Saint-Exupéry volta ao noticiário na pandemia - Aliás - Estadão

A volta do Pequeno Príncipe em tempos de pandemia e a salvação por Tom Jobim

16/05/2021 02:15:00

A volta do Pequeno Príncipe em tempos de pandemia e a salvação por Tom Jobim

Alvo de uma disputa familiar por causa de suas cartas, ele foi leitura obrigatória no México e censurado pela ditadura argentina

15 de maio de 2021 | 16h00A receita foi Chico Buarque quem deu, nas redondilhas do baiãoParatodos. A cura para a ‘malaise’ brasileira estava, segundo ele, no melhor de nossa música popular. Use Dorival Caymmi, fume Ary Barroso, cheire Vinicius de Moraes, beba Nelson Cavaquinho, aviou Chico, anexando à prescrição mais meia dúzia de infalíveis panaceias musicais, entre as quais Tom Jobim, o “maestro soberano”, inspirador da terapia. De eficácia permanente, agora mais do que em 1993, quando foi lançada – mais do que nunca, eu diria—recomendo sua aplicação emergencial em massa. Tenho um amigo que acredita só estar segurando a depressão gerada pela pandemia, o isolamento social compulsório e o governo Bolsonaro porque ouve, “sem parar”, João Gilberto. Foi esta a vacina que escolheu para revisitar espiritualmente o Brasil de outras eras e outros ares, antípoda desta ruína sanitária, moral, econômica, ambiental e social perversamente engendrada pelo bolsonarismo. 

Reprovação a Bolsonaro sobe cinco pontos em pouco mais de um mês em SP | Maquiavel 'Vi a morte', diz funcionária de padaria perseguida e agredida por pedir para cliente colocar máscara Atendente de padaria tem braço quebrado após pedir para cliente usar máscara

Meu antídoto preferido a isso tudo aí, que me perdoem Pixinguinha, Noel, Caymmi e Gonzagão, continua sendo Tom Jobim. Seu cancioneiro é a trilha sonora que me evoca com mais variedade de sensações e sentimentos o país e o ethos do seu tempo, que em parte foram meus e de muitos de vocês também. Induzido pelo título, peguei o álbum

Antonio Brasileiro. Tom era brasileiro de nascença, sobrenome e espírito, que luxo! Na capa, ele acende um charuto, seu derradeiro prazer tabagístico. No encarte, Ipanema resplandece, com o Morro Dois Irmão ao fundo, tendo ao lado uma epígrafe de Antoine de Saint-Exupéry (aquela: “O essencial é invisível aos olhos”, mas em francês).  headtopics.com

Leia TambémIncrível comoO Pequeno Príncipevez por outra aparece nos lugares mais surpreendentes e em situações as mais inusitadas. Ser o livro de cabeceira de 99,9% de nossas misses na certa o condenou ao menosprezo eterno da crítica literária. Sempre desconfiei que fomos um tanto injustos com Exupéry. Não tão injustos quanto o general Rafael Videla, que o proibiu na Argentina, durante a ditadura militar de 1976-1981, por considerá-lo cheio de ideias subversivas. 

Na semana passada, um livro de cartas de amor trocadas entre Exupéry e a mulher, Consuelo, de 1930 a 1944, teve o condão de acabar com uma encarniçada disputa familiar pelo milionário patrimônio do escritor, trazendo Exupéry de volta ao noticiário. 

Seu ressurgimento anterior se dera no início do milênio, quando o prefeito da cidade mexicana de Nezahualcoyotl causou espanto e inveja, fora do país inclusive, ao decretar que os policiais de sua jurisdição só ascenderiam de posto se lessem pelo menos um livro por mês. Luiz Sanchez, o prefeito iluminista, até listou um plano de leitura, que incluía Dom Quixote e obras de Octavio Paz, Juan Rulfo, Carlos Fuentes – mais

O Pequeno Príncipe. Desconheço se e quão certo deu a experiência, mas me pergunto se algo similar implantado aqui teria alguma chance de, no mínimo, evitar futuras chacinas como a de Jacarezinho. Mas voltemos à vacina Jobim, ao headtopics.com

Moro vai debater corrupção com Nelson Jobim e doleiros da Lava-Jato | Radar Governo Bolsonaro respondeu em 15 minutos e-mail sobre compra de cloroquina PT quer chapa com PSOL para fazer Haddad governador em SP, diz jornal

Antonio Brasileiro. No miolo do álbum, uma série de imagens que evocam natureza (elementos de flora, fauna e indígenas) e fotos de objetos pessoais do maestro: seu chapéu Panamá, óculos, piano, lente de aumento, um livro – a iconografia adequada para um disco que pretendia ser uma repassada na obra jobiniana e, inconscientemente, uma despedida. 

Nele, Tom, que morreria no ano seguinte, retoma temas do passado (Insensatez,Só Danço Samba,,Chora Coração), homenageia alguns de seus heróis (Radamés, Bandeira, Pelé), cerca-se de amigos e parceiros (Caymmi, Ron Carter, Sting) e estabelece um recorde de familiares à sua volta, acrescentando aos da Banda Nova o neto Daniel e a filha Maria Luiza. 

Daniel, então com 21 anos, produziu o disco com seu pai, Paulo, e pilotou os teclados em duas faixas. Maria Luiza, ainda uma menina de sete anos, canta a duas vozes com o pai um samba inspirado no seu “cabelo amarelo” e nos seus “olhos cor de chuchu”, singelamente intitulado

Samba Para Maria Luiza.No repertório, uma dúzia de composições de Tom, dois originais de Caymmi ( Consulte Mais informação: Estadão »

G1 Ouviu #144 - Pop-punk: como a mistura de guitarras com refrões colantes volta às paradas

Podcast mostra como a união com o rap, a nostalgia no TikTok e o fenômeno Olivia Rodrigo revitalizaram o estilo. Lucas Silveira, da Fresno, dá a visão da geração 2000 sobre a turma de 2021.

Neymar é suspenso e desfalca o Paris Saint-Germain na final da Copa da França - Esportes - EstadãoDecisão do torneio será na quarta-feira, diante do Monaco, em Paris; clube ainda pode recorrer Esporte que pena Esporte PSGbrasil neymarjr globoesporteSP - Onde será a festa (clandestina)?

Governo do Maranhão recua e veta agora presença da torcida no estádio na final do Estadual - Esportes - EstadãoPoder local volta atrás na liberação do público por causa da transmissão pela TV: abertura havia sido criticada por especialistas em função da pandemia também

A menos de um mês do início, Copa América vive cenário de incertezas - Esportes - EstadãoSituação da pandemia no continente e crise social na Colômbia aumentam a preocupação sobre o torneio Esporte F* copa América Esporte Só convidados do rei podem aglomerar dentro dos estádios Esporte Devia suspender tudo isso até acabar a pandemia.

O recuo desastroso de Fabio Wajngarten na CPI da PandemiaTrechos da gravação da entrevista a VEJA mostram que, para preservar Bolsonaro, o ex-secretário distorceu informações Distorceu é o caralho mentiu na cara dura. vendo Bolsoflix Em Maceió, quanto mais a polícia tira pneus mais pneus aparecem, como mágica. Povo fechando acesso ao aeroporto, para evitar que o bozo saia. Ele quer inaugurar um viaduto construído na gestão Dilma. Ele está lá dentro cercado de bozoístas sem poder sair...