Sem anfitrião, recepção do ‘7 de setembro’ será modesta na embaixada brasileira nos EUA - Política - Estadão

@EstadaoPolitica Sem anfitrião, recepção do ‘7 de setembro’ será modesta na embaixada brasileira nos EUA

24.8.2019

EstadaoPolitica Sem anfitrião, recepção do ‘7 de setembro’ será modesta na embaixada brasileira nos EUA

Indefinição sobre o nome do embaixador muda celebração da independência do Brasil e preocupa diplomatas latinos

até que o presidente Jair Bolsonaro disse que indicaria o filho ao posto. Forster é diplomata de carreira e tem tocado a embaixada sob elogios da família Bolsonaro e do núcleo duro do governo. Os convites para o 7 de setembro, que será comemorado no dia 6, não foram despachados com o nome do embaixador desta vez. O e-mail da solenidade informa que “o representante do Brasil para a OEA, o cônsul geral do Brasil em Washington e o Chargé d'Affaires (encarregado de negócios)” convidam para a cerimônia – que será no horário do almoço, no Salão das Américas da sede da OEA. No lugar dos 600 convites feitos em anos anteriores, agora cerca de 500 pessoas serão chamadas. Os cerimoniais calculam que quase metade dos convidados não comparece. Sem anfitrião claro, a hora do discurso foi cortada. É possível que os embaixadores convoquem um brinde, mas nada está previsto até o momento. Diplomatas da embaixada minimizam a mudança e dizem que a cerimônia já foi assim em anos anteriores. Há países adotam o mesmo sistema de comemoração, como o Uruguai. A possível chegada de Eduardo é tema nas embaixadas da região. Uma das preocupações de embaixadores da América Latina ouvidos pelo Estado é com o quanto Eduardo, se confirmado embaixador, irá se integrar a um bloco regional, diante da sua assumida reverência à Casa Branca de Donald Trump. Segundo um embaixador, Eduardo precisa se sentir “latino-americano” e não só “americano”. Um outro embaixador, no entanto, pondera que qualquer avaliação feita agora é prematura e cita como exemplo o receio de países da região de que Bolsonaro, eleito, endossasse a possibilidade do uso de força para resolver o problema da Venezuela. O apoio a uma intervenção militar foi descartado pelos militares e pelo governo brasileiro desde a posse do presidente. Diplomatas estrangeiros lembram que Eduardo precisará de interlocução com o Congresso também, que inclui os democratas, de oposição a Trump, para representar o País, o que pode ser um entrave. A maior curiosidade é com o quanto o novo embaixador vai desejar se integrar aos colegas dos países vizinhos. O foco dos embaixadores em Washington é a relação com os EUA. Mas, devido ao fato de os diplomatas enviados à capital serem do alto escalão e confiança de cada um de seus países, as relações bilaterais avançam para além da ligação com a Casa Branca. Podcast: Senado vai dizer ‘não’ a Eduardo Bolsonaro? Um dos embaixadores ouvidos avalia que o Brasil estava jogando isolado dos demais na sua relação com os EUA, sem conversas informais tidas como rotineiras no caso dos demais países. A avaliação corrente é de que o Brasil tem uma postura de independência extrema, o que acontece mesmo quando os governos dos respectivos países têm posturas e linhas ideológicas convergentes. A região foi forçada a se coordenar melhor, segundo um dos embaixadores, devido à conjuntura atual na Venezuela. Além disso, uma guinada à direita na região tornou os governos mais próximos. Atualmente, as embaixadas da Argentina, Colômbia, Chile, Paraguai, Costa Rica e Peru tem interlocução intensa, com alinhamento de pautas e bom relacionamento, segundo diplomatas ouvidos. Para embaixadores ouvidos, a representação brasileira ficou espremida em meio ao governo transitório de Michel Temer e o início da gestão Bolsonaro, sem clareza sobre quem ocuparia o posto mais alto em Washington. No setor privado, indicação de Eduardo é bem recebida Dois integrantes do setor privado com trabalho em empresas americanas que possuem operações no Brasil apontam que o nome de Eduardo é bem recebido na área. O poder de um embaixador, segundo eles, reside na sua capacidade de interlocução com Brasília e, sob este aspecto, não há dúvida segundo os empresários de que o recado dado a Eduardo chegará ao Planalto. Dentro da embaixada do Brasil, a perspectiva otimista de diplomatas de alto escalão externada em reuniões de trabalho era que Eduardo já estivesse na capital americana no final de setembro, quando há possibilidade de que Bolsonaro passe por Washington depois de participar da abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York. O cenário mudou nas últimas semanas, quando aliados do presidente informaram o Planalto que Consulte Mais informação: Estadão

Executivos sem noção do mundo digital já são substituídos em grandes empresas - Economia - EstadãoPesquisa, que ouviu 30 mil profissionais em 25 países, incluindo o Brasil, mostra que 80% dos líderes têm dificuldades com demandas digitais; falta dessas habilidades motiva demissões

Sem criatividade, Corinthians para na defesa do Flu na Sul-Americana - Esportes - EstadãoTime paulista repetiu erros do primeiro semestre e empatou sem gols na ida das quartas do torneio continental

Corinthians e Fluminense empatam sem gols pela Sul-AmericanaNo primeiro jogo das quartas de final, Muriel salvou time tricolor no fim da partida e garantiu 0 a 0 no placar

Exoplaneta sem atmosfera pode dar ajuda valiosa na busca por outra Terra



Descontrole total - Opinião - Estadão

‘Tô aqui desarmado e vou enfrentar’, avisou Cid antes de ser baleado | Radar

Guedes se desculpa: “A mãe do meu pai foi doméstica”

Lula é investigado a pedido de Moro com base na Lei de Segurança Nacional

Morre o criador do 'copiar e colar' (o CTRL C, CTRL V)

Sem aval da Justiça, Suzane von Richthofen perde semestre na faculdade após dez faltas

Silvia Abravanel pede demissão do SBT e pega Silvio Santos de surpresa | VEJA Gente

Escrever Comentário

Thank you for your comment.
Please try again later.

Últimas Notícias

Notícia

24 agosto 2019, sábado Notícia

Notícias anteriores

Com James Rodríguez titular e Vinicius Jr. apagado, Real Madrid empata com o Valladolid; veja melhores momentos - ESPN Video

Próxima notícia

Breaking Bad foi filmado em segredo e já está pronto - Fala!
Inteligência afirma que a Rússia está interferindo na eleição para reeleger Trump, diz jornal - Internacional - Estadão Bolsonaro e Flávio afirmam que já visitaram presídio várias vezes - Política - Estadão Por unanimidade, TSE nega registro para o Partido Nacional Corinthiano Gretchen comanda bloco que pede o fim do assédio contra mulheres no carnaval do Recife Sargento da Aeronáutica é preso suspeito de vender drogas 'gourmet' no DF Claudia Leitte divulga look em homenagem às mulheres da Guarda Municipal no 1° dia de carnaval em Salvador O que ameaça a Amazônia em seus 9 países? ‘A Regina Duarte é uma inocente útil’ - Infográficos - Estadão Tartaruga é resgatada com linha de nylon enrolada no pescoço em SP Westworld: guerra de IAs no novo trailer da 3ª temporada Bolsonaro vê situação de 'guerra urbana' e diz que 'bicho vai pegar' com Forças Armadas no Ceará Deputados registram BO contra Cid Gomes - Política - Estadão
Descontrole total - Opinião - Estadão ‘Tô aqui desarmado e vou enfrentar’, avisou Cid antes de ser baleado | Radar Guedes se desculpa: “A mãe do meu pai foi doméstica” Lula é investigado a pedido de Moro com base na Lei de Segurança Nacional Morre o criador do 'copiar e colar' (o CTRL C, CTRL V) Sem aval da Justiça, Suzane von Richthofen perde semestre na faculdade após dez faltas Silvia Abravanel pede demissão do SBT e pega Silvio Santos de surpresa | VEJA Gente A mando de Moro, PF avalia enquadrar Lula na Lei de Segurança Nacional por fala sobre Bolsonaro e milícia Vídeo mostra homem disparando em ato em que Cid Gomes foi baleado Quebra de decoro - Política - Estadão Doria, Gilmar e Maia veem escalada de ‘autoritarismo’ no Planalto - Política - Estadão Senador Cid Gomes tenta entrar em batalhão da polícia com retroescavadeira e é baleado com tiro de bala de borracha