'Temos de tirar veículos velhos de circulação', diz CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus - Economia - Estadão

@EstadaoEconomia 'Estadão Mobilidade Insights: 'Temos de tirar veículos velhos de circulação', diz CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus

15/01/2022 23:30:00

EstadaoEconomia 'Estadão Mobilidade Insights: 'Temos de tirar veículos velhos de circulação', diz CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus

Renovação da frota e motores elétricos são prioritários para a empresa comandada por Roberto Cortes; ele participa de série de entrevistas 'Estadão Mobilidade Insights', com líderes do setor

há 37 e passou a dirigir a área de Powertrain em 1987. Sob seu comando, a empresa desenvolveu o sistema bicombustível, que permite que o carro utilize gasolina, etanol ou a mistura de ambos em qualquer proporção. Mais recentemente, a companhia participou do projeto que deu origem ao primeiro veículo 100% elétrico criado e produzido na América Latina: o caminhão Volkswagen e-Delivery, cujas vendas começaram em 2021.

Às vésperas de passar o bastão de presidente para o argentino Gastón Diaz Perez, o recifense que foi estudar naaos 18 anos e voltou com 25 concedeu a seguinte entrevista aoEstadão.Em 2021, o setor de veículos foi afetado, além da pandemia, por questões como a alta do dólar e a falta de componentes, sobretudo semicondutores. Como foi o desempenho da Bosch?

Consulte Mais informação: Estadão 🗞️ »

'Eu não posso dividir o país entre religiões”, diz Lula

Em entrevista à Rádio Mais Brasil News, o ex-presidente Lula condenou a aproximação de Jair Bolsonaro com o eleitorado evangélico.'Eu não posso dividir o paí... Consulte Mais informação >>

Economia Sinceramente?Matéria paga,só pode!Nos EUA essa empresa q este Sr representa e alega preocupação com o meio ambiente,praticamente foi chutada do maior mercado automobilístico do planeta por violar e enganar o consumidor c/dados fake d poluentes de suas marcas.VW é um lixo nos EUA! Economia Precisamos é de mais ferrovias e menos dependência dos caminhões. Fretes mais baratos ajudam a reduzir custos e o impacto da cadeia produtiva no preço final.

Economia Esses caras viveram as custas do governo e do PT por mais de 50 anos. Economia Temos que ter mais trens, de alta velocidade. Economia Começa pelo meu, aguardando um carro zero pra entregar meu velho. Economia Será que os governos estão preparados para ajudar nisso ou nesse país e tudo tributo? Economia Volkswagen, faça um carro melhor que a D-20 e a gente começa a pensar nisso...

Economia Nossa, teve esta ideia sozinho? Economia Eles vão trocar de graça um novo por um velho? Claro que não... Economia É só não vender um novo pelo preço de três. Economia Pois é, no governo do PT isto foi fácil trocar. Tínhamos juros de 3% ao ano com carência de 6 meses e o diesel abaixo dos R$ 2,50.

‘Lamentamos as 600 mil mortes, mas nós temos que viver’, diz BolsonaroPresidente voltou a afirmar que eleições em 2018 foram fraudadas e insinuou que ministros do STF são ‘pequenos ditadores’ Bem que o geno poderia fazer parte das estatísticas? Asqueroso, um ser sem compaixão que pede empatia... Biltre!

Economia To aceitando um carro novo decente e barato. Coisa q a VW não sabe fazer. Economia Faz sentido, eu na posição dele faria o mesmo, ainda metia um ' nós vamos reduzir o transit time do produto até o cliente, vamos reduzir a emissão de CO2 e o preço do frete vai baixar, pois queremos vender caminhões elétricos ou com fonte de energias renováveis kkkk

Economia Vão doar aos caminhoneiros ? Kkkkk Economia É só vender veículos com preços acessíveis Economia Será que ele conhece o Guedes? Economia Claro, pros ricos deve ser bom, mas pros pobres... Economia Chicote tá comendo! Economia Ah tá … cobrando 80 mil em uma merda de um Gol ? Não fode !!!!! 🖕 Economia Temos que construir ferrovias, velho safado

Economia Tá certo eu vendo bloco de cimentos, pense num cabra doido para acabar com as lajotas...

Presidente do São Paulo encerra novela Soteldo: 'Não temos mais negociação' - ISTOÉ IndependenteVenezuelano está no Toronto FC, do Canadá, e não chegou a acordo com o Tricolor Paulista Esse papel, que não serve nem para ser usado no vaso sanitário, chamado de IstoÉ, é que deveria ser extirpado do Brasil. Tenho fé de que será em breve! Porcaria de revista ….militante

Economia nein, tut es mir leid ! Economia Deu pra entender. Os novos são menos poluentes, diz o CEO da empresa que falsificou laudos de emissão de poluentes. Vejam algo sobre o Dieselgate. O buraco é mais embaixo. Economia O que isso quer dizer?! Economia Abaixa o preço seu Zé Ruela. Diminuí os impostos e a margem de lucro, que vai vender igual água.

Economia Claro. Dêem carros novos e recolham os carros velhos, vagabundos. Economia Ai querem retirar caminhões E vender essas merdas modernas pra fuder os coitados Economia Será uma escolha muito difícil Economia Que falta faz um lulão hein tio volks? Economia No preço que estão os combustíveis vai sair de circulação os velhos e semi novos

Economia Baixa a porra do preço seu merda

'Chego ao Fluminense com convicção que temos tudo para disputar e conquistar títulos', diz Willian BigodeEMPOLGADO!👨‍🦰🇮🇹 'Chego ao Fluminense com convicção que temos tudo para disputar e conquistar títulos', diz Willian Bigode lance

Economia “Para poder vender novos, batendo a meta de bônus que tenho” completou o CEO Economia Interesse no lucro da empresa, somente isso. Economia Ele está certo, porém a alta carga tributária do país não permite essa renovação da frota, caminhões antigos, poucos tecnológicos etc. tem que falar com o governo para mudar essa merda aí!

Economia É só dar um incentivo para os deputados que rapidinho sai uma lei para isso... Economia Então baixa o preço Economia É só diminuir os preços dos carros e IPVA. Economia Queria que ele falasse o que? O cara vende caminhão porra!

'Operadora virtual cresce a partir da ineficiência das teles', diz fundador da Fluke - Economia - EstadãoPara Marcos Oliveira Jr., foco das empresas tradicionais de telefonia está em conquistar novos clientes, em vez de cuidar dos atuais Economia Tem que privatizar as teles

Auditores da Receita suspendem concessão de certificado para empresas de comércio exterior - Economia - EstadãoMovimento faz parte de protesto da categoria em prol de melhores salários; certificação permite que empresas usufruam de controles aduaneiros mais simples e também confere maior prestígio no mercado Economia Em toda a terra, dois terços morrerão; todavia a terça parte permanecerá!”Mas se ainda ficar nela a décima parte, tornará a ser consumida, como o terebinto, e como o carvalho, dos quais, depois de derrubados, ainda fica o toco. A santa semente é o seu toco. Economia Que vergonha. Serviço público não pode ser descontinuado e prejudicar as empresas. Economia Os auditores tem excelente salario inicial , excelentes benefícios e aposentadoria. Se há categorias que devem receber melhorias salariais são os professores, essoal da saúde e policiais. E principalmente os com até uns 5 anos de carreira.

Após encerrar operação de delivery, Uber lança serviço de ônibus fretados no Brasil | Economia | O DiaModalidade será voltada para transportar colaboradores de empresas. Veículos acomodam entre 10 e 50 passageiros. ODia

Bosch há 37 e passou a dirigir a área de Powertrain em 1987. Sob seu comando, a empresa desenvolveu o sistema bicombustível, que permite que o carro utilize gasolina, etanol ou a mistura de ambos em qualquer proporção. Mais recentemente, a companhia participou do projeto que deu origem ao primeiro veículo 100% elétrico criado e produzido na América Latina: o caminhão Volkswagen e-Delivery, cujas vendas começaram em 2021. Às vésperas de passar o bastão de presidente para o argentino Gastón Diaz Perez, o recifense que foi estudar na aos 18 anos e voltou com 25 concedeu a seguinte entrevista ao Estadão . Em 2021, o setor de veículos foi afetado, além da pandemia, por questões como a alta do dólar e a falta de componentes, sobretudo semicondutores. Como foi o desempenho da Bosch? Leia Também Produção da indústria cai 20% em 10 anos e enfraquece a economia Em 2021, tivemos um bom ganho de participação de mercado em todos os segmentos. Criamos novos modelos de negócios e crescemos muito no e-commerce. A indústria de segmentos onde atuamos cresceu. Então, 2021 talvez tenha sido um dos anos de recorde de faturamento para a Bosch. Também enfrentamos vários entraves, como o desarranjo da cadeia de fornecimento, com problemas graves no setor de aço e de outras matérias-primas. A Bosch é uma das grandes fornecedoras de eletrônica embarcada em veículos e utilizamos muitos chips. Seja como for, avançamos muito na digitalização, aplicamos conceitos fortes da indústria 4.0 e conseguimos atingir a neutralidade na emissão de carbono em todas as nossas plantas e nas nossas demais operações aqui no Brasil. Recentemente, o sr. disse que cada região do planeta vai desenvolver sua própria solução para reduzir as emissões geradas por veículos. O caminho não é a eletrificação? Não se trata de eletrificação, mas de descarbonização. Ou seja, de reduzir as emissões de CO2 e o efeito estufa. A área da mobilidade é uma das envolvidas, mas não é a maior. E não dá para olhar apenas o que sai do escapamento do veículo. É preciso cobrir toda a cadeia de geração da energia. Com os carros a bateria você resolve o problema nas grandes cidades, mas não descarboniza o planeta. O Brasil atua nessa frente há muitos anos, com o uso de biomassa e do etanol. Mais de 83% da nossa eletricidade e 45% da nossa matriz energética são renováveis. Cada região tem sua especificidade e, no Brasil, creio que ela passa pela biomassa. Antes de chegar a uma solução de carro elétrico puro ou a célula a combustível, o País deverá ter outras que possam ser implantadas mais rapidamente. Neste ano, haverá eleições para presidente da República. Independentemente de quem for escolhido, o que o governo tem de fazer para desenvolver o País? Sou muito otimista com relação a 2022. O Brasil é um país muito pujante nos seus potenciais, importância e relevância. Não só pelo que gera nos setores primários e no agronegócio. Temos cabeças brilhantes buscando novos negócios e oportunidades. O atual governo fez mais de 121 licitações, que representam R$ 650 bilhões em investimentos em rodovias, ferrovias. Meu tema não é política, mas olhar o Brasil. Quero ver o País evoluir. Nós precisamos vender bem a imagem do Brasil no exterior, porque assim os investimentos externos vêm. O País é tão forte que, se a política não atrapalhar, ele vai sozinho. A iniciativa privada está bastante comprometida com o País. Precisamos resgatar bons valores e continuar brigando contra a corrupção, que é um câncer no nosso país. Somente com mais empregos, oportunidades de negócio e investimentos, e não distribuindo dinheiro, vamos tirar o povo da miséria. Temos de acreditar e apostar no Brasil, deixar de “mimimi” e empurrar o País para frente. A maior parte da sua carreira foi em postos de direção na Bosch. Qual foi o momento mais complicado? Um dos momentos mais difíceis da minha carreira foi em março, abril de 2020. Eu tinha a responsabilidade de atravessar o transatlântico Bosch com 10 mil colaboradores a bordo por uma tempestade que a gente jamais tinha visto. Não havia receita de bolo, e eu não podia pedir ajuda à matriz, na Alemanha, porque a tempestade também estava lá. Havia gente morrendo no mundo todo, contaminação, medidas de restrições... Mas aí veio a medida provisória que permitiu reduzir a jornada e os salários. Tivemos de agir rápido. Em duas semanas, acertamos tudo com os sindicatos e os colaboradores. Só voltei a dormir melhor depois de maio, quando conseguimos equalizar a questão do caixa e dos empregos. Os salários foram recompostos e voltamos a crescer. Como o sr. avalia sua trajetória na Bosch e o que espera da nova posição, no conselho da companhia? Investimos cerca de R$ 1,5 bilhão nos últimos dez anos em tecnologia e inovação. Juntamente com nossos clientes, tornamos os veículos mais seguros, conectados e eficientes. O sistema Flex contribuiu para que 500 milhões de toneladas de CO2 deixassem de ser lançadas na atmosfera. Então, eu vejo um balanço muito positivo e um momento bom, com forte crescimento ante 2019. Em pouco tempo, vamos praticamente dobrar o faturamento. No conselho, vou atuar estrategicamente, principalmente em temas ligados à energia e ao futuro da mobilidade. Coordeno o grupo de digitalização da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Além disso, sou presidente da Associação Brasileira de Engenharia automotiva (AEA). Tenho muita coisa para fazer e vou continuar atuando fortemente para contribuir com o Brasil.  Se pudesse mandar um recado para o Botelho que acabava de sair da Universidade Hochschule Karlsruhe (HKA), na Alemanha, em 1985, qual seria? Eu diria para aquele jovem, naquela época: “Entra na Bosch, é uma boa empresa. Ela vai te ajudar bastante na sua carreira profissional e para ampliar seus conhecimentos.” Notícias relacionadas