentos clandestinos realizados por membros de facções criminosas.Os corpos estavam enterrados em uma área de mata no bairro do Botujuru. Eles foram encontrados pelos agentes da Guarda Civil Municipal que patrulhavam a região.

A polícia acredita que as vítimas foram mortas com golpe de enxada. No local havia ainda pá e foice, além de cordas e fios usados para amarrar as mãos das vítimas. De acordo com a polícia, são seis homens e uma mulher. headtopics.com

O legista e diretor do Instituto Médico Legal (IML) de Mogi das Cruzes, Zeno Morrone, explicou que a identificação dos três corpos foi realizada por meio das impressões digitais. Segundo ele, os familiares foram até o IML e informaram as características físicas de parentes desaparecidos. Em três casos, as informações coincidiram com as características. Os documentos apresentados pela família foram enviados junto às impressões digitais. O resultado foi positivo para os três casos.

Corpos foram retirados durante a tarde de domingo — Foto: Ralph Siqueira/ TV Diário"Em outros dois corpos, devido ao avançado estágio de decomposição, enviamos para o IML na capital, porque precisam passar pelo setor de antropologia. Há ainda outros dois corpos que devem ficar aqui com a gente pode mais umas 48 horas, para ver se é possível identificar pelas digitais", detalhou o legista.

O delegado Rubens José Angelo, titular do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) de Mogi, disse que o primeiro passo da investigação é a identificação dos mortos. A partir daí, a polícia busca quem foi o autor do crime. Os parentes das vítimas identificadas também começam a ser ouvidos, a fim de coletar provas.

Destaques do G1: Três dos sete corpos encontrados em Mogi são identificadosOutros casosPara o delegado Rubens José Angelo, o caso pode ter relação com três corpos encontrados enterrados em valas em duas ocasiões diferentes, porque o "modus operandi" é parecido. headtopics.com

OAB avalia processar ministro da Justiça por abuso de autoridade | Radar Popularidade de Bolsonaro despenca ante piora da pandemia e fim do auxílio emergencial Avião com 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca chega ao Rio

Em um dos casos, em setembro de 2019, a vítima era o motoboy Bruno Nunes de Souza, de 30 anos, encontrado em uma vala em Jundiapeba. Um segundo motoboy, que também havia desaparecido na época, ainda não foi encontrado."O corpo de Bruno foi encontrado em uma cova em Jundiapeba, com o mesmo modus operandi: mataram a vítima com instrumento contundente, ela foi enterrada, depois foi encontrada. Esse caso a gente esclareceu, tem dois indivíduos presos. As investigações prosseguem no sentido de identificarmos outros autores".

Outros dois corpos foram encontrados em setembro de 2020 em uma vala também em Jundiapeba com as mesmas características de execução. As vítimas no caso eram Gabriel Silva da Conceição, de 23 anos, e a companheira dele, Juliana Cristina dos Santos, de 24 anos.

"Agora nós temos esse outro caso, também desse mesmo modus operandi, com essa mesma semelhança. Nós acreditamos que seja o mesmo grupo, a mesma célula. Eles têm conexão, ligações nesses casos", concluiu o delegado.

Consulte Mais informação: G1 »

Cadelinha é adotada por posto de combustíveis no ES, vira 'frentista' e ganha crachá

Pandora chegou ao local há três anos com fome e sede e foi acolhida pelos funcionários do posto.

Isso é antigo, mas pouco divulgado. No RJ tem um microondas onde os desafetos são colocados depois do julgamento, dizem. Isso sim é justiça!!! Corpos 'negros', 'pardos' ou só corpos mesmo? Pq se for branco nem no noticiario desse mídia imunda sai. Tinha algum negro entre as vítimas ? Precisamos protestar ✊

Mais uma revolta para o pessoal do 'Vidas Negras Importam' cumprir. Opa... Melhor só ficar botando fogo em supermercado mesmo. Se as vítimas forem negras por favor marquem o protesto em frente a casa do chefe do tráfico OK Vixe...pensava que não tinha pena de morte no Brasil. Para acabar com isso, temos que fazer um estatuto do desenxadamento.

Quem procura acha ,quem mandou ir para o crime Se der ruim para os autores das atrocidades o PSOL tá aí pra defendê-los Viva o STF Nossa é cruel.. matar com esses coisas de capina Se tiver algum negro vai ter protesto com requinte de vandalismo sqn